26.6 C
Uberlândia
quarta-feira, abril 17, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosO que esperar da produção de algodão em 2022/23?

O que esperar da produção de algodão em 2022/23?

Crédito: Shutterstock

Enilson Nogueira
Consultor Céleres Consultoria
enogueira@celeres.com.br

Após duas safras de rentabilidades historicamente elevadas e expansão considerável de área plantada de algodão, os desafios geopolíticos, a elevação forte de custos de produção e as incertezas sobre os preços de petróleo no curto prazo adicionam bastante atenção para a temporada 2022/23 da cultura.

Ao longo da última década, a área plantada de algodão tem buscado consolidar o patamar de 1,6 milhão de hectares a nível nacional. No entanto, após a queda em 2020/21, a área cultivada da cultura deve completar na safra que se inicia o segundo ano consecutivo de aumento de relevante.

Em números

A expectativa da Céleres® é que a área semeada seja de 1,77 milhão de hectares em 2022/23, diante de margens ainda atrativas para a cultura, representando aumento de 8% frente à safra anterior. Os números oficiais da Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (ABRAPA) indicam 1,78 milhão de hectares para a próximo ciclo.

Do ponto de vista da produção, além do aumento de área, a produtividade no Cerrado pode se recuperar frente a uma temporada de desafios climáticos para os rendimentos e a qualidade do algodão colhido em 2021/22.

A produção estimada de pluma deverá ser acima de 3,0 milhões de toneladas, de acordo com dados da Céleres®, aumento anual relevante de 9%.

Evolução de área plantada e produção de algodão no Brasil

Fonte: Céleres®. Elaborado em novembro/2022.

Comercialização

O crescimento de área e produção ainda é sustentado pelo nível elevado de comercialização antecipada de pluma da temporada 2022/23. Até meados de novembro/2022, um pouco mais de 50% da safra de pluma de algodão em Mato Grosso já havia sido comercializada, segundo dados do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (IMEA), próximo do comportamento médio dos últimos anos.

No entanto, vale lembrar que os produtores aproveitaram de preços mais altos entre o final de 2021 e o primeiro quadrimestre de 2022, o que incentivou a intenção de crescimento para a área plantada mesmo com a queda forte de preços nos últimos seis meses.

A conjuntura de preços passou por várias incertezas, que culminaram na desvalorização das cotações da pluma de algodão no último semestre. De acordo com o IMEA, em meados de maio/22, a arroba de pluma de algodão era negociada acima de R$ 250 no Oeste de Mato Grosso.

Contudo, após as quedas nos preços internacionais de petróleo – importante driver de custos para fibras sintéticas e naturais, e a possibilidade de baixo crescimento ou até depressão econômica nos países desenvolvidos diante dos conflitos Rússia e Ucrânia e aumento das taxas de juros no global, os preços médios da pluma na mesma região caíram para a casa R$ 170, mais de 30% de queda em relação às máximas deste ano.

Rentabilidade

O cenário recente adverso de preços tem limitado as perspectivas de rentabilidade para o produtor nacional. As simulações de rentabilidade para o produtor de algodão mato-grossense em 2022/23 ainda indicam rentabilidades um pouco acima do histórico para a cultura e maiores em relação às culturas concorrentes.

Mesmo com a forte valorização dos custos diretos de produção esperados para 2022/23 (+ 40%, pela base do IMEA) – reflexo dos preços internacionais mais elevados de fertilizantes e defensivos e das boas rentabilidades em anos anteriores, a margem de contribuição da cultura ainda está positiva em 33% da receita bruta, se plantada isoladamente, ou de 31%, se integrada ao sistema com soja – abaixo do ano anterior, mas dentro da média dos últimos cinco anos.

Vale ressaltar que o cenário desafiador de custos se repete para soja e milho inverno no Estado. Contudo, o retorno esperado absoluto de um hectare em condições de produção no Estado ainda mostra vantagem para a cotonicultura em relação ao milho inverno – principal cultura adotada no ciclo de inverno no Estado.

Rentabilidade estimada de diferentes sistemas de produção de milho. Em R$ mil/ha

Fonte: Céleres®. Elaborado em novembro/2022.
1/ No caso das opções com safra inverno, considerando a margem da soja no verão, fixa, seja com algodão ou com milho na 2ª safra. Receita com caroço constante;
2/ Considerando a região de produção no Médio-Norte mato-grossense, com pacotes de média/alta tecnologia;
3/ Estimativas para a safra 2022/23, com base em informações de mercado de 20/09/2022, estimativas de custos à vista para 2022/23 e taxa de câmbio a R$ 5,30/US$.

Tecnologias alavancam produção

Estruturalmente, os ganhos de produtividade entregues pela junção de sementes mais tecnológicas e produtivas e bons pacotes de defensivos agrícolas têm levado ao retorno de produtores para a cultura em várias regiões produtivas – inclusive produtores de médio porte, visto que o importante elemento de escala para a rentabilidade da cultura foi aliviado pela diminuição do break-even da cultura, com aumento de produtividade.

Por ser uma cultura de alto custo de produção frente a outros concorrentes agrícolas – como soja e milho, os riscos produtivos e de mercado para o algodão são altamente relevantes dentro da dinâmica de produção e comercialização desta cultura, levando a estratégias mais aprimoradas de proteção dentro e fora da fazenda.

Estratégias

Além de garantir bom pacotes tecnológicos – algo que a cadeia produtiva e produtor brasileiro já fazem com maestria, é importante que o produtor adote estratégias de fechamento de custos de produção e preços recebidos pela pluma que deem segurança para a marcha de expansão da cultura dentro da propriedade.

Neste cenário, a potencial adoção de estratégias de barter para acesso a insumos e comercialização antecipada da cultura – com ou sem posicionamento de proteção no lado financeiro, são fundamentais para a longevidade dentro da atividade.

ARTIGOS RELACIONADOS

Qualidade da fibra de algodão – O diferencial que agrega valor

Para ganhar mais, os produtores de algodão buscam por um produto de melhor qualidade no campo e começam a mudar a cara de suas...

Bahia firma nova rota de exportação do algodão para o mercado internacional

  Durante encontro na última sexta-feira (2), em São Paulo, o presidente da Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa), Júlio Cézar Busato, e o...

Bahia Farm Show 2017 bate novamente marca do R$ 1 bilhão

A Bahia Farm Show 2017 se confirma como uma das maiores feiras agrícolas brasileiras ao bater, pelo quarto ano consecutivo, a marca de R$...

Alface: Semeio de verão se aproxima e os desafios aumentam

O cultivo de alface na estação mais quente do ano pode ser um problema, pois é um período em que as chuvas provocam perdas e a temperatura elevada causa pendoamento precoce nas plantas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!