18.1 C
São Paulo
sexta-feira, agosto 12, 2022
-Publicidade-
Inicio Revistas Grãos Mancha aureolada se espalha nas lavouras cafeeiras

Mancha aureolada se espalha nas lavouras cafeeiras

 

José Braz Matiello

jb.matiello@gmail.com.br

Saulo Roque Almeida

Engenheiros agrônomos do MAPA/Procafé

 Créditos Cristiano Soares Oliveira
Créditos Cristiano Soares Oliveira

A bacteriose causada pela bactéria Pseudomonasseryngae é uma doença que causa danos ao cafeeiro nas regiões mais frias, situadas mais ao Sul do País, nas áreas cafeeiras dos Estados do Paraná e de São Paulo. Nos últimos anos, entretanto, a mancha aureolada passou a se tornar grave, também, nas zonas cafeeiras do Triangulo/Alto Paranaíba, Sul do Estado de Minas Gerais e constatada em área de altitude elevada na Zona da Mata de Minas.

Não confunda

Como os sintomas da doença podem ser confundidos com aqueles provocados por outras doenças fúngicas, como Phoma/Ascochyta e Colletotrichum, tem-se observado alguns casos em que foi orientado o uso de produtos de forma incorreta.

O ataque da mancha aureolada normalmente começa em nov/dez, com a entrada de frentes frias, com ventos e umidade. Ela é observada no campo também em maio/julho, no período mais frio.

Condições para a doença

 

A bacteriose é problemática em viveiros e em plantações jovens sem proteção contra ventos. A condição de exposição a ventos é marcante na ocorrência, visto que a doença sempre ocorre nas partes mais altas do terreno, não estando presente nas áreas de cafeeiros situadas em locais protegidos.

Maior ocorrência tem sido verificada em cafeeiros de variedades de porte baixo, tendo sido constatado que, em especial, as variedades Topázio e Ouro Verde, ambas tendo como origem o híbrido 5010 (M. Novo x Catuai), são mais susceptíveis a Pseudomonas. Aliás, já foi relatada a existência de um diferencial significativo na ocorrência de mancha aureolada em materiais genéticos de café, sendo comum observar diversos níveis de ataque no viveiro, variando de um canteiro ao outro, simplesmente em função da variedade das mudas. Em uma área foi evidente o diferencial entre o Acaiá, sem ataque, e o Topázio, este muito atacado por Pseudomonas.

Sintomas

Os sintomas típicos da bacteriose são as manchas escuras, com halo amarelado ao redor e, especialmente, transparência na parte interna desse halo, principalmente em folhas novas, o que deve ser observado olhando a folha contra a luz. Ocorre, ainda, a queima e morte dos ramos, tanto das laterais como do ponteiro de cafeeiros jovens.

Os técnicos e produtores precisam prestar atenção à bacteriose, sempre examinando com cuidado e, quando em dúvida, levar o material a um especialista, visando obter a identificação correta e não confundir com a sintomatologia causada por outras doenças, como Phoma/Ascochyta (passível de confundir principalmente em mudas) e Colletotrichum,com isso devendo-se chegar às medidas de controle adequadas à verdadeira origem do problema de ataque.

Controle

Para o controle, nas áreas problema, o ideal é a instalação de quebra-ventos temporários, com renques de milho, guandu etc. Na presença da doença, ainda em pequena escala, aplicou-se, com sucesso, uma poda sanitária, cortando a ramagem atacada e seca, queimando-a.

O controle químico é feito usando pulverizações com caldas contendo produtos à base de cobre ou mais dithane, em mistura com superfosfato simples (pelo flúor bactericida), podendo-se agregar antibióticos e a kasugamicina.

Quando for observada associação com ataque de fungos (Phoma/Ascochyta e Colletotrichum), que é comum, podem-se associar fungicidas específicos nas pulverizações.

Essa matéria você encontra na edição de julho da Revista Campo & Negócios Grãos. Adquira o seu exemplar.

 

Inicio Revistas Grãos Mancha aureolada se espalha nas lavouras cafeeiras