26.6 C
Uberlândia
quarta-feira, fevereiro 21, 2024
- Publicidade -
InícioDestaquesHidroponia com insumos biológicos

Hidroponia com insumos biológicos

Diouneia Lisiane BerlitzBióloga, doutora e sócia administrativa da DLB Soluções Biológicasdberlitz@hotmail.com

Alface – Crédito: Eduardo Miyayaciki

Atualmente, o controle biológico é uma realidade na agricultura brasileira e, gradativamente, vem se tornando uma opção viável para os produtores hidropônicos. Na hidroponia, assim como em qualquer cultivo, ocorrem pragas e doenças que devem ser monitoradas.

No aspecto biológico, o intuito do controle é manter a população da praga ou doença em níveis aceitáveis, que não irão causar prejuízos econômicos, uma vez que eliminar determinado agente causador de doença ou praga é inviável e praticamente impossível.

A hidroponia apresenta vantagens especialmente pela utilização de espécies de ciclo curto, menor utilização de água (cerca de 50 a 75% menor, quando comparada ao cultivo convencional), insumos agrícolas e mão de obra.

Dentre as espécies cultivadas sob o sistema hidropônico pode-se citar as folhosas, como alface e agrião; os frutos como tomate e o pepino; condimentos como cebolinha, coentro e manjericão; frutíferas como melão e morango, dentre outros.

Os principais agentes causadores de doenças no sistema hidropônico são fungos, com cerca de 68% da ocorrência, seguidos por bactérias (7%) e vírus (3%). Em relação às pragas, são identificados cerca de 9% da ocorrência em hidroponia (Lopes et al., 2015).

Dentre os fungos, pode-se citar o gênero Pythium, Rizoctonia e Sclerotinia nas raízes das plantas, e o oídio e o míldio na parte aérea, além de bactérias como Erwinia sp. e insetos transmissores de vírus.

Os prejuízos decorrentes de pragas e/ou doenças na hidroponia são dependentes da espécie de patógeno, do nível populacional do mesmo e da cultura atingida, mas pode causar a perda total da cultivar, quando não tratada.

Um dos fatores agravantes é a dispersão do patógeno pelo próprio sistema hidropônico que é interligado, o que favorece a disseminação. Um exemplo é o míldio da alface, causado por Bremia lactucae que pode causar perdas de 80% à cultura (Töfolli et al., 2014).

Manejo biológico

O controle biológico das doenças radiculares pode ser realizado com formulações de Trichoderma sp. e de bactérias como Bacillus subtilis, B. amyloliquefaciens e B. licheniformis, cujas características apresentam potencial fungicida.

Essas formulações podem ser diluídas na cisterna de água e aplicadas diretamente na circulação da água no sistema hidropônico ou no gotejamento do sistema semi-hidropônico. Apesar disso, algumas restrições no uso da técnica são a incompatibilidade da maioria das formulações a produtos químicos, por se tratarem de células vivas dos microrganismos citados.

No trabalho de Côrrea & Bettiol (2009), a utilização de Peanibacillus lentimorbus e B. subtilis em plantas de alface inoculadas artificialmente com o agente causador da podridão da raiz, reduziu em 67 e 17%, respectivamente. Em plantas inoculadas naturalmente, a redução foi de 100 e 60%, respectivamente. Além disso, essas bactérias proporcionaram o melhor desenvolvimento das plantas de alface.

Investimento

[rml_read_more]

 Em média, produtos biológicos com ação fungicida, por exemplo, Trichoderma sp. e B. subtilis, podem apresentar custos de R$ 200,00 a R$ 300,00 o litro de produto.

Considerando que na hidroponia pode-se aplicar, em média, 1,0 mL/L de água (na caixa de circulação), estima-se um custo de R$ 0,20 a R$ 0,30 por litro de água.

Artigo anterior
Próximo artigo
ARTIGOS RELACIONADOS

Produção florestal e controle de formigas cortadeiras

    Marco Antonio Galli Engenheiro agrônomo fitopatologista, doutor e professor/pesquisador da UniPinhal marcogalli@unipinhal.edu.br   As saúvas cortadeiras foram relatadas nas Américas desde que os portugueses aqui chegaram, e estima-se...

Cultivo protegido – Técnicas para inibir doenças

Rafael Campagnol Doutor e professor de Fitotecnia - Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), campus Cuiabá rafcampagnol@hotmail.com Giovani de Oliveira Arieira Professor de Fitopatologia -  Universidade Federal de...

Pesquisa cria o primeiro inseticida à base de vírus contra lagarta-do-cartucho

O primeiro inseticida à base de Baculovirusspodoptera contra a lagarta-do-cartucho acaba de ser desenvolvido e surge como nova ferramenta para minimizar os danos que...

Adubação verde: Por onde começar?

A adubação verde é uma prática agrícola que consiste em plantar uma espécie vegetal que, após atingir seu pleno desenvolvimento vegetativo, será cortada ou acamada, sendo sua massa deixada sobre a superfície ou incorporada ao solo com a finalidade de manter ou aumentar seu conteúdo de matéria orgânica, que, reconhecidamente, é capaz de melhorar suas condições físicas, químicas e biológicas, favorecendo o crescimento e rendimento das culturas econômicas em sucessão.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!