26.6 C
Uberlândia
sexta-feira, junho 14, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosFlorestasNanopartículas previnem fungos em bambus

Nanopartículas previnem fungos em bambus

Estudo “Bambu para uma engenharia sustentável“ faz uso inédito no País de moderno microtomógrafo de raios X

Crédito PUC-Rio
Crédito PUC-Rio

Opção mais sustentável às madeiras de reflorestamento, o bambu é cada vez mais usado em construções civis e diferentes tipos de objetos, tanto no Brasil como em outros países. Porém, a planta sofre constantemente ameaças de fungos e diferentes pragas, o que acaba prejudicando um mercado que movimenta US$ 14 bilhões por ano, de acordo com o International  Network for Bamboo and Rattan (INBAR).

Para um combate mais eficiente aos fungos e bactérias que costumam atacar esta espécie vegetal e aumentar a durabilidade do bambu contra a ação natural de biodegradação, desde 2013 o Departamento de Química do Centro Técnico Científico da PUC-Rio (CTC/PUC-Rio) utiliza, de forma inédita no País, um microtomógrafo de raios X para auxiliar na caracterização da deposição de nanopartículas de prata na matriz biológica do bambu.

Alternativa sustentável

Os resultados da pesquisa já confirmam que o uso de nanopartículas para impedir a multiplicação de fungos em bambus é uma boa alternativa aos produtos químicos tradicionais. Estima-se que, normalmente, um bambu mofa em dois meses em condição de alta umidade.

Com a impregnação do bambu com nanopartículas de prata, este prazo aumenta para um ano, favorecendo todo o mercado nacional que utiliza o bambu ou outros materiais naturais como matéria-prima, como empresas de produção de materiais de construção não-convencionais e empresas de design e móveis.

 O estudo segue até 2017 e faz parte do projeto “Bambu para uma engenharia sustentável”, financiado pelo MCTI/CNPq e coordenado por um dos principais pesquisadores em bambu do Brasil, o professor Emérito KhosrowGhavami, do Departamento de Engenharia Civil e Ambiental do CTC/PUC-Rio.

O equipamento de microtomógrafo - Crédito PUC-Rio
O equipamento de microtomógrafo – Crédito PUC-Rio

Microtomógrafo de raios X

 Segundo o professor Omar Pandoli, do Departamento de Química e um dos responsáveis pela pesquisa, o equipamento usa tecnologia semelhante à da tomografia hospitalar para permitir a visualização da estrutura interna tridimensional de objetos opacos. O equipamento é constituído por uma fonte de raios X, um sistema rotacional (que garante que o feixe irradie por completo a amostra) e um sistema de detecção de resolução micrométrica.

Essa matéria você encontra na edição de março/abril 2017  da revista Campo & Negócios Floresta. Adquira já a sua.

 

ARTIGOS RELACIONADOS

Inovação e valor agregado na produção contribuem com araucárias

Símbolo do Paraná, a Araucária permanece em alerta de extinção. Segundo o Ministério do Meio Ambiente, dos 200 mil quilômetros quadrados de florestas com araucárias que...

Softwares auxiliam na tomada de decisões florestais

Rodrigo Lima Doutor, professor de Engenharia Florestal e consultor do Senai rodrigo.lima@fiepr.org.br Devido ao rápido avanço tecnológico, dispomos hoje de uma infinidade de softwares que nos auxiliam...

Versatilidade da heveicultura

Antônio de Pádua Alvarenga Engenheiro agrônomo, mestre e doutor em Fitotecnia e pesquisador científico da Epamig padua.alvarenga@gmail.com A seringueira (heveicultura) pode ser considerada uma das mais importantes...

Enlonamento de cargas soltas no transporte rodoviário

Juliano dos Santos Depoi Rodrigo Silveira de Farias AimeeKoerich Alex Homrich Guilherme Magro da Silva Alunos de graduação de Engenharia Florestal- Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) CatizeBrandelero Valmir Werner Professorese doutores...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!