21.2 C
Uberlândia
quarta-feira, fevereiro 28, 2024
- Publicidade -
InícioNotíciasEvento técnico de algodão aborda condições do ambiente, processos fisiológicos e de...

Evento técnico de algodão aborda condições do ambiente, processos fisiológicos e de manejo da lavoura que afetam a produtividade e a qualidade da fibra

Prof. Ederaldo Chiavegato, da EsalqUSP, disse que o cotonicultor tem que conhecer muito bem a planta
Prof. Ederaldo Chiavegato, da EsalqUSP, disse que o cotonicultor tem que conhecer muito bem a planta

Entender a planta do algodoeiro e os processos fisiológicos e bioquímicos envolvidos em cada fase de desenvolvimento da cultura é uma das principais ferramentas para o cotonicultor que quer ter produção em boa quantidade e com muita qualidade. De acordo com o Prof. Ederaldo Chiavegato, da Esalq/USP, a essência do manejo do algodoeiro é a busca pelo equilíbrio entre o desenvolvimento vegetativo e o reprodutivo.

“Tem que entender como a planta funciona e as interações com o ambiente. É importante fornecer à planta do algodoeiro os nutrientes necessários e na hora certa. Estar atento ao timing, exige conhecer muito bem a planta“, explicou o especialista para os participantes do X Encontro Técnico de Algodão que acontece em Cuiabá/MT e é realizado pela Fundação de Apoio à Pesquisa Agropecuária de Mato Grosso, Fundação MT.

Este conhecimento da planta do algodoeiro exige que produtor e equipe tenham informações sobre todo o sistema de produção que está sendo adotado, pois não dá para falar de fisiologia sem esse conhecimento. O pesquisador indica a priorização das rotinas de custo zero ou de baixo custo que incrementam outros competentes da produção.

As ações de planejamentos e manejo devem contemplar a cultura, com o estabelecimento de fundamentos básicos e de rotinas a serem adotadas que inclui: a quantidade e os modos de aplicação de fertilizantes; as variedades, o correto manejo de regulador de crescimento e minimizar os diferentes estresses durante o ciclo da cultura. “Tem que planejar a cultura, estabelecendo os rumos da produção. Cada ano requer ajustes diferentes. As diferenças de ambiente ao nível de região e de fazenda são diferentes, portanto, o manejo também tem que ser diferente. Assim, os ajustes são necessários, pois cada unidade da produção requer seu manejo próprio“, afirmou Chiavegato.

No evento, o pesquisador frisou que o manejo estratégico durante o ciclo da cultura tem que ser prioridade dentro da fazenda haja vista que está ocorrendo uma evolução muito grande dos componentes genéticos, das novas tecnologias e do manejo do solo. O diferencial é trabalhar uma cultura não só em função de um único fator, tem que ficar muito atento às variações ambientais e as interações com a cultura e adotar as ações de manejo como um todo.

Quando se tem um ambiente mais favorável, evidentemente facilita o aumento de produtividade. Mas, segundo o especialista, o importante é saber controlar as adversidades. O produtor não pode ficar depende de um único fator, já que são muitos os que limitam a produção e a produtividade. “Qualquer variável que antecipe ou retarde a maturação da cultura pode reduzir a produção e a qualidade da fibra devido a exposição da cultura em condições desfavoráveis do ambiente.“

ARTIGOS RELACIONADOS

Otimismo na safra gera busca por mais tecnologia em Dia de Campo do Algodão na Bahia

A conjuntura positiva da safra de algodão na Bahia que, pelo segundo ano consecutivo, vai atingir produtividade média acima de 300 arrobas/hectare, vem incentivando...

TMG lança cultivares de algodão para região Centro-Oeste e Bahia

Lançamentos ocorreram durante eventos realizados em Lucas do Rio Verde, Primavera do Leste e Luís Eduardo Magalhães; em 2023, a empresa já realizou 76 horas de treinamento a 258 cotonicultores responsáveis por uma área de 374.242 hectares de algodão

Novo microrganismo produz enzima de interesse industrial com mais sustentabilidade

A Embrapa Agroenergia (DF) desenvolveu um microrganismo geneticamente modificado que atua como biofábrica capaz de produzir um insumo utilizado nas indústrias de biocombustíveis, alimentos,...

Insetos ameaçam produção de algodão

Elasmopalpus lignosellus e Scaptocoris castânea. Essas palavras estranhas são bem conhecidas para quem cultiva algodão em todo o país, pois são, respectivamente, os nomes científicos da lagarta elasmo e do percevejo castanho, os principais insetos que atacam a plantação e podem causar a perda total da produção brasileira, hoje, estimada em 7 milhões de toneladas, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!