23.6 C
Uberlândia
terça-feira, junho 18, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosFlorestasGuanandi é alternativa múltipla de renda

Guanandi é alternativa múltipla de renda

Primeira madeira de lei do Brasil, o guanandi possui características específicas que o tornam um ótimo empreendimento comercial nas áreas de reflorestamento e de madeireiras, além de outros derivados da árvore. O longo tempo de espera para o corte final da árvore pode ser compensado por uma receita bruta de R$ 3 milhões em cinco hectares

 

Crédito IBF
Crédito IBF

O guanandi é uma das espécies mais características da planície litorânea, colonizando as várzeas úmidas e dominando as florestas maduras. Pode ser encontrado de forma natural na América Central e América do Sul.

No Brasil, a espécie ocorre nos seguintes Estados: Amazonas, Bahia, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Rio de Janeiro, São Paulo, Tocantins e Distrito Federal.

De cor avermelhada (entre o róseo-acastanhado ao bege-rosado, tendendo para o castanho), a madeira do guanandi é moderadamente pesada (densidade 0,62 g/cm3) e durável, fácil de trabalhar, não apodrece em contato com a água, pelo que é muito utilizada para fabricação de postes, moirões, pontes e outras obras externas. Serrada, essa madeira tem ampla utilização na construção civil e naval.

Produz, ainda, lâminas decorativas. Seu carvão é de qualidade regular e suas fibras são ótimas para papel e celulose. Sua casca, folhas e látex têm aplicação na medicina popular e na veterinária.

 Mudas de guanandi, prontas para plantio - Crédito Tropical Guanandi
Mudas de guanandi, prontas para plantio – Crédito Tropical Guanandi

Condições para o plantio

Segundo o consultor florestal da Invest Agro, Arthur Netto, o guanandi ocorre naturalmente em solos aluviais com drenagem deficiente, em locais úmidos periodicamente inundáveis e brejosos, com textura arenosa a franca, e ácidos (pH de 4,5 a 6,0).

Nos plantios experimentais desenvolvidos pela Embrapa Florestas, no Paraná, em solos com propriedades físicas adequadas, como de fertilidade química alta a média, bem drenados, de textura que varia de franca a argilosa ” a espécie tem apresentado crescimento satisfatório, não mostrando limitação quanto à drenagem.

Quanto ao clima, Arthur Netto diz que a precipitação pluvial média anual ideal deve ser entre 1.100 mm a 3.000 mm. O déficit hídrico suportado é de até três meses e a temperatura média anual entre 18 a 27°C.

 Adriano Marques, produtor de guanandi em Cascalho Rico - Crédito Arquivo pessoal
Adriano Marques, produtor de guanandi em Cascalho Rico – Crédito Arquivo pessoal

Vantagens da produção de guanandi

Como qualquer outra espécie florestal de uso nobre, o plantio de guanandi oferece lucro e valorização da propriedade. Segundo o consultor, a espécie proporciona pouca manutenção e resistência às pragas e doenças. “Para se ter uma boa vantagem com a espécie é importante avaliar as condições de solo e clima“, adverte Arthur.

Produtos finais

A árvore do guanandi é bastante ornamental, podendo ser empregada no paisagismo em geral. É uma madeira amplamente usada, depois do mogno e cedro, para movelaria em geral, especialmente no revestimento (lâmina) de móveis decorativos e móveis finos, tampos de mesa e balcões. Para embarcações e construções de luxo, tem sido usada como chapa na Guatemala, de acordo com Arthur Netto.

Também é usada como madeira estrutural, construção interna e externa, carpintaria em general, portas, janelas, pisos, forros, adornos, postes e estacas, torneados, instrumentos musicais ou parte destes, pisos para plataforma de caminhões, carrocerias, degraus de escadas e corrimões, artesanatos e dormentes de ferrovias.

Outros usos são folhas faqueadas decorativas, barris de vinho, ofurôs, embalagens, construção naval, pontes, pisos de taco e tabuado, decks.

A título de curiosidade, o governo imperial reservou para o Estado o monopólio de exploração dessa madeira em 1810 para uso exclusivo na confecção de mastros e vergas de navios, sendo, portanto, a primeira madeira de lei do País (lei de 07 de janeiro de 1835).

Sementes de guanandi Calophyllum brasiliense - Crédito IBF
Sementes de guanandi Calophyllum brasiliense – Crédito IBF

Produção de biodiesel e benefícios das sementes

 

Com um óleo essencial de 44% de pureza, as sementes de guanandi são bastante procuradas pela indústria de cosméticos e possuem grande potencial para a produção de biodiesel, o combustível do futuro, além, é claro, da possibilidade de venda para a produção de novas mudas ou para a expansão da área de cultivo.

 

Utilização dos ramos e folhas e benefícios medicinais

 

Os ramos e folhas que sobram da desbrota e dos desbastes podem ser comercializados junto a indústrias de farmacoterápicos, pois possuem diversas propriedades medicinais.

Estudos da Universidade Federal do Mato Grosso apontam que o guanandi pode ser empregado no tratamento de doenças como diabetes, além de possuir ação anti-inflamatória, cicatrizante e antimicrobiana. As flores de guanandi podem, também, ser utilizadas na produção de mel de alta qualidade.

 

Custo de produção

 

Considerando um projeto de plantio florestal com corte raso no vigésimo ano, o custo total do guanandi, ao longo do tempo, será em média de R$ 23.500/ha, calculado com os custos atuais de insumos e serviços, sendo necessário realizar ao longo do tempo ajustes anuais diante das mudanças inflacionárias.

Para plantios florestais, o investimento inicial que corresponde ao preparo do solo, plantio e manutenção no primeiro ano, chega a ser mais de 27% do custo total por hectare.

Essa é parte da matéria de capa da revista Campo & Negócios Floresta, edição de dezembro 2015/janeiro 2016. Adquira a sua para leitura completa.

[SlideDeck id=’11783′ width=’100%’ height=’300px’]

ARTIGOS RELACIONADOS

Verão pede pepino indústria

A cultura do pepino apresenta grande potencial de produção em praticamente todo o território nacional, com o desenvolvimento e a ampliação de redes de...

Importância do magnésio e boro na produtividade e no ATR da cana

No Centro-Sul do Brasil, a colheita da cana terá início a partir de março de 2019. A produtividade da cana será reflexo das práticas culturais e influenciada fortemente pelas condições climáticas – regime pluviométrico e temperatura.

O fósforo e as substâncias húmicas

Nilva Terezinha Teixeira Engenheira agrônoma, doutora em Solos e Nutrição de Plantas e professora de Nutrição de Plantas, Bioquímica e Produção Orgânica do Centro...

Fertiláqua aborda cuidado com solo e qualidade de sementes

A Fertiláqua, um dos maiores grupos de nutrição, fisiologia de plantas e revitalização de solo, esteve presente no VII Congresso ANDAV. A companhia realizou...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!