23.6 C
Uberlândia
sábado, maio 25, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioDestaquesEPIs agrícolas: certificação obrigatória a cada 20 meses

EPIs agrícolas: certificação obrigatória a cada 20 meses

Vestimentas protetivas empregadas por trabalhador rural na aplicação de agrotóxicos têm nova regulamentação; laboratório de Jundiaí é único na América Latina apto a prover ensaios de qualidade com padrão internacional

Divulgação

Com a entrada em vigor da Portaria 4389, do Ministério do Trabalho, no mês de dezembro último, a indústria fabricante de EPI – equipamentos de proteção individual – ou vestimentas protetivas agrícolas, terá de submeter seus produtos a avaliações intermediárias de qualidade a cada vinte meses. A informação é do pesquisador científico Hamilton Ramos, do Centro de Engenharia e Automação (CEA), do IAC (Instituto Agronômico), coordenador do programa IAC-Quepia.

Criado há 28 anos, o programa IAC-Quepia reúne o setor privado ao CEA-IAC, órgão da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo. Conta, nos dias de hoje, com um dos mais modernos laboratórios da América Latina para certificar a qualidade de EPI agrícolas e está prestes a receber a certificação ISO 17025, prevista para o mês que vem.

EPI agrícolas ou vestimentas protetivas agrícolas constituem equipamentos de segurança exigidos por lei, para trabalhadores rurais, na maior parte das operações envolvendo a aplicação de agrotóxicos ou defensivos agrícolas.

“A nova diretriz impõe ensaios intermediários a cada vinte meses, enquanto a exigência pelo ensaio completo de certificação de qualidade, a cada cinco anos, continua a valer”, explica o pesquisador. Segundo ele, fabricantes que submetem seus produtos a avaliações do programa IAC-Quepia, e obtêm aprovação, recebem o Selo IAC de Qualidade, um aval oficial de qualidade.

Conforme Ramos, o laboratório IAC-Quepia, localizado na sede do CEA, na paulista Jundiaí, é hoje o único da América Latina apto a prover ensaios de conformidade em EPI agrícolas, além de pesquisas com padrão internacional na área. O pesquisador é também membro do Consórcio Internacional de Equipamentos de Proteção Individual na Agricultura, formado por oito países, incluindo Estados Unidos e Alemanha.

O Centro de Engenharia e Automação do IAC é parte da história da modernização da agricultura brasileira.  Em uma área de 110 mil m², ao pé da Serra do Japi, desenvolve pesquisas e presta serviços nas áreas de mecanização, agricultura regenerativa, meio ambiente e segurança no manuseio de agroquímicos. Conduz, hoje, mais de 30 projetos de ponta nas culturas de uva, cana-de-açúcar, agricultura por imagem e tecnologia de aplicação de agroquímicos.

ARTIGOS RELACIONADOS

Período da colheita de café requer cuidados jurídicos para safra mais segura

A produção cafeeira de Minas Gerais deve ser a maior do Brasil e deve atingir o equivalente a 27,5 milhões de sacas. Já o Sul de Minas deve colher um pouco mais de 13 milhões nesta safra.

Destaque – Recordista mundial de colheita é da New Holland

A Agrishow 2019, maior feira agrícola da América Latina, recebeu a linha CR EVO da New Holland Agriculture, marca da CNH Industrial. Equipadas com o exclusivo...

STIHL apresenta novos produtos na Agrishow 2017

A feira, considerada uma das mais importantes do segmento de tecnologias agrícolas, acontece de 1º a 5 de maio, em Ribeirão Preto (SP) A STIHL,...

Embrapa lança três cultivares de amendoim na Agrishow 2023

Produtores terão novas opções para aumentar a produtividade.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!