25.6 C
Uberlândia
quarta-feira, junho 19, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosMatéria orgânica - Mais produtividade para a cana

Matéria orgânica – Mais produtividade para a cana

 

Claudimir Pedro Penatti

Consultor de Produtos do Centro de Tecnologia Canavieira (CTC)

 

 Crédito Shutterstock
Crédito Shutterstock

O solo, considerado um compartimento terrestre, apresenta um dinamismo muito grande em seus compartimentos e está intimamente ligado às suas características e aos processos que ocorrem na atmosfera, hidrosfera, litosfera e biosfera. Nesse sentido, a fase sólida é constituída da fração mineral e orgânica.

A fração matéria orgânica corresponde à Matéria Orgânica do Solo (MOS), constituída basicamente de carbono (C), hidrogênio (H), oxigênio (O), nitrogênio (N), enxofre (S) e fósforo (P).

Composição da matéria orgânica do solo

C ” 58%

H ” 6%

O ” 33%

N, S e P ” 3%

Nesses termos, a MOS é heterogênea, constituída de matéria orgânica viva e não vivente. Como MOS, entendem-se todos os organismos vivos e seus restos que se encontram no solo, nos mais variados graus de decomposição. Já a MOS não vivente é representada, sobretudo, pelas frações orgânicas estabilizadas na forma de substâncias húmicas.

Quanto aos fatores físicos, químicos e biológicos do emprego da MOS na cultura da cana, pode-se considerar:

  • Ø Fator químico

“¢ Poder tampão: aumento do poder tampão do solo decorrente da reação do cálcio com os grupamentos carboxílicos dos ácidos húmicos e fúlvicos. Dessa forma, a adição de MO resultará em aumento ou redução do pH do solo, dependendo da predominância dos processos que consomem ou liberam hidrogênio;

“¢ Capacidade de Troca Catiônica (CTC): a MOS contribui com 20 a 90% da CTC das camadas superficiais de solos minerais e praticamente de toda a CTC de solos orgânicos. Na cana-de-açúcar, a CTC do solo é aumentada com o incremento do estoque de carbono orgânico total com a aplicação de vinhaça, torta de filtro e manutenção da palha em cobertura dos solos. A rotação de culturas (soja e amendoim) e o uso de adubo verde (crotalárias, milheto, leguminosas etc.) em áreas de reforma do canavial também proporcionam aumento da CTC do solo, além da reciclagem de nutrientes;

“¢ Complexação de metais: a complexação ocorre devido à presença de vários grupamentos funcionais (carboxílicos e fenólicos) na MOS, podendo complexar metais tóxicos para a planta (ex.: Al, Fe e Mn) e metais essenciais para ela (macro e micronutrientes). Os nutrientes são liberados lentamente, reduzindo as perdas por lixiviação no perfil do solo.

  • Ø Fator físico

“¢ Agregação: os agregados protegem fisicamente a MOS por formar uma barreira física aos microrganismos e suas enzimas aos substratos. A palha da cana que fica sobre o solo após as colheitas compõe um emaranhado de raízes (colchão de palha) com microrganismos (hifas de fungos), podendo formar também um emaranhado de microagregados;

“¢ Retenção de água: a MOS, de forma geral, pode reter até 20 vezes sua massa em água (STEVENSON, 1994). A importância da MOS na retenção de água depende da textura do solo, sendo mais sensível à quantidade de MOS dos solos de textura arenosa quando comparados aos de textura argilosa. De forma geral, os solos arenosos apresentam baixo teor de MOS (menor ou igual a 2%), e os argilosos, igual ou acima de 3%. A torta de filtro, compostada ou não e aplicada no sulco de plantio, irá reter água, além de fornecer nutrientes.

  • Ø  Fator biológico

“¢ Reserva metabólica de energia: a MOS tem como função básica promover os processos biológicos dos solos. Vale ressaltar que uma diversidade de compostos orgânicos entra no solo, servindo de substrato para os macro e microrganismos, podendo ser assimilados, liberados como produtos metabólicos ou respirados como CO2. Esse processo é chave para a manutenção da ciclagem de nutrientes e preservação dos nutrientes em formas disponíveis para as plantas;

“¢ Compartimentos e decomposição de nutrientes em forma orgânica: além dos mecanismos que envolvem os fenômenos de troca catiônica e complexação que atuam na disponibilidade de macro e micronutrientes, os nutrientes são estocados (imobilizados) e/ou liberados (mineralizados) na MOS pelos processos mediados pelos organismos do solo na liberação de N, P e S, principalmente. Cerca de 95% do N do solo estão associados à matéria orgânica.

Claudimir Pedro Penatti consultor de Produtos do Centro de Tecnologia Canavieira - Crédito CTC
Claudimir Pedro Penatti consultor de Produtos do Centro de Tecnologia Canavieira – Crédito CTC

Benefícios da matéria orgânica

A matéria orgânica é um componente chave para a manutenção da qualidade física, química e biológica dos solos e, como consequência, para a sustentabilidade dos canaviais, além dos sistemas produtivos em médio e longo prazo.

Especialmente para a cultura da cana-de-açúcar, as atenções se voltam para o papel da MOS no sequestro e ciclo global do carbono. A palha da cana deixada sobre o solo tem sido o foco principal para esse processo, com a eliminação da queimada.

Além disso, o uso de subprodutos do setor sucroenergético (torta, vinhaça, fuligem e cinza) recupera a fertilidade do solo e aumenta a produtividade por área colhida. A cana-de-açúcar é a única cultura que consegue aproveitar todos os seus subprodutos gerados, reciclando nutrientes e aumentando a produtividade no que concerne à adubação mineral.

Resultados

Com a matéria orgânica, observa-se aumento da produtividade de cana (toneladas por hectare) com o uso agronomicamente adequado dos subprodutos, incrementando entre cinco e 10 t de cana/ha a mais em relação ao uso de adubo mineral.

A cana-de-açúcar é a única cultura que consegue aproveitar todos os seus subprodutos gerados - Crédito Shutterstock
A cana-de-açúcar é a única cultura que consegue aproveitar todos os seus subprodutos gerados – Crédito Shutterstock

Na fabricação de açúcar e álcool de cana-de-açúcar, podem ser gerados até 14 kg de fuligem e 4 kg de cinzas por tonelada de bagaço queimado nas caldeiras, além de outros subprodutos não menos importantes, como vinhaça (10 a 15 m-3 de álcool produzido), torta de filtro (20 a 40 kg t-1 de cana-de-açúcar), bagaço (220 kg/t-1 de cana) e lodos (15 a 40 kg/t-1 de cana) que são utilizados na agricultura.

“¢ Torta de filtro: esse subproduto pode ser usado in natura ou compostado com outros subprodutos, sendo aplicado no sulco de plantio ou sobre as linhas das soqueiras, o que melhora as condições físicas, químicas e biológicas do solo e, consequentemente, aumenta a produtividade do canavial;

ARTIGOS RELACIONADOS

Requeima: Principal doença da batata

Jesus G. Töfoli Pesquisador APTA - Instituto Biológico tofoli@biologico.sp.gov.br   A requeima, causada pelo oomiceto Phytophthora infestans (Mont) de Bary é considerada a mais devastadora doença de plantas...

Manganês influencia no controle das doenças na batata

  Emanuel Alexandre Coutinho Pereira Consultor de Vendas da Agrozap para HF Renato Passos Brandão Gestor Agronômico da Bio Soja   Os nutrientes, elementos químicos essenciais à vida das plantas,...

Agrotóxicos – Uso sustentável é possível ao seguir recomendações

  Rômulo Penna Scorza Junior Pesquisador da Embrapa Agropecuária Oeste   Utilizar o agrotóxico da forma correta, seguindo as recomendações do rótulo, é um dos preceitos para que...

Normas técnicas específicas para a produção integrada de tomate tutorado

O objetivo do projeto foi desenvolver e adaptar tecnologias que viabilizassem o Sistema de Produção Integrada de Tomate Tutorado (Sispit), pioneiro e único no Brasil.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!