21.6 C
Uberlândia
terça-feira, abril 16, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosNutrição para maturação uniforme do cafezal

Nutrição para maturação uniforme do cafezal

A cafeicultura precisa de uma atenção maior quanto ao tratamento nutricional principalmente em seu terceiro ano de maturação

Samuel Henrique Braga da Cunha
Doutorando em Fitotecnia – Universidade Federal de Lavras (UFLA)
samuelhbraga@gmail.com
Alex Oliveira Borges
alexob2019@gmail.com
Lucas Emidio Maia
lucasemidiomaia@gmail.com
Graduandos em agronomia – UFLA

O cafeicultor precisa saber que cada realidade exige um tratamento nutricional diferenciado. Por isso, encontrar soluções nutricionais que vão proporcionar uma maturação mais uniforme e contribuir para o carreamento de açúcares para os grãos e, consequentemente, melhorar as características físico-químicas dos grãos e da bebida é muito importante para obter sabor e qualidade.

Maturação uniforme

O fruto do café, durante o processo de maturação, apresenta elevada atividade respiratória, e no final do crescimento ocorre uma queda na mesma. Durante esse processo acontecem as trocas fisiológicas ditas da maturação, como mudanças no sabor, aroma, cor, onde o fruto passa de verde para maduro.

Imagem de Daniel Ramirez por Pixabay 

Outro fato importante é que a maturação só ocorre quando os frutos ainda estão ligados à planta, portanto, um fruto colhido verde não completará a maturação. O aumento da respiração ocorre juntamente, ou em sequência ao aumento da síntese de etileno, que vai acelerar o processo de maturação como incremento da respiração.

 Devido às várias floradas que ocorrem no café, a desuniformidade na maturação dos grãos se torna um grande problema, por isso, é necessário buscar alternativas que uniformizem a maturação dos frutos.

Dentre os fatores que afetam esse processo na planta é possível citar: disponibilidade de água, espaçamento, cultivares, incidência de luz, altitude e, por fim, a fertilidade do solo.

Dicas valiosas

Uma das maneiras de uniformizar a maturação dos frutos é com o uso de maturadores fisiológicos, que permitem uniformizar e acelerar esse processo, uma vez que irão induzir a liberação do gás etileno, que está diretamente envolvido no processo de amadurecimento. 

Outra forma de tentar reduzir a desuniformidade e, consequentemente, aumentar a produção de grãos cereja, é o uso de reguladores que reduzem, ou mesmo inibem a biossíntese do etileno, retardando o amadurecimento dos frutos e com isso uniformizando a maturação.

Normalmente esses produtos são à base de acetato de potássio. Sendo assim, torna-se importante uma fertilidade equilibrada do solo e a correta nutrição das plantas, que irão afetar a uniformidade da maturação, principalmente no que se refere à nutrição com o nutriente potássio.

Esse nutriente atua no controle dos níveis de etileno, servindo como agente oxidativo, que reage com esse hormônio vegetal e forma moléculas de água; outro nutriente importante que possui essa função oxidativa é o manganês.

Nutrição correta

As necessidades nutricionais das plantas de cafeeiro durante os dois primeiros anos de cultivo são menores, sendo que a partir do terceiro ano, quando a lavoura começa a produzir, essas necessidades aumentam, visando o enchimento e maturação dos grãos.

A partir desse estágio, há uma necessidade maior de demanda por fertilizantes, uma vez que começam a ser extraídos da lavoura, juntamente com os grãos produzidos.

Falando um pouco sobre a necessidade de nitrogênio e potássio, são exigidos pela cultura em quantidades similares que chegam a ser extraídas na área em torno de 150 – 250 kg/ha.

O nitrogênio é de extrema importância no crescimento vegetativo das plantas, enquanto o potássio tem sua importância acentuada no crescimento e maturação de grãos. Sendo esses dois nutrientes de maior demanda na planta, utilizam-se doses de 250 – 450 kg/ha/ano.

Diferente do nitrogênio e potássio, o fósforo, durante a fase produtiva do cafeeiro, é exigido em quantidades bem menores, cerca de somente 25 kg/ha. Sua importância nessa fase relaciona-se ao pré-florescimento das plantas. Embora seja exigido em menores quantidades, devido ao problema com fixação nos solos brasileiros, a aplicação pode chegar, em alguns casos, a até 100 kg/ha/ano.

Os outros macronutrientes também são exigidos em quantidades consideráveis pela planta. O cálcio, por exemplo, entre 75 -100 kg/ha, e atua no crescimento de plantas, qualidade e produtividade de frutos.

Já o magnésio e enxofre são exigidos entre 30 – 60 kg/ha e 14 – 20 kg/ha, respectivamente, e ambos têm sua importância relacionada ao processo de maturação dos grãos, além de apresentarem maior absorção também nesse estágio.

No entanto, o fornecimento desses nutrientes é realizado normalmente não no momento da adubação, mas sim quando se realizam as práticas de correção do solo com a calagem, que corrige a acidez do solo e fornece cálcio e magnésio, e a gessagem, que visa neutralizar o alumínio em profundidade e fornecer enxofre e cálcio.

Os micronutrientes, embora exigidos em quantidades muito baixas pelas plantas, são extremamente importantes durante o ciclo produtivo do café, entre eles: ferro, manganês, zinco, cobre e boro. A exigência de ferro e manganês fica em torno de 2,0 kg/ha/ano e a de zinco, cobre e boro por volta de 300 – 500 g/ha/ano.

Por mais que a extração desses nutrientes seja bem baixa, faz-se necessária a reposição dos mesmos via solo, ou foliar, uma vez que todos eles apresentam maior absorção e atuação no momento do enchimento e maturação dos frutos.

Recomendações

Podem ser úteis na maturação uniforme do cafeeiro, produtos à base de maturadores fisiológicos, sendo o mais usado o ethephon, que irá atuar na síntese de etileno, dessa forma, forçando a maturação dos frutos, acelerando e uniformizando o amadurecimento.

Atualmente, têm surgido novas tecnologias que afetam a nutrição das plantas, como um fertilizante mineral à base de acetato de potássio fornecido via foliar. Por se tratar de um sal orgânico diluído em água, é muito absorvido pelas plantas, ou seja, apresenta uma alta eficiência de absorção.

Esse potássio fornecido, diferente do ethephon, atua na inibição da biossíntese do etileno. Ao reagir com esse hormônio, o potássio funciona como agente oxidativo, formando moléculas de água.

Dessa forma, vai haver o retardamento e consequente uniformidade da maturação, uma vez que os frutos que estiverem mais adiantados, ao produzirem menor quantidade de etileno, terão condições de esperar o amadurecimento dos demais frutos.

Outro fertilizante mineral com maior concentração de potássio (30%), além de garantir uma nutrição equilibrada para as plantas, irá desempenhar importante papel no metabolismo da granação e enchimento de frutos, padronizando os frutos e a maturação; uma vez que fornece potássio diretamente na folha para manutenção desse processo.

ARTIGOS RELACIONADOS

Mancha de cercospora: Doença que atinge as alfaces

Mancha de cercospora: Doença que atinge as alfaces

Corteva e a equidade racial no Brasil

Empresa é a quinta melhor no ranking geral e ocupa posições de liderança nos principais pilares que compõem o índice.

Inflamações articulares podem afetar equinos atletas

As inflamações articulares são um desafio para os equinos atletas.

Manejo nutricional do abacateiro

Bruna do Amaral Brogio Doutoranda em Fitotecnia " ESALQ/USP brunabrogio@usp.br Tatiana Cantuárias-Avilés Doutora em Agronomia, consultora e pesquisadora em abacates Simone Rodrigues da Silva Doutora e professora do Departamento de...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!