22.6 C
Uberlândia
domingo, maio 19, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosHortifrútiGotejamento garante altas produtividades

Gotejamento garante altas produtividades

Mário Calvino PalombiniEngenheiro agrônomovermelhonatural@hotmail.com

Morango – Foto: Shutterstock

A cultura do morangueiro é altamente exigente em água. Possui um sistema radicular superficial que não lhe confere capacidade significativa de obter água nas profundidades do solo, elevado crescimento de planta e absorção de água, quando em condições favoráveis. Isso ocorre pela alta densidade de estômatos na folha (estrutura responsável pela evapotranspiração).

Esta é uma planta dotada de alta necessidade de respiração do sistema radicular, não permitindo a encharcamento do solo. Estes fatores não tornam viáveis o seu plantio sem a utilização de irrigação e exige um manejo de alta complexibilidade. 

Como os sistemas de produção são divididos em dois modelos, plantio no solo e fora de solo, estas explanações serão divididas em duas partes.

Produção em solo

O sistema de produção no solo é de menor complexibilidade, mas possui suas particularidades. O primeiro fator são as características de solo. Nos arenosos, a água na irrigação possui tendência de se transcolar de forma mais vertical que em solos argilosos.

Neste caso, a distância entre bicos de irrigação deve ser menor. Em solos argilosos, para que a água possua maior translocação lateral, é necessário um trabalho de preparo de solo mais apurado, com uma maior pulverização de solo.

Em solo com torrões, a água tem a tendência de se transcolar diretamente para o subsolo, não deixando-a disponível para a planta.

O regime composto pelo tempo e intervalo de irrigação está diretamente vinculado a vários fatores simultâneos, como o volume de solo disponível pela planta, que no caso é entorno de 50 litros, o volume de massa foliar, que é responsável pela evapotranspiração, e as condições climáticas, no caso de variedades de dias neutros, umidade relativa do ar, temperatura e radiação solar.

[rml_read_more]

No caso de variedades de dias curtos, deve-se incluir as horas de radiação solar diárias. Estes fatores devem ser analisados juntos para as tomadas de decisão. O recomendado, para definir o sistema de rega, é a utilização de um densitômetro de controle de irrigação.

A instalação do projeto de irrigação ou fertirrigação deve ter um acompanhamento técnico para definir o dimensionamento das estruturas, equipamentos e da bomba de água, conforme a área plantada, disponibilidade de água e as necessidades da cultura.

Fora do solo

No caso do sistema fora de solo, o nível de complexidade é maior, principalmente porque a quantidade de substrato por planta é de três a seis litros por planta. No substrato profissional, por não ser solo, não possui CTC (capacidade de troca de cátions) e fertilidade natural, tornando-se necessário aplicar, obrigatoriamente, uma solução nutritiva.

Os intervalos e os períodos entre fertirrigações são menores, e as necessidades de aeração do substrato e o risco de asfixia do sistema radicular por excesso de umidade são maiores. Como se trata de solução nutritiva, ocorre o risco maior de salinização (excesso de nutrientes), desequilíbrio nutricional, alterações no pH e deficiência nutricional.

O manejo da quantidade perdida de solução nutritiva na drenagem é um fator crucial para o equilíbrio da solução nutritiva no substrato e o excesso de perda para o meio ambiente.

 A vasão e distanciamento entre bicos são pontos cruciais para a resposta adequada da fertirrigação, podendo variar conforme a qualidade e quantidade de substrato por planta, as condições climáticas e a variedade utilizada. 

Central de fertirrigação

A central de fertirrigação tem dimensionamento da estrutura diferente do utilizado no solo. Em sistemas fora de solo, estas estruturas devem permitir o manejo eficiente de períodos menores de irrigação. O recomendado é que seja em segundos e uma maior quantidade de fertirrigações por dia, sendo recomendados intervalos entre irrigações regulados em minutos e horas.

A estrutura de injeção de adubos deve permitir um equilíbrio entre nutrientes mais apurado, respeitando a compatibilidade na mistura de adubos, quando se tratam de soluções concentradas e as necessidades de regular o pH da solução nutritiva.

Todos estes fatores devem ser acompanhados e definidos por profissionais qualificados para esta atividade, garantindo ao produtor os melhores resultados possíveis dentro das condições locais.

ARTIGOS RELACIONADOS

Boas práticas agrícolas

Com o avanço das áreas de cultivo, aumentou também a preocupação com a incidência ...

Manejo pré-emergente é alternativa para daninhas no milho

Adengo® é o novo herbicida da Bayer, que foi desenvolvido especificamente para o manejo de espécies daninhas de folhas largas e estreitas na pré-emergência do cultivo

Gotejo pode dobrar produtividade do tomateiro

Antonio Carlos Andrade Gonçalves Engenheiro agrícola, doutor em Agronomia e professor da Universidade Estadual de Maringá (UEL) acagoncalves@uem.br A técnica da irrigação consiste em captar água...

Embrapa apresenta tecnologias na Hortitec 2017

Para a 24ª edição da Hortitec " Exposição Técnica de Horticultura, Cultivo Protegido e Culturas Intensivas que acontece em Holambra (SP), de 21 a...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!