18.6 C
Uberlândia
quinta-feira, junho 13, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosFlorestasFertilizantes com ácidos húmicos aumentam enraizamento da planta

Fertilizantes com ácidos húmicos aumentam enraizamento da planta

Nilva Teresinha Teixeira

Doutora em Agronomia e professora de Nutrição de Plantas, Produção Orgânica e Bioquímica da Unipinhal

TESConsultoria Socioambiental “Divisão Agronômica

nilvatteixeira@yahoo.com.br

 

Crédito Fibria
Crédito Fibria

Tempos atrás, a preocupação com a nutrição das plantas florestais era pequena: o que se procurava fazer na implantação era calagem e adubação fosfatada com adubos insolúveis em água. Entretanto, hoje, além da fertilização com nitrogênio, fósforo e potássio, o emprego de adubos com magnésio e boro incrementa os programas de adubação. O manejo nutricional tem se mostrado fundamental, quando se pretende obter altas produtividades.

O estudo da literatura demonstra que o aumento da dose de calcário, o estabelecimento das doses de nutrientes na adubação em virtude da textura do solo, a introdução de gesso como fonte de enxofre, o uso de doses de nitrogênio mais elevadas em função do teor de matéria orgânica, o uso de fontes solúveis de fósforo, apenas, o aumento das doses de boro, além do fornecimento via pulverização foliar nas regiões com déficit hídrico acentuado têm proporcionado excelentes resultados.

A recomendação de calagem e fertilização deve sempre se fundamentar na análise de solo.

Novidades

Um aspecto interessante em reflorestamento é o uso de gel no plantio. Tal insumo atua como retentor de água no solo, reduz a mortalidade de plantas, não permite grandes variações na temperatura do solo, melhora sua aeração e evita a compactação, além de ser inócuo ao meio ambiente e aos microrganismos do solo.

O gel é um produto não tóxico epolímero composto por silício, magnésio, aminoácidos e dióxido de carbono. Possui alta capacidade de retenção de água, podendo reter esse líquido em quantidade equivalente a centenas de vezes seu próprio peso, entregando-o à planta de acordo com a necessidade dela.

Além disso, ele é biodegradável e possuipH neutro. Pode ainda contribuir para o bom desenvolvimento da planta com mais duas maneiras: atua como isolante térmico e é capaz de reter no seu interior, além da água, soluções ricas em nutrientes. O resultado é o rápido estabelecimento da cultura e a redução de custos com replantio e irrigação.

Essa técnica traz benefícios para o solo: reduz as perdas de água e o número de irrigações em até 50%; melhora a estrutura física do solo, aumentando a aeração e diminuindo a compactação; auxilia na menor variação brusca de temperatura; reduz a lixiviação e a evaporação da solução; e aumenta a Capacidade de Troca de Cátions (CTC).

Ácidos orgânicos

Entre as novidades de mercado de insumos para florestais estão os produtos com aminoácidos ” que estimulam o metabolismo da planta “e ácidos orgânicos (húmicos e fúlvicos). Veja, a seguir, exemplos de aminoácidos e as respectivas importâncias nas plantas:

– Ácido aspártico: é fonte abundante de nitrogênio e se responsabiliza pela translocação do nitrogênio pelo floema.

– Ácido glutâmico: é sintetizado por meio da incorporação da amônia em compostos orgânicos, dando origem a vários aminoácidos. É a principal via de entrada de nitrogênio mineral nos compostos orgânicos nas plantas.

 – Alanina: participa da formação e germinação do grão de pólen.

 – Arginina: influi na fotossíntese e participa do crescimento e transporte dos nutrientes para flores, frutos e sementes.

 – Fenilalanina e tirosina: são responsáveis pelos processos de senescência e dormência.

 – Glicina: é importante na fotossíntese, fazendo parte do processo de síntese de clorofila.

 – Histidina: é regulador da concentração do ácido aspártico.

Lisina: é ativadora da clorofila e retardadora da senescência.

Prolina: é reserva de nitrogênio facilmente assimilável, sendo utilizada pela planta como defesa contra o déficit hídrico e o estresse térmico.

Valina: atua na regulação do crescimento e na maturação dos frutos.

Triptofano: é precursor da síntese do Acido Indolil Acético (AIA), hormônio de crescimento.

Isoleucina, Leucina e Treonina: participam na formação de outros aminoácidos.

 – Cisteína: está presente na assimilação do enxofre, precursor da lignina.

 – Serina: é precursor do triptofano.

 – Metionina: está presente na assimilação do enxofre e é precursor do hormônio de maturação e senescência (etileno).

Essa matéria completa você encontra na edição de março/abril 2017  da revista Campo & Negócios Floresta. Adquira já a sua para leitura integral.

ARTIGOS RELACIONADOS

Aminoácidos – A chave-mestra na produção de manga

Nilva Terezinha Teixeira Engenheira agrônoma, doutora em Solos e Nutrição de Plantas e professora de Nutrição de Plantas, Bioquímica e Produção Orgânica do Centro Universitário...

Aminoácidos proporcionam menos perdas de folhosas no frio

Com a chegada das frentes frias no período entre outono e inverno, as regiões sul e sudeste ...

Plantas aromáticas – Mais cor e sabor à vida

Seja na cozinha ou nos frascos de cosméticos, as plantas aromáticas chegam trazendo consigo um novo nicho de mercado, que pretende atrair cada vez...

Algas proporcionam tolerância ao estresse hídrico

  Giancarlo Couto da Costa Engenheiro agrônomo, consultor técnico, produtor rural e empresário giancarlocouto@yahoo.com.br   Algas marinhas são classificadas como vegetais sem sistema vascular. Entretanto, suas células podem formar...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!