27.6 C
Uberlândia
segunda-feira, abril 22, 2024
- Publicidade -
InícioDestaquesExportação de milho e soja estima trégua nos preços

Exportação de milho e soja estima trégua nos preços

A exportação de milho e soja projeta uma trégua nos preços, trazendo perspectivas positivas para o mercado agrícola.

Por Cristian Dias, AgroBusiness Specialist

O mercado de cultura de grãos de milho e de soja está em evidência em 2023, graças à aprovação da lista de exportadores brasileiros, pela alfândega chinesa. Atualmente, o principal fornecedor desses grãos no mundo são os EUA, de quem a China dependia, junto à Ucrânia, para reter seu fornecimento, o que foi afetado pela guerra contra a Rússia. O acordo entre Brasil e China visa, também, a transferência de algumas das compras de importadores tradicionais do milho brasileiro, a exemplo de Egito e Espanha, para os EUA.

Milho
Créditos: Divulgação

De acordo com o Ministério da Agricultura, a China deve importar em torno de 18 mi de toneladas de milho, da safra 2022/2023, iniciada em outubro de 2022. A safra 2021/2022 aconteceu com grande imersão em alto custo de insumos para o programa de manejo, preços altos de frete para a distribuição interna e transporte para os portos de exportação, graças ao clima adverso, que acabou comprometendo o desenvolvimento das lavouras, desvalorizando o real e deixando a demanda chinesa instável.

Para a safra deste ano, uma postura cautelosa por parte dos produtores, cerealistas e tradings tem sido adotada. Da mesma forma, eles têm se mantido atentos ao recuo nos valores dos fretes, a exemplo de agosto de 2022, com a cultura da soja e os sojicultores esperando por momentos mais propícios para a venda do grão, graças ao resultado tímido, em números, da comercialização durante o mês.

Quanto à soja, e frente a uma pesquisa realizada pela Embrapa, apesar de o grão ser de origem asiática, é o Brasil que retém os altos números de produção e exportação. Em torno de 135,409 mi de toneladas de soja são produzidas no país, com o estado do Mato Grosso ocupando o primeiro lugar, totalizando 35,947 mi de toneladas. São números realmente expressivos, e precisam ser considerados diante da produção e exportação desses comodities, o que torna seu mercado muito visado, principalmente pela recente alta dos valores.

Segundo o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), as projeções para a reserva de soja devem aumentar para 6,42 mi de toneladas, com estimativa de safra de 118,67 mi de toneladas. Já para o milho, os estoques devem ser elevados para 33,07 mi de toneladas, com sua produção sendo reduzida levemente, de 353,82 mi para 353,62 mi de toneladas, desde 2022.

Já para o Brasil, a Indústria de Transformação registrou crescimento de US$197,01 mi, com um aumento de 28,3% nas vendas, junto à contribuição de farelos de soja. Graças a isso, o agro, neste ano de 2023, foi destaque nas exportações, de acordo com o informativo divulgado pela Secex, com crescimento registrado de US$70,04 mi, ou seja, 19,3% de crescimento na exportação de soja (+19,8%), café não torrado (+72,2%) e arroz com casca, paddy ou em bruto (+414,199%).

Apesar de o milho estar à frente da importação pela China, com 6 milhões de toneladas, 95% superior a julho de 2022, graças a todas essas questões geopolíticas, de acordo com os dados coletados pela Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (ANEC), a soja contabiliza estimativa de 7,8 milhões de toneladas, 2% a mais do que o mês de julho de 2021. O farelo de soja vem logo atrás, com 2,2 milhões de toneladas, 26% a mais do que julho de 2021. Já o trigo, aparece por último, com estimativas de exportação de 109 mil toneladas para este ano de 2023.

Safra 2023

Para a safra de 2023, os produtores e agricultores tendem a optar por culturas que ofereçam melhores estimativas de liquidez e rentabilidade, neste caso, o milho e a soja. Ao contrário da safra 2021/2022, que sofreu com a falta de recursos hídricos para continuar se desenvolvendo, a safra de 2023 poderá resultar em 11,2 mi de toneladas aproximadamente, dada sua possibilidade de recuperação, já que o cenário de mercado não apresentará tendências de queda expressivas para as cotações de milho.

Quanto à cotação de soja, o valor de venda deu um grande salto em comparação com a safra anterior. Conforme a Conab, Companhia Nacional de Abastecimento, o preço dos insumos é o grande responsável por esse salto. A exemplo de Londrina, PR, onde o custo de produção médio da soja durante a safra 2021/2022 foi de R$5.989,97, com produtividade de 3,6 mil kg/ha, enquanto a safra de 2022/2023, totalizou com o custo cotado a R$9.250,79, diante da mesma produtividade esperada.

A definição dos preços da soja é realizada através da influência da bolsa de valores de Chicago, EUA, referência mundial nos valores estipulados para soja e para outras commodities agrícolas. São valores formados por meio da consideração de alguns fatores, como oferta e demanda de grãos dentro do país e fora dele, e as condições climáticas dos principais locais produtores.

Como o comércio brasileiro do agro está lidando com os preços dos grãos diante da comercialização interna e externa

O Brasil é o segundo maior país que mais exporta grãos e o quarto maior produtor, sendo responsável por 7,8% da produção mundial, consoante a Sire, Secretaria de Inteligência e Relações Estratégicas.

Segundo dados do Mapa e da Secex, nos últimos três anos, todos os indicadores macroeconômicos foram contaminados pelos efeitos negativos que a época de quarentena da Covid-19 trouxe. No entanto, a comercialização de grãos se manteve firme e se consagrou como o motor de expansão do agronegócio brasileiro, somando, a partir de 2021, 30% em valor de embarques, em comparação com os números contabilizados em 2020, o que resultou no total recorde de US$120,8 bi de embarques em 2021. Isso fez com que o saldo da balança brasileira se mantivesse no azul.

Já em 2023, e frente a uma pesquisa realizada pela CNA, Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil, os indicadores macroeconômicos internos apontam que o agro deverá crescer até 2,5% neste ano, em relação ao ano de 2022, quando houve a quebra de safra da soja, a alta de custos e a pressão de resultados para o setor. Isso significa que os preços do grupo de alimentos que compões o IPCA, Índice Nacional de Preço ao Consumidor Amplo, serão desacelerados em 2023, em razão da previsão de safra recorde de grãos no Brasil e da espera de queda dos preços médios das commodities agrícolas. Frente às estimativas do Banco Mundial, esses preços médios devem cair 4,5% em 2023, diante do crescimento de 13,4% em 2022.

O Banco Mundial espera queda de 21% no preço de commodities ainda neste ano de 2023.

ARTIGOS RELACIONADOS

Bom Futuro já colheu 12,6% da sua área de soja em Mato Grosso

A colheita de soja nas fazendas da Bom Futuro segue em ritmo satisfatório em Mato Grosso, ...

Drones eliminam perdas por máquinas durante aplicação de defensivos

O uso do drone agrícola ajuda na melhoria da aplicação foliar na lavoura, atuando no aumento da produtividade e gerando mais lucratividade.

Tradecorp apresenta resultados do uso de biofertilizante em plantações de soja na região Norte do país

Empresa marca presença na Dinetec, que acontece pela primeira vez em Dom Eliseu, no Pará

KWS iniciará operação em seu Centro Avançado de Pesquisa localizado em Petrolina/PE

Acelerar o processo de avanço de novos híbridos para que os agricultores brasileiros possam ter uma maior oferta de produtos adaptados aos mais variados e adversos ambientes.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!