28 C
Uberlândia
terça-feira, junho 25, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioNotíciasExportações brasileiras de noz-pecã crescem 600%

Exportações brasileiras de noz-pecã crescem 600%

Divulgação

Um salto nas exportações de noz-pecã está movimentando o Rio Grande do Sul, estado responsável por 70% da produção brasileira do fruto. Em Cachoeira do Sul, o maior polo produtor gaúcho e do país, as vendas externas chegaram a 175 toneladas no período de janeiro a outubro deste ano, um aumento de 660% em comparação com as 23 toneladas exportadas em 2021, segundo dados do Comex Stat, portal de dados do comércio exterior brasileiro vinculado ao Ministério da Economia. Em valores atuais, o crescimento passou de US$ 88 mil (R$ 472 mil) para US$1,6 milhão (R$ 8,6 milhões).

Do total, 95% foram comercializados pela Divinut, especializada no beneficiamento de noz-pecã e na produção de mudas. Em 2021, a empresa enviou oito toneladas do fruto beneficiado para Israel. Este ano, as vendas foram ampliadas para países da Europa e Oriente Médio, somando 200 toneladas até o final de dezembro, o que representa um aumento de 2500%.

Para 2023, a expectativa da empresa é multiplicar a quantidade exportada, expandindo as vendas para novos mercados na Ásia e América do Norte. Edson Ortiz, diretor da Divinut e Presidente do Conselho Estratégico de Pesquisa da Associação Brasileira de Nozes, Castanha e Frutas Secas (ABNC), anuncia para dezembro o embarque de um novo carregamento rumo à Espanha. “Iniciamos as exportações com as transações via trading e hoje fazemos de forma direta. Vamos fechar 2022 somando 2 milhões de dólares em vendas para outros países”.

Há 22 anos no mercado, a Divinut possui o maior viveiro de mudas com raízes embaladas do mundo, com 400 mil mudas em área coberta, e só exporta nozes beneficiadas. A empresa conta hoje com quatro mil produtores parceiros em 600 municípios no Sul do Brasil, sendo a sua grande maioria da agricultura familiar. Os bons resultados levaram à ampliação da área industrial da empresa, que passará dos atuais 750 m² para 2,1 mil m². “Vamos aumentar de cinco para 30 toneladas/dia a capacidade instalada de processamento de noz-pecã. Estamos trabalhando para que tudo esteja pronto até março de 2023”, revela o empresário.

A nova planta de descascamento de nozes-pecã terá a maior capacidade instalada do Hemisfério Sul, com oito descascadores industriais, sete seletoras eletrônicas, três guichês de recepção e um novo terminal de expedição de containers. Tudo com automação de controles nos pontos de variação térmica e rastreabilidade codificada.

Além disso, balanças de fluxo integram e automatizam o controle de informações de lotes, desde o campo até a expedição. O sistema possui certificado de Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle (APPCC). “Já iniciamos o processo de preparação para a certificação internacional de segurança de alimentos, a FSSC 22000. Estamos buscando a noz-pecã 4.0”, conta Ortiz . Os investimentos somam R$ 4 milhões, sendo parte de capital próprio e a outra obtida através de financiamentos.

Cachoeira do Sul Capital da Noz-Pecã

Depois de ter se destacado no cenário nacional como referência no cultivo do arroz, e detentora do título de Capital Nacional do grão, Cachoeira do Sul é reconhecida como a Capital Sul-americana da Noz-pecã. Possui a maior área plantada da América do Sul, com 1,2 mil hectares cultivados, e é sede das duas maiores processadoras que, juntas, descascam cerca de 70 % do que é descascado no Brasil – uma delas, a Divinut. Em valores, as exportações de noz-pecã aqui em Cachoeira superam o arroz. Até outubro, a maior beneficiadora do cereal embarcou 2.791 toneladas de arroz beneficiado, quantidade igual às vendas de 2021, totalizando US$ 1,2 milhões (R$ 6,8 milhões). Enquanto a tonelada do arroz foi exportada por US$ 454 (R$ 2,4 mil), a noz-pecã rendeu cerca de US$ 10 mil (R$ 53,7 mil). Em todo o Rio Grande do Sul, os pomares somam 6,6 mil hectares plantados, segundo dados da Emater.

No Brasil, quarto maior produtor mundial de noz-pecã, o fruto deixou de ser um produto natalino passando a fazer parte da alimentação do dia a dia pela praticidade, qualidade nutritiva e sabor. A noz-pecã é considerada um alimento saudável, rico em antioxidantes e fonte de ômega 3, vitamina E e Zinco, entre outros benefícios. Em todo o mundo, o consumo de castanhas, nozes e frutas secas aumenta, em média, 6% ao ano, de acordo com a International Nut Council (INC).

ARTIGOS RELACIONADOS

Nova aposta: Gengibre para exportação

O Espírito Santo apresentou um crescimento de 253% nas exportações de gengibre, atingindo 9.067 toneladas. A receita dobrou, para US$ 10,2 milhões e o Estado respondeu por 59% das exportações do País

Novas soluções para fazendas no agronegócio

Melhorias em infraestrutura transformam a fazenda e potencializam o setor do agronegócio

Brasil alcança recorde histórico em exportações

Em 2019, o Brasil exportou 40,6 milhões de sacas de café, considerando a soma de café verde, solúvel e torrado & moído, segundo relatório consolidado pelo Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé).

Consumo de carne bovina despenca no Brasil, mas exportações crescem

As rotas do comércio internacional de carne bovina estão em plena transformação, em um cenário que começou a se desenhar em 2022 e deve se acentuar ao longo deste ano. Países altamente carnívoros estão reduzindo o consumo do alimento. Por outro lado, nações que tinham uma dieta baseada em outros tipos de proteína, como a China, têm expandido sua participação neste mercado, ampliando seus volumes de importação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!