26.6 C
Uberlândia
terça-feira, abril 23, 2024
- Publicidade -
InícioNotícias'Floresta Naveia' apresenta resultados impactantes

‘Floresta Naveia’ apresenta resultados impactantes

Além de compensar as emissões de toda a operação da empresa de produtos à base de aveia, a iniciativa devolve biodiversidade à terra adquirida em Minas Gerais e regenera o solo degradado pelo uso como pasto, em seu primeiro ano de vida

Quando a Naveia ainda era só uma ideia, o compromisso de usar a marca para regenerar o meio ambiente já existia pelos fundadores e ativistas Alex Soderberg e Felipe UFO. Com a premissa de buscar se conectar com seus consumidores e mudar o mundo usando o leite de aveia como ferramenta, a marca incorporou a missão de ser uma empresa carbono negativo, e, para isso, entendeu que precisava desempenhar um papel positivo a partir da sua existência – e não ser apenas mais uma empresa no mercado com um novo produto nas gôndolas. A partir desse objetivo, logo nasceu a Floresta Naveia – projeto que completou um ano e que, além de proporcionar o retorno da biodiversidade, gerar empregos e segurança alimentar, contribui para descarbonização das operações da marca, sequestrando CO2 da atmosfera e estocando carbono nesse processo. 

A iniciativa trata-se de 220 hectares de terra degradada no sul de Minas Gerais (berço da cultura de laticínios brasileira) que era usada como pasto de vacas leiteiras, e que, após ser adquirida pela marca, em 2021, passou a ter o seu uso ressignificado. “Tiramos as vacas e colocamos muvucas, também conhecidas como bombas de semente”, afirma o Head de Ativismo da marca, Guiga Pirá.

Creditos: Divulgação

A Floresta Naveia fica dentro da propriedade que, carinhosamente, foi apelidada de “Evolândia”, nome próprio formado pela conjunção do substantivo “evolução” e do elemento de composição “lândia”, que significa lugar ou terra, e que, além de funcionar como um laboratório de ideias revolucionárias da marca, também é a sede do departamento de ativismo da Naveia. 

No espaço já foi instalado um viveiro que produz 50.000 mudas que auxiliam o processo de regeneração dessa terra e ainda 10 hectares destinados para o desenvolvimento de um projeto piloto baseado em agrofloresta para geração de emprego e segurança alimentar.  “Esse projeto já está em andamento em 2 hectares com um sistema agroflorestal que produz uma diversidade de alimentos vegetais através de agricultura vegânica e mostra que pastos degradados podem voltar à vida, basta sonhar junto da terra”, complementa Guiga.

Nesse sistema agroflorestal, a iniciativa já conta com mais de 60 espécies vegetais sendo produzidas de forma muito eficiente porque elas colaboram entre si, e não competem. Tudo isso feito através do cultivo vegânico (vegano e orgânico), que significa que não recebe nenhum tipo de adubo ou aditivo de origem animal e nem pesticidas. Grandes quantidades de abóboras, feijões, batatas, couve, beterraba, tomate, banana e outros vegetais já foram colhidas e distribuídas entre os funcionários da Naveia e de um restaurante parceiro.

A marca também envolveu pequenos produtores de leite da região que aderiram à causa de seguir um caminho mais saudável para todas as partes envolvidas, participando da missão de “acabar com o consumo de leite sem acabar com ninguém”, premissa que a Naveia defende quanto à mão de obra no campo.

A iniciativa movida pelo propósito de preservação ambiental e animal, embora vise impactos ainda maiores no longo prazo, já mostra resultados positivos e muito otimistas em seu primeiro ano: O sistema agroflorestal da Floresta Naveia já consegue produzir cerca de 80 toneladas de alimentos por hectare, tudo devido à regeneração natural com a retirada de vacas e a dispersão de muvucas. As áreas mais degradadas de toda propriedade que receberam as primeiras mudas e muvucas já contam com uma cobertura verde mais densa e solo menos exposto, além do viveiro que a Naveia criou e já produziu cerca de 30 mil mudas. 

O retorno da biodiversidade também já é bastante evidente em termos de impacto do projeto da marca e é possível identificar uma enorme quantidade de aves, além de um lobo guará e excremento de um grande felino ainda não identificado. Segundo Guiga, esse  também é um fator de medição do sucesso da Floresta Naveia, pois um dos objetivos é criar um corredor verde que permita a migração dos animais silvestres pela região. 

“Depois de um ano, percebemos que uma terra muito degradada pode ser recuperada e  se tornar produtiva, apesar dos imensos desafios. Enxergamos a luz no fim do túnel, existe uma solução para o uso da terra de forma regenerativa, sem exploração animal e sequestrando carbono da atmosfera ao mesmo tempo em que se garante segurança alimentar e gera emprego.  Hoje cerca de 70% dos pastos brasileiros estão em algum estado de degradação, e entendemos que existe solução para esse problema, e, o mais importante, beneficiando todas as partes envolvidas: o produtor, o ambiente e os animais. Esperamos que o mercado, de uma forma geral, enxergue o valor que a regeneração tem”, declara ainda Guiga Pirá.

Créditos: Divulgação

Planos futuros

Para este ano ainda, além dos dois hectares de agrofloresta já implantados, a Naveia pretende implantar mais três hectares, totalizando 50% da área destinada à sistemas agroflorestais na Floresta Naveia. As expectativas para 2024 são ainda mais promissoras, e deve-se concluir os dez hectares destinados à agrofloresta. “A nossa expectativa é que  a Floresta Naveia consiga absorver ao longo dos anos cerca de 14,6t CO2 por hectare por ano”, afirma Guiga Pirá.

A empresa segue investindo na evolução do projeto Floresta Naveia e já está desenvolvendo ideias de produtos feitos a partir dos vegetais produzidos na agrofloresta com o objetivo de criar um modelo de negócios viável baseado na regeneração, assim como pretende criar um forno para produção de biochar (carvão vegetal), que ajudará no plantio e ainda auxiliará no estoque de carbono. Hoje, as visitas à Floresta Naveia acontecem de forma bem pontual, apenas para alguns convidados que participam de alguma ação específica, mas a empresa já planeja criar um centro de visitantes. 

Para saber mais, acesse: https://www.naveia.com.br/pages/ativismo

ARTIGOS RELACIONADOS

Produtores de cana comprovam resultados com manejo biológico

Rentabilidade pode ser até três vezes superior na comparação com a soja.

Resultados a campo respaldam novo fungicida

Solução recomendada ao manejo de patógenos danosos à cultura demonstra melhor adesividade, maior tempo de controle e entrega mais vigor às plantas

Os resultados do silício para a abóbora

Alguns estudos têm mostrado que a suplementação de silício pode melhorar o crescimento e desenvolvimento das plantas.

Maturador mostra resultados ao transferir qualidade à matéria-prima

Tecnologia recomendada à melhor gestão da colheita é também considerada estratégica em face de efeitos de mudanças climáticas sobre os canaviais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!