23.7 C
Uberlândia
quinta-feira, fevereiro 29, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosHortifrútiManejo detalhado da produção de brócolis americano

Manejo detalhado da produção de brócolis americano

Jéssica de Oliveira Lima

Engenheira agrônoma e mestranda em Fitotecnia ” Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ)

jessicalyma00@hotmail.com

Carlos Antônio dos Santos

Engenheiro agrônomo e doutorando em Fitotecnia – UFRRJ

carlosantoniods@ufrrj.br

Margarida Goréte Ferreira do Carmo

Engenheira agrônoma, doutora em Fitopatologia e professora – UFRRJ

gorete@ufrrj.br

Crédito Shutterstock

A produção de brócolis (Brassica oleracea var. italica) tem crescido bastante no Brasil nos últimos anos. Esta hortaliça tem tido presença constante nos mercados de hortifrúti – supermercados, sacolões, feiras – e em restaurantes.

Seu consumo crescente deve-se ao seu elevado valor nutricional como fonte de fibras, sais minerais, vitaminas e antioxidantes. É uma excelente fonte de vitaminas A, B e C, e de Ca, P, Mg, Cu, Fe e outros.

Seu consumo regular, assim como de outras brássicas, tem sido relacionando à diminuição de doenças imunológicas, cardiovasculares e cancerígenas. Por ser uma hortaliça com boa saída no mercado e bons preços, assume grande importância econômica e social, gerando riquezas e empregos diretos e indiretos desde o plantio, colheita até a sua comercialização.

Dados da Associação Brasileira do Comércio de Sementes e Mudas (ABCSEM) indicam que a cultura movimenta no Brasil aproximadamente R$ 1 bilhão por ano, com produção de 290 mil toneladas/ano.

Ainda, segundo dados da Embrapa Hortaliças, a área cultivada no País é de cerca de 15 mil hectares, com maior concentração nas regiões sul, sudeste e centro-oeste. Atualmente, o principal Estado produtor de brócolis é o de São Paulo, com área estimada em 03 mil hectares.

A cultura do brócolis apresenta um grande potencial de crescimento, pois o setor de alimentação saudável cresce cada vez mais, chegando à taxa de 98% de crescimento entre os anos de 2009 a 2014, segundo a agência de pesquisa Euromonitor.

 

Brócolis americano

A produção de brócolis tem crescido nos últimos anos – Crédito Carlos Antônio dos Santos

As cultivares de brócolis atualmente disponíveis no mercado brasileiro são divididas em dois grupos: ramoso e americano. O brócolis do grupo ramoso apresenta caules com menor diâmetro, mais de uma inflorescência por planta e ramificações laterais, o que permite várias colheitas ao longo do tempo.

A comercialização do brócolis ramoso é feita em maços. Por ser mais perecível que o brócolis americano, deve ser comercializado e consumido mais rapidamente. Já o brócolis americano, também conhecido como de “cabeça única“ ou “japonês”, apresenta caules grossos, inflorescência única e compacta, com maior diâmetro, semelhante à couve-flor.

Apresentam maior tempo de prateleira e têm sido comercializados também em embalagens plásticas e de forma congelada. O brócolis americano também vem ganhando espaço no mercado de hortaliças minimamente processadas, agregando valor ao produto e ampliando as possibilidades de consumo.

 

As cultivares

As híbridas se destacam pela maior produtividade e resistência a doenças – Crédito Shutterstock

A produção de brócolis do tipo americano tem sido favorecida pelo lançamento de cultivares melhoradas geneticamente, em sua maioria híbridos, com maior adaptação climática e maior flexibilidade quanto ao local e época de plantio.

As cultivares híbridas têm se destacado, ainda, pela maior produtividade e resistência a algumas doenças. No geral, a maioria das cultivares de brócolis necessitam de temperaturas entre 20 a 24°C para desenvolvimento de folhas, e temperaturas de 15 a 18°C para a indução floral e formação da inflorescência.

Estão disponíveis no mercado algumas cultivares adaptadas, inclusive, ao cultivo no período de primavera/verão. O produtor deve procurar sempre escolher aquela mais adaptada às suas condições climáticas em função de sua região e época do ano. Ou seja, um dos primeiros passos para a implantação da lavoura é a escolha da cultivar certa para suas necessidades.

Crédito Carlos Antônio dos Santos

 

 

Essa matéria completa você encontra na edição de novembro de 2018 da Revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira o seu exemplar para leitura completa.

ARTIGOS RELACIONADOS

Tubetes – A ferramenta útil na produção de mudas de café

Maurício Dominguez Nasser Pesquisador científico da APTA Regional Alta Paulista mdnasser@apta.sp.gov.br Flávia Aparecida de Carvalho Mariano Nasser Engenheira agrônoma, doutora e pós-doutoranda em Horticultura " FCA/UNESP-...

Pendoamento precoce exige variedades resistentes

  Luciana de Sousa Cassetari Doutoranda em Agronomia/Fitotecnia - Universidade Federal de Lavras (MG) luciana_agro@yahoo.com.br Devido à alta perecibilidade e pouca resistência ao transporte, geralmente a alface é...

Reta final da colheita do algodão

Produtores devem finalizar a safra até o final de setembro, quando terá início o vazio sanitário. O período foi prolongado por mais dez dias por causa...

Sarna da macieira exige atenção do produtor

Givago Coutinho Engenheiro agrônomo e doutor em Fruticultura givago_agro@hotmail.com Herick Fernando de Jesus Silva Engenheiro agrônomo e doutorando em Fitotecnia/UFU herickfernando@gmail.com Dentre as fruteiras de clima temperado, a macieira...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!