16.4 C
Uberlândia
quinta-feira, julho 18, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioNotíciasMudanças climáticas reduzem estoques de carbono em florestas da Amazônia

Mudanças climáticas reduzem estoques de carbono em florestas da Amazônia

Imagem de arquivo

O sudeste da Amazônia concentra 40% das perdas que podem ocorrer nos estoques de carbono em biomas tropicais devido às mudanças climáticas, segundo novo estudo publicado na revista científica Nature Climate Change, na terça-feira (7). No pior cenário global, a capacidade desses ecossistemas de armazenar carbono seria reduzida em 20,1%, causando a liberação do gás na atmosfera e agravando o superaquecimento global. Especialistas indicam que o controle nas emissões pode reduzir a perda pela metade.

Outro cenário, mais ponderado, estima uma redução de até 12% na capacidade de fixação de carbono, considerando que os países mantenham baixas as emissões de gases causadores do superaquecimento global até 2100. Alterações nos padrões de chuva e a intensificação da estação seca, consequências da emergência no clima, são os principais fatores que podem acelerar essa transformação.

Apesar de as porcentagens parecerem pequenas, os números absolutos e em escala são considerados assustadores: a cada 1°C de aumento na temperatura média global, o impacto na perda de fixação de carbono em biomas tropicais seria o equivalente a uma liberação 10 vezes maior que as emissões anuais do Brasil ou de quase metade das emissões anuais globais. Para a Amazônia, essa realidade significa, na prática, estar à beira de um “precipício climático”.

“Olhando para o copo meio cheio, mostrarmos que compensa, sim, investir na conservação, porque as mudanças climáticas sozinhas não serão capazes de destruir os ecossistemas tropicais; pelo lado do copo meio vazio, parte considerável das perdas irão ocorrer na Amazônia, em nível mais ou menos grave, afetando completamente a sociobiodiversidade. É urgente mitigar esse cenário de precipício climático com a redução das emissões globais e com o fortalecimento de medidas de conservação e adaptação”, diz Paulo Brando, pesquisador no IPAM (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia) e professor na Escola de Meio Ambiente da Universidade de Yale, nos Estados Unidos, um dos autores do estudo.

Sejam florestas, campos ou savanas, a vegetação de biomas tropicais “trabalha” diariamente na manutenção da estabilidade climática que um dia conhecemos. Entre as atividades desempenhadas pela natureza está a estocagem de carbono acima do solo, nos troncos, galhos e folhas. Também chamado fixação de carbono, esse processo ocorre por meio da fotossíntese.

“A perda de carbono nas florestas tropicais do sul e leste da Amazônia, e do importante trabalho que elas realizam em termos de ciclagem do carbono e da água, terá um impacto ainda maior no clima, criando uma espécie de retroalimentação entre essa região e a atmosfera”, explica Maria del Rosario Uribe, pesquisadora e professora no departamento de Ciência do Sistema Terrestre, da Universidade da Califórnia em Irvine, nos Estados Unidos, principal autora.

Além da Amazônia, Cerrado, Pantanal e Mata Atlântica são também biomas tropicais brasileiros. A perda de fixação de carbono em um poderia ser atenuada pelo ganho em outro, mas essa compensação não é uma regra ecologicamente possível para todos os cenários: os ganhos de carbono em alguns ecossistemas tropicais mais secos não chegam nem perto de compensar as perdas em ecossistemas florestais úmidos.

Pesquisadores lembram que a maior ameaça para o aumento nas emissões e consequente multiplicação dos efeitos das mudanças climáticas segue no setor de mudanças de uso da terra, ligado a incêndios e desmatamentos. Somando a produção agropecuária, os dois setores representam 75% das emissões anuais brasileiras.

ARTIGOS RELACIONADOS

Clima prova impactos na safra 20/21

O Mato Grosso também teve o pior início de safra da história, analisa a equipe do Rally da Safra ...

Emissões por desmatamento crescem 20% no Brasil

Principal vetor para o aumento registrado em 2021 é o desmate na Amazônia, indicam dados do SEEG lançados no começo de novembro.

Carbono Bayer reúne mais de 1.800 agricultores

Nos próximos 3 anos, produtores do PRO Carbono vão intensificar adoção de práticas sustentáveis para sequestrar carbono e aumentar potencial produtivo

Condições climáticas prejudicam colheita de soja e milho em vários estados

Chuva segue como empecilho em parte da região Norte, enquanto na Bahia, lavouras de milho safrinha sofrem com deficiência hídrica

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!