18.1 C
São Paulo
quinta-feira, agosto 11, 2022
-Publicidade-
Inicio Destaques Jiló amarelado

Jiló amarelado

Qual o problema?

Matheus de Jesus MoraisGraduando em Engenharia Agronômica – ESALQ-USP e bolsista FAPESP – Laboratório de Fisiologia e Bioquímica Pós-Colheitamatheusmorais@usp.br

Ana Paula PreczenhakDoutora, pós-doutoranda na ESALQ-USP e professora – Faculdade de Ensino Superior Santa Bárbara (FAESB) appreczenhak@gmail.com

Ricardo Alfredo KlugeDoutor e professor – ESALQ-USP, Departamento de Ciências Biológicas – Laboratório de Fisiologia e Bioquímica Pós-Colheitarakluge@usp.br

Jiló – Créditos: Luize Hess

O jiló (Solanum aethiopicum) é uma planta da família das solanáceas produzida principalmente na região sudeste do Brasil. O maior Estado produtor é o Rio de Janeiro, responsável por cerca de 30% da produção nacional, seguido por Minas Gerais e São Paulo.

Apesar de a cultura preferir temperaturas entre 26 – 28°C e não tolerar temperaturas baixas, a disponibilidade de jiló é regular o ano todo em regiões com invernos amenos. A hortaliça é uma planta herbácea, cultivada como anual, tem crescimento indeterminado, podendo atingir mais de 1,0 metro e seus frutos são conhecidos pelo sabor amargo e coloração verde da casca. A colheita ocorre quando os frutos estão em estádio imaturo.

Dentre os fatores que afetam sua qualidade está a presença de doenças no fruto, murchamento e amarelecimento. Mas, o que causa o amarelecimento dos frutos? Este amarelecimento nada mais é do que a degradação de clorofila, responsável pela coloração verde e a síntese de carotenoides (pigmentos amarelos e/ou vermelhos).

O jiló começa a mudança de cor antes de completar sua fase de crescimento total. Os frutos que são consumidos no estádio verde ainda não completaram seu desenvolvimento – as mudanças de cor (amadurecimento) têm início por meio de mudanças fisiológicas e bioquímicas.

Sintomas

O início do amadurecimento é visível pelo princípio da perda de cor verde da casca: de verde brilhante passa para verde opaco, verde claro, até manchas amarelas, por fim, começa a produzir os pigmentos vermelhos, que caracterizam o fruto maduro.

Este processo é inevitável e faz parte do ciclo da cultura. Esta mudança de verde para amarelo se inicia por volta de 30 dias após antese e aos 40 dias após antese a cor vermelha já é predominante no fruto. O tempo exato destas mudanças depende do genótipo, podendo ser de ciclo longo ou curto.

A perda de clorofila, durante o crescimento e amadurecimento, pode chegar a 10 vezes seu conteúdo inicial. Com a redução de clorofila os carotenoides passam a ser majoritários, e como estes pigmentos são os responsáveis pela coloração amarela e vermelha da casca dos frutos, a coloração verde é perdida. Assim como no tomate, o carotenoide que confere a coloração vermelha ao jiló é o licopeno.

O que fazer?

Para reduzir o amarelecimento, que é comercialmente indesejável para o jiló, a colheita no estádio correto é o principal cuidado a ser tomado, antes do aparecimento de qualquer resquício da cor amarela. Devido a estas mudanças serem metabolicamente controladas, o processo não pode ser freado, assim, uma vez colhido no momento incorreto, o amarelecimento é inevitável.

O armazenamento refrigerado e embalagem em polímeros, como PVC, podem ser uma estratégia para reduzir as taxas metabólicas e atrasar estas mudanças. O PVC é capaz também de reduzir a perda de água dos frutos e aliado ao armazenamento refrigerado (10°C) mostrou ser eficaz no aumento da vida útil de frutos de jiló, porém, não foi capaz de impedir o início do amarelecimento dos frutos.

Além disso, o pré-resfriamento dos frutos após a colheita é uma estratégia para reduzir o seu metabolismo e atrasar o início das mudanças fisiológicas e bioquímicas.

Pesquisas

Para ler o restante deste artigo você tem que estar logado. Se você já tem uma conta, digite seu nome de usuário e senha. Se ainda não tem uma conta, cadastre-se e aguarde a liberação do seu acesso.

Inicio Destaques Jiló amarelado