26.6 C
Uberlândia
sexta-feira, junho 14, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiOrdem das misturas de produtos no tanque para batata-doce

Ordem das misturas de produtos no tanque para batata-doce

Carla Verônica Corrêa

cvcorrea1509@gmail.com

Bruno Novaes Menezes Martins

brunonovaes17@hotmail.com

Engenheiros agrônomos e doutorandos em Horticultura – UNESP/Botucatu

 

Crédito Shutterstock
Crédito Shutterstock

A batata-doce está passando por uma fase de transição, deixando de ser uma cultura de subsistência para ser cultivada em escala comercial. Como em toda cultura cultivada em maior escala, com necessidade de manejo que leve a elevadas produtividades, observa-se também o aumento da incidência de pragas e doenças, levando à necessidade de aplicação de defensivos.

Produtos indicados

No entanto, o maior problema no cultivo de batata-doce é que são poucos os produtos registrados para essa cultura. Entre os produtos comerciais registrados tem-se um inseticida de formulação granuladadispersível(WG) não sistêmico de origem biológica do grupo químico das Epinosinas.

É recomendado para o controle das brocas-das-hastes (Megastespusialis), sendo indicado de 80-200 g ha-1. Trata-se de um produto em que não há evidências de problemas de incompatibilidade com outros agrotóxicos ou fertilizantes normalmente utilizados.

Outro produto indicado é um inseticida e acaricida de contato e ingestão do grupo Cetoenol de formulação Suspensão Concentrada (SC). É recomendado para o controle da mosca-branca (Bemisia tabaci raça B), sendo recomendado de 0,5 a 0,6 L ha-1 do produto comercial.

O fungicida sistêmico do grupo químico Triazol, de formulação suspensão concentrada (SC), é indicado para o controle da ferrugem-branca (Albugoipomoeae-panduranae), sarna-da-batata-doce (Elsinoe batatas e Spacheloma batatas) e mancha-foliar-de-phomopsis (Phomopsisipomoea-batata) nas doses de 0,375-0,5 L ha-1.

Os principais objetivos de se utilizar as misturas de tanque é aumentar o espectro de ação dos produtos e diminuir os números de aplicações, e desta forma reduzir os custos de aplicação, que são bastante altos.

A mistura correta de produtos evita entupimento do bico de pulverização - Crédito Jacto
A mistura correta de produtos evita entupimento do bico de pulverização – Crédito Jacto

Ordem das misturas

Para as misturas de tanque, a ordem de introdução dos produtos deve atender ao tipo de formulação. Isso porque as misturas podem sofrer ações aditiva (a ação da mistura de produtos é a soma das qualidades individuais de cada formulação), sinérgica (a ação da mistura é superior à soma das qualidades individuais de cada formulação) ou antagônica (a ação da mistura é inferior à soma das qualidades individuais de cada formulação), podendo não atingir os resultados necessários para o controle de doenças e pragas, e até mesmo ocasionar fitotoxicidade na cultura.

Em geral, os produtores podem seguir a seguinte ordem: produtos específicos com doses inferiores a 100 g de grânulos e em seguida as saquetas hidrossolúveis (WSB). No caso de produtos sólidos, deve-se colocar primeiro os grânulos dispersíveis (WG), seguido dos pós molháveis (WP).

Para produtos líquidos, colocam-se os adjuvantes de compatibilidade, as suspensões concentradas (SC), os suspoemulsões (SE), a emulsão óleo em água (EW), concentrados para emulsão (EC), soluções concentradas (SL) e outros adjuvantes.

No caso de misturas que envolvam produtos sólidos e líquidos, colocam-se primeiro os grânulos dispersíveis (WG), seguido dos pós molháveis (WP), adjuvantes de compatibilidade, as suspensões concentradas (SC), os suspoemulsões (SE), a emulsão óleo em água (EW), concentrados para emulsão (EC), soluções concentradas (SL) e outros adjuvantes.

Cuidados

Todo cuidado é pouco. A mistura de produtos, embora reduza os custos por diminuir o número de aplicações, pode resultar em frustrações aos produtores, com danos aos pulverizadores, desuniformidade na aplicação, redução na eficiência dos produtos e fitotoxicidade.

Desta forma, o produtor pode seguir as sequências descritas anteriormente para evitar alterações físicas e químicas dos produtos. Além disso, é preciso sempre verificar se há informações de incompatibilidade de mistura com outros produtos.

 A batata-doce tem poucos produtos registrados - Crédito Maurício Nasser
A batata-doce tem poucos produtos registrados – Crédito Maurício Nasser

Erros comuns

Os principais erros são referentes à incompatibilidade de produtos. Isso pode acarretar danos nos equipamentos de pulverização, como entupimento de bicos, redução da eficiência dos produtos, quando comparado à aplicação isolada; fitotoxicidade nas plantas, como amarelecimento e queima das folhas.

Um exemplo típico é a mistura de produtos à base de óleo mineral com produtos à base de enxofre, que apresenta elevadas chances de causar “queima de folhas“. Outro grave erro que pode, inclusive, levar ao surgimento de resistência por parte tanto de pragas como doenças, é a utilização sucessiva de produtos de mesma classe ou de mesmo modo de ação.

Assim, deve ser realizada a rotação de produtos ao longo do ciclo da cultura para evitar o aparecimento de resistência.

 

Essa matéria completa você encontra na edição de maio 2017  da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira já a sua para leitura integral.

 

ARTIGOS RELACIONADOS

Estratégia na distribuição de insumos será discutida no Congresso ANDAV

O Congresso Andav acontece no período de 14 e 16 de agosto, em São Paulo (SP).Desafios como mudança organizacional, inovação, sustentabilidade empresarial, desenvolvimento de...

Dicas para o manejo de irrigação pré-florada

A primavera é um dos períodos mais cruciais para os cafeicultores, pois é nela que ocorre a florada que vai definir o potencial produtivo do cafezal....

Acarpa apresenta inovações na 23ª edição do Seminário do Café

            A 23ª edição do Seminário do Café da Região do Cerrado Mineiro vai acontecer no período de 06 a...

Como fazer o manejo fitossanitário da videira?

Autor Lucas da Ressurreição Garrido Engenheiro agrônomo, pesquisador em Fitopatologia e chefe-geral da Embrapa Uva e Vinho lucas.garrido@embrapa.br Vários patógenos fúngicos podem infectar a...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!