20.6 C
Uberlândia
sábado, abril 20, 2024
- Publicidade -
InícioNotíciasÊxito de programa brasileiro para qualidade de vestimentas protetivas agrícolas na Índia

Êxito de programa brasileiro para qualidade de vestimentas protetivas agrícolas na Índia

IAC-Quepia colocou Brasil na vanguarda da pesquisa agrícola associada à proteção do trabalhador rural e à segurança na aplicação de agroquímicos

Avanços e resultados recentes obtidos pelo Programa IAC de Qualidade de EPI/Vestimentas Protetivas Agrícolas (Quepia) serão levados ao plenário do 15º Congresso Internacional de Proteção de Plantas. O encontro, parte do “IUPAC” 2023, sobre química na agricultura, ocorre na cidade indiana de Nova Delhi e reúne profissionais e empresas de todo o mundo. Na ocasião, os pesquisadores Hamilton Ramos e Viviane Aguiar Ramos tratam também de tendências globais relacionadas à confecção de EPI.

EPI ou vestimentas protetivas agrícolas constituem equipamentos desenvolvidos com vistas à proteção do trabalhador rural que exerce a atividade de aplicador de agroquímicos ou defensivos agrícolas: calças, aventais, camisas, respiradores, luvas, bonés, viseiras, óculos e outros itens.

Hamilton Ramos, coordenador e idealizador do IAC-Quepia
Divulgação: IAC

Nascido há 17 anos, por meio de uma parceria entre o Centro de Engenharia e Automação (CEA), do Instituto Agronômico (IAC) e um grupo de empresas, o IAC-Quepia já transferiu ao campo benefícios como o de impulsionar o avanço tecnológico gradual dos EPI, além de auxiliar a indústria do setor a buscar certificações baseadas em normas da ISO – International Standartization Organization -, segundo informam os pesquisadores.

“Quando da criação do programa, nem sequer havia no Brasil normas técnicas que ancorassem análises de qualidade e atestassem a segurança de EPI”, frisa Hamilton Ramos, coordenador e idealizador do IAC-Quepia.

Selo-referência e reprovações

Sede do programa desde o início, o CEA-IAC, órgão da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de SP, sediado em Jundiaí, mantém atualmente um dos laboratórios mais avançados do mundo para avaliar EPI, conforme Ramos. Em torno de R$ 500 mil, ele acrescenta, foram investidos no local nos últimos anos, com recursos captados junto a empresas do agro.

Nesse laboratório, segundo Ramos, são avaliados hoje em dia, “até o limite da vida útil”, parâmetros de segurança, permeabilidade, resistência e qualidade de tecidos de EPI, entre outros. “EPI aprovados recebem o ‘Selo IAC-Quepia’. Este selo, por sinal, se converteu num aval de qualidade hoje pleiteado e exibido por fabricantes com reputação de credibilidade.”

Na visão do mercado, observa Ramos, o selo IAC-Quepia “auxilia na segregação de EPI impróprios e abre mercado a produtos certificados.” Ainda de acordo com ele, a consolidação do IAC-Quepia no agro contribuiu para reduzir reprovações de qualidade de EPI agrícolas fabricados no Brasil, que eram da ordem de 80% do total dos testes, em 2010, para menos de 20% nos dias de hoje.

ARTIGOS RELACIONADOS

Koppert lança programa inédito

O BioTSI Kopppert, composto pelo Trianum DS (Trichoderma harzianum, Cepa T22) e o ...

Pescados é destaque no programa Exporta Mais Brasil

De 19 a 21 de setembro, compradores internacionais convidados pela ApexBrasil participarão de rodadas de negócio com empresas do setor das cinco regiões do Brasil.

Pagamento por Serviços Ambientais

A Lei número 14.119/2021, que entrou em vigor recentemente, institui a ...

Programa Soja Baixo Carbono

A Associação Brasileira do Agronegócio (ABAG), com o apoio da Embrapa, Instituto ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!