25.6 C
Uberlândia
quinta-feira, junho 13, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioDestaquesJiló amarelado

Jiló amarelado

Qual o problema?

Matheus de Jesus MoraisGraduando em Engenharia Agronômica – ESALQ-USP e bolsista FAPESP – Laboratório de Fisiologia e Bioquímica Pós-Colheitamatheusmorais@usp.br

Ana Paula PreczenhakDoutora, pós-doutoranda na ESALQ-USP e professora – Faculdade de Ensino Superior Santa Bárbara (FAESB) appreczenhak@gmail.com

Ricardo Alfredo KlugeDoutor e professor – ESALQ-USP, Departamento de Ciências Biológicas – Laboratório de Fisiologia e Bioquímica Pós-Colheitarakluge@usp.br

Jiló – Créditos: Luize Hess

O jiló (Solanum aethiopicum) é uma planta da família das solanáceas produzida principalmente na região sudeste do Brasil. O maior Estado produtor é o Rio de Janeiro, responsável por cerca de 30% da produção nacional, seguido por Minas Gerais e São Paulo.

Apesar de a cultura preferir temperaturas entre 26 – 28°C e não tolerar temperaturas baixas, a disponibilidade de jiló é regular o ano todo em regiões com invernos amenos. A hortaliça é uma planta herbácea, cultivada como anual, tem crescimento indeterminado, podendo atingir mais de 1,0 metro e seus frutos são conhecidos pelo sabor amargo e coloração verde da casca. A colheita ocorre quando os frutos estão em estádio imaturo.

Dentre os fatores que afetam sua qualidade está a presença de doenças no fruto, murchamento e amarelecimento. Mas, o que causa o amarelecimento dos frutos? Este amarelecimento nada mais é do que a degradação de clorofila, responsável pela coloração verde e a síntese de carotenoides (pigmentos amarelos e/ou vermelhos).

O jiló começa a mudança de cor antes de completar sua fase de crescimento total. Os frutos que são consumidos no estádio verde ainda não completaram seu desenvolvimento – as mudanças de cor (amadurecimento) têm início por meio de mudanças fisiológicas e bioquímicas.

Sintomas

O início do amadurecimento é visível pelo princípio da perda de cor verde da casca: de verde brilhante passa para verde opaco, verde claro, até manchas amarelas, por fim, começa a produzir os pigmentos vermelhos, que caracterizam o fruto maduro.

Este processo é inevitável e faz parte do ciclo da cultura. Esta mudança de verde para amarelo se inicia por volta de 30 dias após antese e aos 40 dias após antese a cor vermelha já é predominante no fruto. O tempo exato destas mudanças depende do genótipo, podendo ser de ciclo longo ou curto.

A perda de clorofila, durante o crescimento e amadurecimento, pode chegar a 10 vezes seu conteúdo inicial. Com a redução de clorofila os carotenoides passam a ser majoritários, e como estes pigmentos são os responsáveis pela coloração amarela e vermelha da casca dos frutos, a coloração verde é perdida. Assim como no tomate, o carotenoide que confere a coloração vermelha ao jiló é o licopeno.

O que fazer?

Para reduzir o amarelecimento, que é comercialmente indesejável para o jiló, a colheita no estádio correto é o principal cuidado a ser tomado, antes do aparecimento de qualquer resquício da cor amarela. Devido a estas mudanças serem metabolicamente controladas, o processo não pode ser freado, assim, uma vez colhido no momento incorreto, o amarelecimento é inevitável.

O armazenamento refrigerado e embalagem em polímeros, como PVC, podem ser uma estratégia para reduzir as taxas metabólicas e atrasar estas mudanças. O PVC é capaz também de reduzir a perda de água dos frutos e aliado ao armazenamento refrigerado (10°C) mostrou ser eficaz no aumento da vida útil de frutos de jiló, porém, não foi capaz de impedir o início do amarelecimento dos frutos.

Além disso, o pré-resfriamento dos frutos após a colheita é uma estratégia para reduzir o seu metabolismo e atrasar o início das mudanças fisiológicas e bioquímicas.

Pesquisas

[rml_read_more]

Para garantir plantas com bom rendimento e frutos de qualidade são necessários cuidados com o manejo da cultura desde o campo. Em estudo realizado em Jaboticabal (SP), foi constatado que a adubação nitrogenada suplementar acarreta maior produtividade da cultura do jiloeiro.

O desempenho em produtividade aumentou cerca de 35% nos jilós adubados suplementarmente em relação ao jiló que não sofreu tal tratamento (tratamento controle). Utilizando-se adubação foliar com biofertilizantes à base de aminoácidos, um estudo conduzido em Lavras (MG) constatou aumento na faixa de 40% de produtividade em relação às plantas sem aplicação.

Estes resultados são ligados às propriedades dos aminoácidos, responsáveis pela produção de enzimas que retêm melhor o nitrogênio aplicado via nitrato no solo. Sendo a deficiência nutricional um dos fatores que podem levar ao amarelecimento das folhas de jiloeiro, a suplementação da adubação pode ajudar a reduzir a incidência desse sintoma e, ainda assim, contribuir para o aumento de produtividade.

Prevenção

Cuidados no cultivo de jiló devem ser tomados. Áreas produtoras de hortaliças usualmente não adotam algumas medidas, como a rotação de culturas. Sendo assim, o plantio de plantas que pertencem à mesma família botânica pode acarretar em maior incidência de pragas e problemas fitossanitários, incitando maior área de amarelecimento foliar por planta.

Também é importante salientar a importância das doses de fertilizantes aplicadas. Em excesso, podem ocasionar queda no número de frutos e doses muito elevadas de fósforo podem reduzir o crescimento das raízes do jiloeiro.

Custos

Segundo a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Distrito Federal (EMATER-DF), o custo total para a implantação de um hectare de jiló sob o sistema de gotejamento é em torno de R$ 26.000,00. De acordo com a cotação mais recente do CEAGESP-SP, o preço do quilo do jiló (jiló redondo Extra A) está em R$ 2,87.

Um hectare de jiló pode produzir de 20 a 60 toneladas de jiló (Embrapa, 2012). Tomando como referência o valor médio (40 ton/ha), um hectare de jiló produz R$ 114.800,00 de retorno ao produtor. Se aplicados os tratamentos de aumento de produtividade citados anteriormente nesta matéria, este valor pode aumentar entre 35 a 40%.

É importante citar que os preços do jiló são flutuantes e dependem da oferta do produto, bem como do local onde está sendo comercializado. Além disso, apesar do retorno significativo, grande parte é direcionada ao pagamento de mão de obra, manutenção de maquinário e compra de adubos, sendo estes suplementares ou não.

Lembrando que o planejamento antes da implementação da cultura é muito importante.

ARTIGOS RELACIONADOS

Andina – Primeira cultivar para altitude/frio

A Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), em parceria com o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Goiano – Campus de Morrinhos, obtiveram o primeiro registro de uma cultivar de Coffea canephora adaptada a altitudes elevadas e temperaturas mais baixas.

Valett Growe Hidroall – Juntas na Hortitec

Há três anos a Valett Grow participa da Hortitec em parceria com a Hidroall. Nesta edição, ambas podem ser encontradas no estande 07, no...

Palmito – do extrativismo ao profissionalismo

O palmito é um cultivo considerado novo no Brasil, pois até cerca de 25 anos atrás só ...

Horta inteligente proporciona colheita da própria salada em uma semana

Diferente do que muitos pensam, ter sua própria horta não é missão impossível.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!