27.5 C
Uberlândia
quarta-feira, novembro 8, 2023
- Publicidade -
InícioArtigosHortifrútiEspecialistas advertem sobre deficiência de magnésio em tomate

Especialistas advertem sobre deficiência de magnésio em tomate

 O magnésio, utilizado em conformidade com as análises de solo e folha, pode ajudar a lavoura em condições de altas temperaturas

A deficiência do magnésio pode ser decorrente também do excesso de potássio - Crédito Shutterstock
A deficiência do magnésio pode ser decorrente também do excesso de potássio – Crédito Shutterstock

O magnésio é um constituinte da molécula de clorofila da planta, envolvido também no metabolismo de carboidrato, e por isso é importante no fornecimento de energia para o tomate. Sua deficiência é caracterizada pelo amarelecimento entre as nervuras das folhas, sendo detectada, primeiro, nas folhas mais velhas, e em estágios mais avançados, em toda a planta.

Os danos começam pela redução de produtividade, consequência da diminuição da capacidade fotossintética da planta, que passa a ter dificuldade para encher o fruto. Izabela Teixeira, engenheira agrônoma da Futura Agronegócios, explica que essa deficiência é causada pelo desequilíbrio nutricional da lavoura.

“Quando a planta começa a encher o fruto, a tendência do produtor é colocar cálcio e potássio, e por competição a planta acaba deixando de absorver um pouco de magnésio. Mas isso pode acontecer em qualquer fase. Se não for feito um preparo de solo adequado para a implantação da lavoura essa deficiência pode aparecer antes mesmo do florescimento – depende muito da nutrição da planta“, adverte a especialista.

A deficiência do magnésio pode ser decorrente também do excesso de potássio. Isso porque, quando a planta está enchendo o fruto, a tendência é que o produtor coloque potássio, que ajuda nessa etapa, fazendo com que o fruto fique graúdo. Já o cálcio, principalmente com a falta de água dessa época, juntamente com as temperaturas elevadas, entra para que o fruto fique bem firme. “E o magnésio, por ter mesma carga positiva do cálcio e do potássio, compete para se absorvido“, alerta Izabela Teixeira.

Por outro lado, se a planta estiver bem nutrida, obviamente a deficiência nutricional não se manifestará em nenhuma fase.

Manejo ideal

O manejo ideal da lavoura é feito de acordo com a variedade escolhida, sendo que cada uma tem a sua necessidade em determinada fase. “É o que chamamos de curva de absorção, e com esse posicionamento em mãos, o produtor pode aplicar adequadamente a quantidade que a planta pede“, expõe a agrônoma.

Para saber a quantidade e os nutrientes a ser suprida, o ideal é analisar o solo e as folhas, e de acordo com os resultados programar as manutenções da lavoura. “Na análise de folha a gente constata se ela está realmente absorvendo o que precisa e, dessa forma, conseguimos manter a planta sempre bem nutrida“, garante Izabela Teixeira.

Alerta para o clima

Com as mudanças climáticas atuais, que trouxeram consigo o aumento do ataque de pragas, os produtores têm optado por novas variedades mais tolerantes às mudanças no clima e com pacote de resistências às viroses. “Por tudo isso, as situações acabam nos surpreendendo, e exigindo que acompanhemos de perto para tomar as decisões mais assertivas“, pontua a agrônoma.

Ela confirma que no campo as lavouras de tomates estão, de fato, sofrendo mais por deficiência de magnésio, o que foi agravado pelas mudanças climáticas. “A partir do momento que a planta está sob estresse devido a uma temperatura muito alta e falta de água, ela não consegue extrair do solo os nutrientes que precisa. O veículo para a planta absorver o nutriente é a água, e isso geralmente ocorre do meio mais concentrado para o menos concentrado, ou por trocas iônicas. Portanto, o nutriente que estiver mais disponível no momento é o que será absorvido pela planta nesse momento que acontece a competição entre cálcio, potássio e magnésio. E o produtor tem se preocupado em repor apenas cálcio e potássio, esquecendo-se do magnésio“, adverte.

Na maioria das lavouras essa deficiência de magnésio aparece no enchimento de fruto, justamente pelo excesso de cálcio e de potássio.

 

Essa matéria completa você encontra na edição de outubro da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Clique aqui e adquira já a sua!

ARTIGOS RELACIONADOS

Bambu – Um dos mais promissores recursos renováveis do século 21

Ernane Miranda Lemes Engenheiro agrônomo, M.Sc. e doutorando em Produção Vegetal - ICIAG-UFU ernanelemes@yahoo.com.br Lísias Coelho Engenheiro florestal, Ph.D. e professor - ICIAG-UFU lisias@ufu.br Túlio Vieira Machado Engenheiro agrônomo e mestrando...

Variedades de cebola resistentes aos fungos de solo

Daniel Pedrosa Alves Engenheiro agrônomo, doutor em Genética e Melhoramento e pesquisador da Epagri danielalves@epagri.sc.gov.br Edivânio Rodrigues Araújo Engenheiro agrônomo e doutor em Fitopatologia e pesquisador da Embrapa Valter...

Produtor de acerola aumenta produtividade e economiza 100 litros planta/dia com irrigação inteligente

  Tecnologia implantada em 2013 também melhorou ergonomia dos colaboradores na Fazenda   Aumentar a produtividade economizando água e outros recursos, estão entre os principais objetivos dos...

Qualidade da pele da batata depende de cuidados no enraizamento

Característica é importante para potencializar produtividade e rentabilidade do cultivo Os aspectos visuais são determinantes no momento da escolha do consumidor pelo alimento que está...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!