24.6 C
Uberlândia
sábado, abril 13, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosILPF é grande aliada para a produção sustentável

ILPF é grande aliada para a produção sustentável

Sistemas integrados podem ser adotados em modalidades variadas para os mais diversos portes de propriedades e diferentes cultivos.

A pecuária brasileira tem como base as pastagens, por ser a forma mais econômica de se produzir alimentos, quando comparado a sistemas em confinamento, por exemplo. Estima-se que as áreas de pastagens cultivadas e nativas no Brasil ocupem aproximadamente 163,1 milhões de hectares, que correspondem a 21% do território nacional, sendo responsáveis por sustentar o maior rebanho comercial de bovinos do mundo com 196,4 milhões de cabeças, segundo a Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (Abiec).

Créditos: Soesp

Apesar dos avanços no uso de tecnologias produtivas por parte dos produtores rurais, cerca de 50% das áreas de pastagens estão em algum estágio de degradação. Diante do cenário atual e perante as mudanças climáticas, o Brasil tem um grande desafio, que é produzir alimentos para atender a população crescente, sem abrir novas áreas.

Possibilidades da ILPF

De acordo com dados da FAO, até 2050 a população deve crescer cerca de 35% e a produção de alimentos terá que duplicar para sustentar essa demanda.

Neste contexto, a Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF) traz a possibilidade de aumentar a produção de alimentos em uma mesma área e contribuir na recuperação de pastagens degradadas.

“Conceitualmente, a ILPF é uma estratégia de produção onde ocorre o cultivo em uma mesma área de espécies agrícolas, florestais e pecuária, seja em consórcio, sucessão ou rotação, buscando efeitos sinérgicos entre seus componentes, diz Marina Lima, Zootecnista e Técnica de Sementes e Sustentabilidade da SOESP.

Sistemas integrados

Entre os sistemas integrados que podem ser adotados pelos produtores, pode-se destacar quatro modalidades:

Integração Lavoura-Pecuária (ILP) ou Agropastoril: este sistema de produção integra espécies agrícolas e pecuárias em consórcio, sucessão ou rotação em um mesmo ano agrícola ou por vários anos. Nessa modalidade, não há a presença do componente arbóreo e é a modalidade mais adotada pelos produtores rurais, com aproximadamente 83% de adoção, principalmente pela maior facilidade de cultivo e retorno econômico a curto prazo.

Integração Lavoura-Floresta (ILF) ou Silviagrícola: com este sistema de produção há a integração de espécies florestais em consórcio com cultivos agrícolas anuais ou perenes. “Esta é mais adotada por pequenos produtores e pelo tempo em que o componente arbóreo está em crescimento e não pode ter a presença do animal. Cerca de 1% dos produtores adota essa modalidade”, destacou.

Integração Pecuária-Floresta (IPF) ou Silvipastoril: um sistema de produção que integra pecuária (pastagem e animais) e espécies arbóreas, em consórcio. “Essa modalidade é adotada por cerca de 7% dos produtores rurais e é mais utilizada em áreas que não possuem aptidão agrícola ou com topografia que dificulte o uso de maquinários agrícolas”, acrescenta a especialista.

Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF) ou Agrossilvipastoril: um sistema de produção que integra espécies agrícolas, florestais e pecuária (pastagem e animais) em rotação, consórcio ou sucessão. “Essa modalidade é adotada por 9% dos produtores rurais. O componente agrícola restringe-se, ou não, à fase de implantação das árvores”, diz a zootecnista.

Escolha certa

Ainda segundo a especialista, é muito importante destacar que a escolha da modalidade mais adequada e das espécies para compor o sistema deve ser feita com base na análise das características da região, condições climáticas, ao mercado local e objetivos do produtor, podendo ser adotada por pequenos, médios e grandes produtores rurais.

Além disso, o tempo de utilização de cada componente na ILPF vai depender do sistema utilizado, como por exemplo, a pecuária pode ser utilizada por três meses a cinco anos e retornar com a lavoura, que pode ser utilizada por cinco meses ou até cinco anos.

Já o componente florestal pode ser utilizado por um período curto ou longo, dependendo da espécie e finalidade.

Com a utilização dos sistemas ILPF, além da intensificação e maior eficiência no uso da terra, diversos benefícios ambientais, econômicos e sociais são gerados. “A ILPF é uma tecnologia que contempla os três pilares da sustentabilidade. O futuro é integrado, e dificilmente um produtor que adota a ILPF voltará a utilizar sistemas em monocultivo”, finaliza a especialista.

ARTIGOS RELACIONADOS

Maracaju sedia Showtec 2019

O maior evento do agro de Mato Grosso do Sul, será realizado de 16 a 18 de janeiro, com participação de 100 expositores e a feira traz o tema “Gerando negócios, produzindo conhecimento

Produtores de café e laranja com mais qualidade de vida

Pequenos produtores e produtoras que integram associações e cooperativas brasileiras, que possuem a certificação Fairtrade (Comércio Justo), estão colhendo bons frutos de projetos desenvolvidos com recursos do prêmio Fairtrade, pago mediante a comercialização da produção certificada.

Produção de alimentos deve crescer cerca de 70% até 2050

Especialista explica que a adoção de novas tecnologias no campo é fundamental para atender às futuras demandas do mercado

Cebola precoce: Plantio oferece maior rentabilidade

A cebola é uma hortaliça fortemente influenciada por fatores ambientais que condicionam a adaptação de uma cultivar a determinadas regiões geográficas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!