27.9 C
Uberlândia
quarta-feira, fevereiro 28, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosHortifrútiMorango semi-hidropônico

Morango semi-hidropônico

Paula Almeida Nascimento Engenheira agrônoma e doutoranda em Agronomia – Universidade Federal de Lavras (UFLA)paula.alna@yahoo.com.br

Felipe Jhonatan Alessio Mestre e assistente de Programas da Unidade de Coordenação de Projetos da FAO/ONU no Sul do Brasil

Morango – Créditos: shurtterstock

O morango é considerado uma das espécies de maior sensibilidade a pragas e doenças. A exigência em práticas culturais desde o plantio até a pós-colheita é essencial para a maior produtividade.

O morangueiro é uma planta herbácea estolonífera, perene, com caule semi-subterrâneo. A cultura é muito sensível à falta de água, baixa umidade relativa, alta temperatura, intensidade e duração da luz, e responde de forma diferente às combinações de temperatura e de comprimento do dia.

Assim, a formação de estolões e o desenvolvimento de folhas são favorecidos sob condições de dias longos e temperatura elevada. A indução floral ocorre com temperatura baixa e dias curtos e a frutificação, em dias longos e temperaturas amenas.

Ciclo

O ciclo para a produção dos frutos do morango dura entre 60 e 90 dias. O início da colheita acontece quando o morango apresentar de 50 a 75% da superfície avermelhada. Cada muda pode produzir um quilo de morangos por ano e cada flor do pé se tornará uma fruta.

Além disso, para que fosse possível cultivar o morango durante o ano todo, precisa de investimento na climatização do ambiente, colocar estrutura de nebulização e de ventilação no alto da estufa, que diminuem a temperatura do local.

O morangueiro é cultivado, no Brasil, em várias formas: no solo, com ou sem cobertura plástica (mulching), em túneis baixos ou em estufas, ou no sistema hidropônico, com ou sem substrato. O sistema hidropônico conduzido em substrato é conhecido no País como semi-hidropônico.

A cultura do morango é desenvolvida por agricultores familiares que possuem pequenas áreas de cultivo. Uma alternativa para aumentar a produtividade é produzir morangos em ambiente protegido onde é limitado o ataque de pragas e doenças da parte aérea.

Neste caso, o morango é produzido em substrato artificial sem contaminação por fungos fitopatogênicos e com fertirrigação (sistema semi-hidropônico). Além disso, reduz a demanda de agrotóxicos na cultura, controla a ocorrência de chuvas, geadas e em locais com invernos rigorosos evita a neve sobre as plantas.

Semi-hidroponia

O sistema semi-hidropônico apresenta vantagens em relação ao sistema convencional: nas prateleiras otimiza a área de produção; manejo da cultura pode ser realizado em pé, o que favorece a contratação de mão de obra; o sistema protege as plantas do efeito da chuva e facilita a ventilação, condições que impedem o estabelecimento de doenças; redução de agrotóxicos na cultura; melhor produção de frutas, com maior qualidade e menor perda por podridão.

O sistema semi-hidropônico utiliza prateleiras em diferentes níveis em várias alturas, até bancadas com um nível e altura de 1,0 m do solo. As bancadas em um nível são construídas sobre palanques de sustentação, a 1,0 m de altura acima do solo espaçadas entre si em 3,0 m.

Sobre estes palanques são fixadas travessas e ripas, que sustentarão as embalagens com os substratos e o sistema de irrigação. Entre as bancadas deve haver um espaço que permita que sejam feitos manejos, tratos culturais e a colheita das frutas, com distância de pelo menos 0,80 m.

Também deve-se deixar um espaço de 1,0 m para circulação, no início e no final da estufa. Assim, o sistema de bancada oferece uma distribuição de energia solar mais uniforme às plantas, o que pode levar os frutos a terem excelente sabor, quando maduros.

Substrato

O substrato serve como suporte, onde as plantas fixarão suas raízes e fazem retenção da solução da fertirrigação. O substrato ideal deve apresentar elevada capacidade de retenção de água e aeração.

Existem vários tipos de compostos que podem ser utilizados para a formulação de substratos para o cultivo semi-hidropônico: casca de arroz carbonizada, casca de pinus, turfa + vermiculita.

O plantio das mudas deve ser feito nas embalagens (sacos) com o substrato localizado em cima das bancadas. Nas embalagens são feitos orifícios onde serão inseridas as mudas e o espaçamento entre as plantas é de 0,20 m. No cultivo protegido do morangueiro semi-hidropônico, em substrato artificial, utiliza-se a irrigação por gotejamento.

A irrigação localizada tem como vantagens: alta eficiência de aplicação, economia de água, energia e mão de obra, permite automatização, fertirrigação e não interfere nos tratos fitossanitários. Assim, este sistema aplica água diretamente na região das raízes.

Fitossanidade

Algumas pragas do morangueiro são: ácaros fitófagos (rajado, vermelhos), insetos (broca-dos-frutos, besouros, lagartas, pulgões, tripes), lemas e caracóis, e algumas doenças de importância, como a bactéria que causa mancha angular bacteriana, Xanthomonas fragariae, e doenças como a murcha, o declínio, a podridão de raízes e a morte das plantas são causadas pelos fungos Verticillium spp., Phythophtora spp., Fusarium spp., Pythium spp. e Rhizoctonia spp.

A antracnose é uma doença fúngica causada por Colletothichum fragariae e o oídio do morangueiro é uma das doenças mais graves nas estufas, sendo seu agente causal Sphaerotheca maculata f. sp. fragariae.

Mais produtividade

[rml_read_more]

Cultivar morango em sistema semi-hidropônico é uma alternativa para produzir um fruto com boas propriedades nutricionais e de grande aceite e procura pela população, uma vez que a forma mais consumida do fruto é in natura.

Quando cultivado em sistema protegido, se mostra uma alternativa rentável, de modo que o fruto tem sua produção ampliada para qualquer época do ano, pois fornece temperatura ideal para o cultivo, com proteção contra as intempéries e os demais fatores climáticos, como chuvas e ventos.

A semi-hidroponia oferece uma produção sem contato com o solo, diminuindo a utilização de agrotóxicos nas culturas e proporcionando um sistema ideal de desenvolvimento, aumentando a produtividade de maneira orgânica.

Desta forma, a utilização de irrigação por gotejamento, fertirrigação, túneis plásticos e coberturas de solo, novas variedades modernas e direcionadas ao mercado de mesa, fazem com que o morangueiro atinja produtividades de mais de 1,0 kg/ano/planta. O uso de químicos menos tóxicos e com maior controle e rastreabilidade permitiu produção de produtos de melhor qualidade.

Porteira adentro

A cidade de Monte Alegre do Sul (SP), Circuito das Águas Paulista, possui famílias que cultivam o morango e alguns produtores adotaram a produção suspensa. Essa técnica foi um sucesso com as plantas de morango, resultando em maior resistência e redução do uso de agrotóxicos em até 80%.

 “Esse sistema tem diferenciais importantes, como a proteção da planta contra a adversidade climática, principalmente a chuva, o que gera menos doenças fúngicas e, consequentemente, diminui o uso de agrotóxicos em até 80%”, diz o agricultor Ivan Marques, que desenvolve a cultura junto como o filho Tiago e o irmão Acácio. Eles ressaltam que com o método suspenso, semi-hidropônico, é possível trabalhar em pé em qualquer época do ano, porque as plantações são protegidas por estufas.

A maioria dos agricultores de Monte Alegre do Sul usa como base a agricultura familiar e o gasto de se ter uma plantação de morango suspenso pode passar dos R$ 20 mil.

A técnica já é utilizada por produtores italianos (cime radicate) e americanos (plug plant) e também por viveiristas de hortaliças em alguns locais do Brasil. E no Rio Grande do Sul vem ganhando as propriedades de pequenos agricultores.

O cultivo de morangos em sistema semi-hidropônico suspenso tem conquistado muitos adeptos. A escolha é justificada pela melhor utilização do espaço na pequena propriedade com bons resultados econômicos, adaptação à realidade da mão de obra disponível na propriedade, produção em períodos diferenciados das épocas tradicionais e pela oportunidade de produzir alimentos de maior qualidade com menor risco de contaminação.

De Bastiane iniciou o cultivo de morangos no sistema semi-hidropônico, com a implantação de um abrigo de cultivo de 105 m2 onde são cultivadas 1.500 plantas de morango. Os principais resultados estão na produtividade e rentabilidade do sistema.

A produtividade média é de 1,0 kg por planta/ciclo, totalizando uma produção de 1.500 kg/ciclo/ano. Já os valores de rentabilidade indicam que para cada R$ 1,00 empregado na atividade existe um retorno da ordem de R$ 1,04 no primeiro ano e R$ 3,44 no segundo.

Além do aspecto econômico, a qualidade de vida da família foi beneficiada pela otimização de mão de obra e a ergonomia das pessoas que realizam o manejo diário.

Custo e benefícios

A produção de morangos em sistema semi-hidropônico suspenso é uma tecnologia pesquisada pela Epagri- Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina. Assim, o sistema difundido pela Epagri tem várias vantagens, como melhor utilização do espaço na pequena propriedade com bons resultados econômicos, adaptação à realidade da mão-de-obra disponível na propriedade e produção em períodos diferenciados das épocas tradicionais. Outro grande diferencial é a produção de morangos com maior qualidade e menor risco de contaminação.

O investimento no sistema semi-hidropônico de produção de morangos pode custar em torno de R$ 35 mil, mas pode ocorrer variabilidade do preço de custo dependendo das instalações usadas para a construção de estufas, sistema de irrigação, substratos, seleção de mudas morangos de qualidade e etc.

ARTIGOS RELACIONADOS

Brasil exporta primeira carga de melão para China

A China recebeu na sexta-feira passada (18) o primeiro embarque de melões brasileiros após acordo bilateral firmado entre os países. Cerca de três toneladas e meia de melão pele de sapo, da região de Mossoró (RN), desembarcaram no Aeroporto de Xangai.

Óleo de neem: Controle de tripes em alface hidropônica

O termo hidroponia significa o cultivo de plantas em meio líquido.

Bioestimulação da cultura é tema de evento

Soluções introduzidas no mercado elevam potencial produtivo dos canaviais do plantio até a colheita, ressalta a empresa fabricante.

Soluções em controle microclimático em ambiente protegido

Sueyde Fernandes de Oliveira Braghin Coordenadora de Pesquisa e Desenvolvimento " Ginegar Polysack Brasil O cultivo em ambiente protegido cresce anualmente visto os inúmeros benefícios que...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!