21.6 C
Uberlândia
sábado, abril 13, 2024
- Publicidade -
InícioNotíciasEmbrapa e SENAI CIMATEC colaboram digitalmente

Embrapa e SENAI CIMATEC colaboram digitalmente

Leone Andrade, Diretor de Tecnologia e Inovação do Senai Cimatec – Foto: Divulgação

A Embrapa e o Centro Integrado de Manufatura e Tecnologia do Senai (SENAI CIMATEC) lançaram no dia 17 de maio, em Salvador (BA), a Unidade Mista de Pesquisa e Inovação Digital em Agricultura Tropical (Umipi DITAg). A partir da parceria, as duas instituições vão compartilhar infraestruturas computacionais e equipes para o desenvolvimento de soluções digitais voltadas ao setor agropecuário em áreas como inteligência artificial, robótica, agricultura de precisão, internet das coisas, fotônica e rastreabilidade.

Com apoio da infraestrutura do SENAI CIMATEC, a ideia é que os resultados gerados pela pesquisa agropecuária na Embrapa alcancem mais rapidamente a escala industrial e o acesso ao mercado. “Essa parceria entre a Embrapa e o SENAI CIMATEC vai garantir o que nós tanto pregamos, que é uma cumplicidade com o setor agrícola cada vez mais intensa, para que a gente possa agregar mais valor ao agronegócio e possa ter resultados melhores na cadeia produtiva”, comemorou o presidente da Federação das Indústrias da Bahia, Ricardo Alban, durante o evento de lançamento.

Além de um campus em Salvador, especializado em desenvolver pesquisas e inovações para a indústria, o SENAI CIMATEC possui um parque tecnológico de 4 milhões de m² no Polo Industrial de Camaçari, o SENAI CIMATEC Park, que comporta escalonamento de produção, testes de grande porte e desenvolvimento de protótipos em escala real. Neste ano, também foi lançado o campus SENAI CIMATEC Sertão, com o objetivo de desenvolver tecnologias para impulsionar o progresso social, econômico e ambiental da região semiárida do Nordeste do Brasil.

A Embrapa participa da parceria por meio de dois de seus centros de pesquisa: a Embrapa Agricultura Digital (Campinas/SP) e a Embrapa Instrumentação (São Carlos/SP). “Ao unir as nossas competências, nosso objetivo principal é impulsionar a transformação digital na agricultura e fazer chegar ao setor produtivo tecnologias que auxiliem no aumento da produtividade, da eficiência no uso de recursos utilizados na produção e da sustentabilidade”, afirma Stanley Oliveira, chefe-geral da Embrapa Agricultura Digital, que lidera a iniciativa.

A parceria integra o acordo de cooperação estabelecido para geração de novos conhecimentos e tecnologias para o setor agropecuário brasileiro. Com a criação da Umipi DITAg, as instituições darão início a projetos em uma área considerada estratégica no agro, com impacto em diferentes elos do setor, que é a transformação digital. “A união de esforços no desenvolvimento e integração de novos sensores, tecnologias quânticas, automação e robótica para a agricultura levará a novos patamares de soluções, auxiliando as cadeias produtivas na eficiência e atendimento de demandas de exportação”, comenta José Manoel Marconcini, chefe-geral da Embrapa Instrumentação.

O diretor de Tecnologia e Inovação do SENAI CIMATEC, Leone Andrade, destacou que a parceria com a Embrapa é também um grande passo estratégico em direção aos projetos do SENAI CIMATEC Sertão. “É uma parceria totalmente alinhada com nossa visão do futuro, de atuar também em tecnologias da agroindústria. Hoje, mundialmente, é um setor que cresce muito incorporando novas tecnologias, visando a agricultura do futuro, a agricultura 4.0. No SENAI CIMATEC já dominamos boa parte das tecnologias que dão suporte à indústria e podemos empregá-las, rapidamente, para o setor agroindustrial”.

Além da colaboração em projetos, um dos objetivos da Umipi DITAg é também atrair novos parceiros para ampliar o ecossistema em agricultura digital, que envolve governos, instituições de ensino e pesquisa e setor produtivo, entre outros segmentos. “Fortalecer esta conexão com os diferentes atores do ecossistema vai possibilitar que as demandas do setor sejam alinhadas e que os resultados gerados realmente se transformem em inovação, ganhando capilaridade e ampliando sua adoção pela sociedade”, ressalta Stanley Oliveira.

São previstas, por exemplo, ações para promover novos modelos de negócios com parceiros e o fomento ao desenvolvimento de startups e spin-offs voltadas para a industrialização e para comercialização das soluções geradas no âmbito da parceria. A expectativa é também de que a Umipi se transforme num grande hub internacional, voltado à inovação digital em agricultura tropical. A sigla DITAg (Digital Innovation in Tropical Agriculture) foi considerada pensando nessa inserção internacional.

ARTIGOS RELACIONADOS

Zoneamento de risco climático

A cultura da melancia passa a contar com Zoneamento Agrícola de Risco Climático (Zarc) para todas as regiões do Brasil. Isso significa que dados sobre probabilidades de sucesso baseados em informações climáticas e nas características regionais estarão disponíveis para interessados em investir nessa cultura nas cinco regiões brasileiras.

Embrapa lança três cultivares de amendoim na Agrishow 2023

Produtores terão novas opções para aumentar a produtividade.

Pior doença da bananeira

Cientistas da Embrapa Mandioca e Fruticultura (BA) estão obtendo resultados promissores com o fungo Trichoderma asperellum no controle de outro microrganismo do mesmo reino, o Fusarium oxysporum f.sp. cubense (Foc), causador da murcha de Fusarium, uma das piores doenças da bananeira, antes conhecida como mal-do-panamá.

Plantas que os polinizadores gostam

O livro conta com mais de mil páginas e oitocentas ilustrações, contendo textos sobre a polinização realizada por abelhas, também chamada de melitofilia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!