Morango semi-hidropônico

0
136

Paula Almeida Nascimento Engenheira agrônoma e doutoranda em Agronomia – Universidade Federal de Lavras (UFLA)paula.alna@yahoo.com.br

Felipe Jhonatan Alessio Mestre e assistente de Programas da Unidade de Coordenação de Projetos da FAO/ONU no Sul do Brasil

Morango – Créditos: shurtterstock

O morango é considerado uma das espécies de maior sensibilidade a pragas e doenças. A exigência em práticas culturais desde o plantio até a pós-colheita é essencial para a maior produtividade.

O morangueiro é uma planta herbácea estolonífera, perene, com caule semi-subterrâneo. A cultura é muito sensível à falta de água, baixa umidade relativa, alta temperatura, intensidade e duração da luz, e responde de forma diferente às combinações de temperatura e de comprimento do dia.

Assim, a formação de estolões e o desenvolvimento de folhas são favorecidos sob condições de dias longos e temperatura elevada. A indução floral ocorre com temperatura baixa e dias curtos e a frutificação, em dias longos e temperaturas amenas.

Ciclo

O ciclo para a produção dos frutos do morango dura entre 60 e 90 dias. O início da colheita acontece quando o morango apresentar de 50 a 75% da superfície avermelhada. Cada muda pode produzir um quilo de morangos por ano e cada flor do pé se tornará uma fruta.

Além disso, para que fosse possível cultivar o morango durante o ano todo, precisa de investimento na climatização do ambiente, colocar estrutura de nebulização e de ventilação no alto da estufa, que diminuem a temperatura do local.

O morangueiro é cultivado, no Brasil, em várias formas: no solo, com ou sem cobertura plástica (mulching), em túneis baixos ou em estufas, ou no sistema hidropônico, com ou sem substrato. O sistema hidropônico conduzido em substrato é conhecido no País como semi-hidropônico.

A cultura do morango é desenvolvida por agricultores familiares que possuem pequenas áreas de cultivo. Uma alternativa para aumentar a produtividade é produzir morangos em ambiente protegido onde é limitado o ataque de pragas e doenças da parte aérea.

Neste caso, o morango é produzido em substrato artificial sem contaminação por fungos fitopatogênicos e com fertirrigação (sistema semi-hidropônico). Além disso, reduz a demanda de agrotóxicos na cultura, controla a ocorrência de chuvas, geadas e em locais com invernos rigorosos evita a neve sobre as plantas.

Semi-hidroponia

O sistema semi-hidropônico apresenta vantagens em relação ao sistema convencional: nas prateleiras otimiza a área de produção; manejo da cultura pode ser realizado em pé, o que favorece a contratação de mão de obra; o sistema protege as plantas do efeito da chuva e facilita a ventilação, condições que impedem o estabelecimento de doenças; redução de agrotóxicos na cultura; melhor produção de frutas, com maior qualidade e menor perda por podridão.

O sistema semi-hidropônico utiliza prateleiras em diferentes níveis em várias alturas, até bancadas com um nível e altura de 1,0 m do solo. As bancadas em um nível são construídas sobre palanques de sustentação, a 1,0 m de altura acima do solo espaçadas entre si em 3,0 m.

Sobre estes palanques são fixadas travessas e ripas, que sustentarão as embalagens com os substratos e o sistema de irrigação. Entre as bancadas deve haver um espaço que permita que sejam feitos manejos, tratos culturais e a colheita das frutas, com distância de pelo menos 0,80 m.

Também deve-se deixar um espaço de 1,0 m para circulação, no início e no final da estufa. Assim, o sistema de bancada oferece uma distribuição de energia solar mais uniforme às plantas, o que pode levar os frutos a terem excelente sabor, quando maduros.

Substrato

O substrato serve como suporte, onde as plantas fixarão suas raízes e fazem retenção da solução da fertirrigação. O substrato ideal deve apresentar elevada capacidade de retenção de água e aeração.

Existem vários tipos de compostos que podem ser utilizados para a formulação de substratos para o cultivo semi-hidropônico: casca de arroz carbonizada, casca de pinus, turfa + vermiculita.

O plantio das mudas deve ser feito nas embalagens (sacos) com o substrato localizado em cima das bancadas. Nas embalagens são feitos orifícios onde serão inseridas as mudas e o espaçamento entre as plantas é de 0,20 m. No cultivo protegido do morangueiro semi-hidropônico, em substrato artificial, utiliza-se a irrigação por gotejamento.

A irrigação localizada tem como vantagens: alta eficiência de aplicação, economia de água, energia e mão de obra, permite automatização, fertirrigação e não interfere nos tratos fitossanitários. Assim, este sistema aplica água diretamente na região das raízes.

Fitossanidade

Algumas pragas do morangueiro são: ácaros fitófagos (rajado, vermelhos), insetos (broca-dos-frutos, besouros, lagartas, pulgões, tripes), lemas e caracóis, e algumas doenças de importância, como a bactéria que causa mancha angular bacteriana, Xanthomonas fragariae, e doenças como a murcha, o declínio, a podridão de raízes e a morte das plantas são causadas pelos fungos Verticillium spp., Phythophtora spp., Fusarium spp., Pythium spp. e Rhizoctonia spp.

A antracnose é uma doença fúngica causada por Colletothichum fragariae e o oídio do morangueiro é uma das doenças mais graves nas estufas, sendo seu agente causal Sphaerotheca maculata f. sp. fragariae.

Mais produtividade

Para ler o restante deste artigo você tem que estar logado. Se você já tem uma conta, digite seu nome de usuário e senha. Se ainda não tem uma conta, cadastre-se e aguarde a liberação do seu acesso.