21.6 C
Uberlândia
terça-feira, abril 16, 2024
- Publicidade -
InícioDestaquesGranja de postura precisa investir em biossegurança

Granja de postura precisa investir em biossegurança

Descubra como estruturar uma granja de postura eficiente e rentável

A produção de ovos deve crescer em 2023, superarando as 4,3 bilhões de dúzias produzidas em 2022, que resultaram em consumo per capita de 241 unidades por habitante, de acordo com a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA). Nesse cenário, as granjas de postura precisaram buscar eficiência e melhor custo-benefício para aproveitar o bom momento. “A estruturação de uma granja engloba diversas etapas, com foco na produtividade e na rentabilidade. Um tópico absolutamente relevante é a biossegurança e o bem-estar das aves”, explica o zootecnista Rogério Marcos, da Auster Nutrição Animal. “Antes de partir para o investimento é preciso fazer uma detalhada análise da viabilidade econômica do negócio”, complementa.

Créditos: Divulgação

O especialista explica que é preciso considerar questões essenciais, estrutura do empreendimento, análise de custos, instalações adequadas, aquisição de aves, higiene, alimentação e saúde. “A atividade requer boas práticas por parte do produtor, mas também pesquisa. Por exemplo, a escolha da linhagem da aves: é necessário levar em consideração diversos fatores, como taxa de postura, tamanho e qualidade dos ovos, resistência a doenças, consumo de ração e ovo/ave/alojada, entre outros. Também entra aqui o sistema: cage free ou free range”.

Para Rogério Marcos, é fundamental garantir que as aves tenham acesso constante à água limpa e fresca, pois ela é essencial para o bom funcionamento do organismo e para a produção de qualidade. Além disso, a legislação exige que as granjas tenham um rígido programa de vigilância sanitária. Os produtores também devem seguir rigorosamente o calendário de vacinação das aves, tendo como foco a prevenção das doenças mais importantes. “Uma das medidas essenciais é a limpeza e a desinfecção adequadas das instalações e equipamentos antes da chegada das aves e durante o ciclo de produção. Nesse processo, deve ser contemplado o controle do acesso de pessoas e veículos na granja, estabelecendo procedimentos de higiene, desinfecção de calçados e roupas, e proibindo a entrada de animais”, detalha.

A dieta é um dos itens mais relevantes, já que corresponde a até 80% dos custos de produção. “A fábrica de ração é um componente importante da granja de postura. Ao produzir a própria ração, é possível garantir a qualidade dos ingredientes e personalizar a nutrição de acordo com as necessidades do plantel. Isso pode resultar em melhor desempenho, com menor custo em relação à compra de ração pronta. No entanto, deve-se considerar o investimento inicial na construção da fábrica de ração e na compra de equipamentos necessários para sua operação”, completa Marcos.

É importante que a dieta forneça todos os nutrientes para atender às necessidades das aves, considerando o valor nutricional e a disponibilidade dos ingredientes no mercado. Neste caso, a suplementação é uma ferramenta aliada do avicultor, objetivando alimentar corretamente as aves para que elas produzam mais e melhor. “Uma aliada importante é a linha Númia Postura, da Auster Nutrição Animal, que oferece todo o suporte às aves, especialmente nos períodos de estresse, como debicagem, vacinação e transferência. Também temos a linha Aela, que comprovadamente ajuda a melhorar os índices zootécnicos a partir do aumento da digestibilidade dos nutrientes, promovendo melhoria da saúde intestinal”, pontua o especialista da Auster. “O resultado produtivo e econômico da avicultura de postura é medido em produção de ovos por ave e no melhor custo-benefício da alimentação. Nós conseguimos ajudar os avicultores a ser sucesso no seu negócio”.

ARTIGOS RELACIONADOS

Empresa produtora de Kiwis relança marca

Nos últimos 5 anos, o consumo de kiwis importados no Brasil cresceu 18%, atingindo US$ 43 milhões em 2018, o que equivale a 29 mil toneladas, segundo o Comtrade, banco de dados de estatística. Ano a ano, o kiwi vem sendo incorporado ao hábito de consumo do brasileiro, principalmente das classes A e B. Uma pesquisa quantitativa realizada pela empresa neozelandesa Zespri™, líder mundial na produção de kiwis, com consumidores brasileiros, revelou que a frequência média de consumo de kiwis no Brasil é semanal, sendo mais representativo nos grupos de 20 a 40 anos.

Brócolis ganha a mesa dos brasileiros

Estimativas recentes feitas pela Associação Brasileira do Comércio de Sementes e Mudas ...

Koppert lança FIDC de R$ 200 milhões para antecipação de recebíveis em parceria com o Rabobank e Makalu Partners

O FIDC tem como coordenador o Rabobank e como gestora a Makalu Partners.

Verde Agritech anuncia investimento de R$ 275 milhões na construção da terceira planta de produção de potássio sem cloro

Empresa aplicará recursos próprios na unidade, prevista para começar a funcionar em 2024.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!