28.7 C
Uberlândia
sábado, fevereiro 24, 2024
- Publicidade -
InícioNotíciasMercado de carbono da soja livre é pauta prioritária para ISL

Mercado de carbono da soja livre é pauta prioritária para ISL

Durante solenidade de posse, presidente do Instituto Soja Livre (ISL), César Borges, antecipa as prioridades do biênio 2023/25

Nova diretoria do Instituto Soja Livre foi empossada na manhã de quarta (09) para o biênio 2023/25

Reconduzido ao cargo de presidente do Instituto Soja Livre (ISL), César Borges inicia sua segunda gestão com um grande desafio pela frente. Nos próximos dois anos, a prioridade será formatar e validar internacionalmente uma metodologia capaz de mensurar adequadamente a pegada de carbono da produção de soja livre de transgenia feita pelo Brasil.

A meta é ousada, mas revela uma das soluções identificadas pelo instituto – responsável pelo fomento da soja convencional no País – para superar a estimativa de queda na produção na próxima safra. No ciclo 2022/23, a área plantada com soja livre no Brasil foi de 986,2 mil hectares, dos quais Mato Grosso respondeu por 49,85%, alcançando 491,6 mil ha. Conforme projeção do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), na safra 2023/24 a estimativa é de 332,8 mil hectares – uma queda de 32%.

“É um produto com muita tecnologia embarcada e de muito valor agregado, pois requer cuidados específicos para garantirmos a segregação do grão”, observou César Borges, durante a solenidade de posse realizada hoje (9).

Na prática, é mais caro cultivar a soja livre de transgenia. É preciso investir em uma série de medidas e exigências para que o grão convencional não seja contaminado pelo grão geneticamente modificado. As fazendas produtoras são auditadas e a segregação da soja é atestada por agências independentes de controle e verificação, que certificam a carga, permitindo assim sua entrada no mercado internacional.

Na Europa, as redes varejistas de alimentos premiam com um valor adicional a soja convencional – forma de atender à pressão do consumidor final pela oferta de produtos sem traços de transgenia em sua composição. É esse “prêmio” que dá sustentação financeira para o mercado brasileiro de soja livre. 

“O nosso desafio é que existe um descompasso entre o momento em que o produtor define quanto vai investir na safra seguinte e a sinalização dos europeus sobre o prêmio para a soja livre. Por isso, vemos os créditos de carbono como um importante aliado para dar mais atratividade ao nosso ambiente de negócios”, contextualiza César Borges.

Além do prêmio, a conjuntura mundial da soja e as cotações na Bolsa de Chicago influenciam diretamente o mercado da soja livre. Dessa forma, assim como ocorre com o grão transgênico, o valor de mercado do grão não-transgênico enfrenta um cenário de grande oferta do produto e preços menores, após três ciclos de alta. 

“Outro elemento importante é que a demanda por soja livre na Europa não cresce no mesmo patamar do consumo da soja transgênica. Por isso estamos investindo também na prospecção de novos mercados, como o Japão”, antecipa o presidente do instituto. Cálculos do ISL indicam que a produção de seus associados tem potencial para atender a demanda japonesa por até dez anos.

Com a Aprosoja e a Embrapa entre suas entidades fundadoras, o ISL se dedica agora nos próximos dois anos ao mercado de sequestro de carbono para a soja livre. “Temos a ciência (Embrapa) e a capacidade de produção (Aprosoja) ao nosso lado. O mercado de carbono tem a grande vantagem de mostrar ao mundo que nossa agricultura é ‘limpa’ e de funcionar como mais uma alternativa para agregar valor à soja livre”, argumentou César Borges.

O programa de cálculo das emissões de gás de efeito estufa (GEE) ao longo da produção de soja convencional está sendo chamado no ISL de “Protocolo de Créditos de Carbono Soja Livre” (CC Soja Livre). Ele parte das melhores ferramentas já existentes no mundo para o cálculo da pegada de carbono em atividades correlatas, com o diferencial de incluir dados, pesquisas aplicadas e resultados já comprovados de estudos feitos pela Embrapa.

“Existem peculiaridades da agricultura no Brasil, da sojicultura em clima tropical e do cultivo específico da soja livre de melhoramento genético que precisam ser consideradas no cálculo da pegada de carbono. É preciso termos um modelo particular, pois importar uma ferramenta de um país de clima temperado não irá refletir a realidade”, ponderou Fernando Nauffal Filho, consultor.

ISL. O Instituto Soja Livre foi criado em 24 de julho de 2017 pela Aprosoja Mato Grosso e pela Embrapa Soja. A constituição do formato jurídico foi o caminho natural após o sucesso daquele que nasceu como um projeto da Aprosoja ainda em 2010, voltado para fomentar o cultivo de soja convencional em Mato Grosso. Hoje, o ISL é voltado para o mercado consumidor, abrangendo todos os estados produtores do Brasil, com a presença de traders, comercializadoras, produtores, sementeiras e empresas de melhoramento genético. Além de César Borges, o ISL tem na diretoria para o biênio 2023/2025 Endrigo Dalcin como vice-presidente; dr. Odilon Lemos como diretor técnico; Elton Hamer como diretor administrativo; Lucas Costa Beber como diretor financeiro; e Luiz Fiorese como diretor de Relações Internacionais. O Conselho Fiscal é composto por Marcos Melo, Rodrigo Brogin, José Del; Estenio Faria, Francisco Soares e Romualdo Barreto (suplentes).

ARTIGOS RELACIONADOS

Brasil exportou volume recorde de soja

Safra 2022/23 surpreendeu sojicultores em âmbito nacional.

Aprosoja/MS dialoga com bolsa de Chicago e do Brasil

Com expectativa de lançar ainda em 2020 uma metodologia de precificação da soja brasileira em contratos futuros, com balizadores nacionais, o CME Group (Bolsa de Chicago) e a B3 (Antiga BM&FBovespa), abriram o diálogo para entidades representantes dos agricultores nesta quarta-feira (29)

15º Fórum Nacional de Máxima Produtividade do CESB

Os Campeões e as maiores produtividades do Desafio de Máxima Produtividade do CESB serão revelados em junho em grande evento de celebração dos 15 anos da organização.

Manejo de doenças na cultura da soja lota auditório no penúltimo dia do Show Safra

Pesquisadores se unem para apresentar resultados de experimentos no controle de doenças da soja.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!