26.6 C
Uberlândia
sexta-feira, junho 14, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosÉ hora de adquirir medidores de umidade de grãos

É hora de adquirir medidores de umidade de grãos

 

Adriano Ferreira Rozado

Professor da Universidade Federal de Mato Grosso – ICAT/EAA/CUR/UFMT

adrianorozado@gmail.com

Crédito Nathan Levien
Crédito Nathan Levien

Crédito Nathan Levien
Crédito Nathan Levien

A determinação da umidade dos grãos é importante do ponto de vista qualitativo e quantitativo, ou seja, para prever as condições ideais de preservação da qualidade durante a armazenagem, no processamento, na comercialização e, também, para o bom gerenciamento destas etapas.

A água presente nos grãos exerce grande influência sobre suas propriedades físicas durante o manuseio, processamento e armazenamento. Parte desta água, denominada água livre, é facilmente evaporada pela ação do calor. A outra porção, denominada água de constituição, faz parte da estrutura celular e é ligada quimicamente ao produto.

A determinação da umidade das diferentes variedades de grãos pode ser realizada com a utilização de métodos diretos e ou indiretos. Todos possuem boa precisão quando empregado adequadamente, atendendo aos requisitos técnicos do modelo.

Erros podem ser fatais

É importante ressaltar que a obtenção de bons resultados na determinação da umidade dos produtos agrícolas não depende apenas do emprego de equipamentos adequados e da aplicação correta dos procedimentos operacionais para este ou aquele aparelho. É fundamental que a amostra de trabalho seja obtida atendendo, rigorosamente, os critérios técnicos previamente estabelecidos para este fim.

A obtenção de resultados imprecisos na determinação da umidade dos grãos pode ocasionar prejuízos de grande magnitude a curto, médio e longo prazo. Em alguns casos, estes prejuízos podem não ser contabilizados devido à falta de conhecimento técnico ao utilizar-se da metodologia e do aparelho disponível.

Métodos de determinação da umidade dos grãos

Dependendo das condições operacionais e da finalidade, dois métodos de quantificação da umidade podem ser empregados: método direto, em que a umidade do produto é retirada pela ação direta do calor; e método indireto, em que a umidade é medida a partir da relação entre a umidade do produto e uma de suas propriedades físicas, em geral, propriedades elétricas.

Método direto

A umidade correta interfere no resultado da qualidade final dos grãos - Crédito Entringer
A umidade correta interfere no resultado da qualidade final dos grãos – Crédito Entringer

Os métodos diretos empregados para a determinação da umidade são mais utilizados em trabalhos de pesquisa e para aferir os procedimentos adotados nos métodos indiretos. São pouco utilizados em unidades armazenadoras ou prestadoras de serviços devido ao maior tempo para a sua realização. Entretanto, são indispensáveis devido à necessidade de aferição dos aparelhos que empregam o método indireto.

Métodos de evaporação direta da água

Estufa: este método baseia-se na redução de massa que as amostras de produto úmido sofrerão dentro da estufa durante a sua secagem. Os procedimentos operacionais para a obtenção da umidade dependem do tipo de estufa, da umidade inicial e da natureza física do produto. Os resultados dependem da metodologia de obtenção da amostra, do tempo de permanência da amostra na estufa, da temperatura e pressão atmosférica do meio de secagem.

No grão úmido existe a “água livre”, que é removida rapidamente e a água de constituição, que será removida somente em condições específicas de temperatura e pressão, possibilitando a volatilização ou degradação de outras substâncias.

Para a condição brasileira, o método oficial de determinação de umidade, considerado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), é feito em estufa com circulação natural de ar. Este método, apesar de simples, é empregado para aferição dos equipamentos que permitem medições rápidas, utilizadas nos modelos que utilizam método indireto.

Essa matéria completa você encontra na edição de Novembro da revista Campo & Negócios Grãos. Clique aqui para adquirir já a sua.

ARTIGOS RELACIONADOS

Extratos vegetais x pragas – A hora do embate  

Luana Karolline Ribeiro Graduanda em Agronomia - Universidade Estadual do Centro-Oeste (Unicentro) lukarolline@icloud.com Fabiano Pacentchuk Engenheiro agrônomo, mestre em Produção Vegetal edoutorando em Agronomia "Unicentro fabianopacentchuk@gmail.com Sabe-se que os insetos-praga...

Bioenergia: Plantios adensados de eucaliptos

Autores Gleison Augusto dos Santos Doutor e professor - Universidade Federal de Viçosa (UFV) Juliana Brunetta Engenheira florestal, doutora e pesquisadora - Renabio Laercio...

Manganês influencia no controle das doenças na batata

  Emanuel Alexandre Coutinho Pereira Consultor de Vendas da Agrozap para HF Renato Passos Brandão Gestor Agronômico da Bio Soja   Os nutrientes, elementos químicos essenciais à vida das plantas,...

Mecanização e automação na silvicultura

Larissa Nunes dos Santos Juliana Pinheiro Dadalto Doutorandas em Engenharia Agrícola " Universidade Federal de Viçosa (UFV) Haroldo Carlos Fernandes Professor titular do Departamento de Engenharia Agrícola...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!