26.6 C
Uberlândia
sexta-feira, junho 14, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosOrganominerais beneficiam a cafeicultura

Organominerais beneficiam a cafeicultura

Fernando Simoni Bacilieri

Engenheiro agrônomo edoutorando em Produção Vegetal, ICIAG-UFU

ferbacilieri@zipmail.com.br

Roberta Camargos de Oliveira

Engenheira agrônoma e doutora em Produção Vegetal, ICIAG-UFU

robertacamargoss@gmail.com

José Geraldo Mageste

Doutor e professor – Universidade Federal de Uberlândia (UFU)

jgmageste@ufu.br

Jeferson Oles

Engenheiro agrônomo

jefersonoles@gmail.com

Crédito Daniel Vieira
Crédito Daniel Vieira

A produtividade da cultura do café é determinada pelo número de plantas por área, número de nós produtivos por plantas, número de frutos por nós e pelo tamanho e peso de frutos, ou seja, por componentes que podem ser favorecidos diretamente por meio de um bom manejo nutricional.

A necessidade nutricional do cafeeiro pode ser determinada pela quantidade de nutrientes que as plantas extraem durante todo seu ciclo. Esta extração total dependerá do rendimento obtido e da concentração de macro e microelementos nos grãos e nas partes que compõem a planta, ou seja, raiz, caule, folhas, etc.

Embora se encontrem disparidades na literatura com relação às quantidades de nutrientes absorvidas pelo cafeeiro, as quantidades médias de nutrientes exportados por 1.000 kg de grãos citadas por pesquisas são: 22,2 kg de nitrogênio (N), 3,2 kg de fósforo (P), 28,8 kg de potássio (K), 3,5 kg de cálcio (Ca), 3,3 kg de magnésio (Mg), 1,2 kg de enxofre (S), 5,7 g de zinco (Zn), 13,5 g de boro (B) e 16,8 g de cobre (Cu).

Crédito Shutterstock
Crédito Shutterstock

Fontes nutricionais

No solo, a eficiência de algumas fontes de fertilizantes convencionais pode ser muito baixa, como por exemplo, a ureia que sem incorporação e umidade no solo terá perdas de até 60% do N na forma de amônia por volatilização.

O K tem aproveitamento médio de 70%, sendo facilmente perdido em profundidade por lixiviação. Para o P o problema é ainda maior, pois este elemento pode ser fixado à fração mineral do solo e apresentar eficiência de apenas 20%.

Por outro lado, o uso de fontes orgânicas de nutrientes para adubação fica limitado pela disponibilidade de materiais de qualidade e em quantidade. Fontes como esterco de curral, por exemplo, chegam a ter recomendação para cultura do café de até 20 toneladas por hectare e podem ser inviáveis pelo frete e custo operacional da aplicação.

Os organominerais

Os fertilizantes organominerais são produtos originados da mistura física de fontes orgânicas com nutrientes minerais. De uma forma simplificada, podemos dizer que fertilizante organomineral é a mistura ou combinação de fertilizante orgânico com fertilizante mineral (N P K), ou mesmo que são adubos orgânicos enriquecidos com nutrientes minerais.

Sua produção é realizada partindo-se de uma ou mais matérias-primas orgânicas e a elas acrescentando-se macronutrientes primários e secundários, bem como micronutrientes, segundo as fórmulas e especificações desejadas.

Quando comparado o fertilizante organomineral ao uso de resíduos in natura, a primeira vantagem é que nos organominerais as fontes orgânicas passam por compostagem, eliminando água e tornando o adubo mais concentrado. Além disso, observa-se uma redução significativa nas perdas de nitrogênio pelo uso de fertilizante organomineral em relação à aplicação superficial de resíduos de suínos e aves.

O uso dos fertilizantes organominerais é possível ter uma adubação mais equilibrada - Crédito Ana Maria Diniz
O uso dos fertilizantes organominerais é possível ter uma adubação mais equilibrada – Crédito Ana Maria Diniz

Benefícios

Os principais benefícios esperados pela utilização de fertilizantes organominerais são em relação à eficiência no fornecimento de fósforo (P). Teoricamente, espera-se maior eficiência em função da presença de grande quantidade de ânions orgânicos nos grânulos de fertilizantes organominerais.

Estes ânions orgânicos competem pelos sítios de adsorção de P, abundantes em solos tropicais, reduzindo momentaneamente a fixação desse nutriente, favorecendo a absorção pelas plantas.

Espera-se ainda, aumento da atividade microbiana no entorno da área de aplicação do fertilizante organomineral devido ao fornecimento de energia para os microrganismos pela matéria orgânica contida no fertilizante.

Efeitos adicionais sobre o crescimento de raízes, promovidos por compostos orgânicos como aminoácidos presentes no fertilizante organomineral podem ocorrer, e essa é uma linha de pesquisa que merece especial atenção por parte dos órgãos de pesquisa.

Equilíbrio garantido

Com o uso dos fertilizantes organominerais é possível ter uma adubação mais equilibrada devido aos mecanismos de disponibilização dos elementos no solo. Os compostos orgânicos apresentam decomposição e mineralização lenta, e assim fornecem os nutrientes às plantas de maneira gradual durante os diferentes estádios de desenvolvimento, enquanto que a fração mineral disponibiliza os nutrientes rapidamente, atendendo as necessidades nutricionais imediatas das culturas. Pode, em alguns casos, reduzir o número de adubações sem perder a eficiência do fertilizante.

Outra vantagem do uso de fertilizantes organominerais é que no processo de fabricação a mistura entre material orgânico e mineral permite colocar em um único grânulo todos os nutrientes para suprir a necessidade das plantas, permitindo realizar adubações e distribuir os nutrientes de forma mais homogênea nas áreas, o que é muito interessante, especialmente para micronutrientes que são exigidos em pequenas quantidades, e por isso são difíceis de serem aplicados.

Essa matéria completa você encontra na edição de junho 2017 da revista Campo & Negócios Grãos. Adquira já a sua para leitura integral.

ARTIGOS RELACIONADOS

Cultivo protegido: Aditivos nos filmes plásticos melhoram a eficiência?

No cenário agrícola atual, está cada vez mais crescente a prática do cultivo em ambiente protegido, porque possibilita o controle dos fatores abióticos no cultivo, como temperatura, umidade do ar, intensidade de luz e velocidade do vento. Protege, também, de chuvas e granizo, além de possibilitar o cultivo contínuo de determinada cultura, diminuindo a sazonalidade de oferta do produto (Hortifruti Brasil, 2014)

Secagem do café – A hora de acertar é agora

O cafeeiro (Coffea arabica L.) é uma das principais plantas cultivadas no Brasil, tanto sob o ponto de vista econômico, gerando divisas pela exportação, quanto pelo aspecto social, sendo um dos poucos produtos cujo valor é aumentado em função da melhoria da qualidade, em que a qualidade inferior pode influenciar diretamente em significativa redução em seu valor de comercialização.

Agrocinco apresenta sua linha de híbridos

  A Agrocinco, neste ano, apresentou os maracujás híbridos da Embrapa: BRS Sol do Cerrado, BRS Rubi do Cerrado e BRS Gigante Amarelo. Atualmente, este...

Reaproveitamento da solução nutritiva na hidroponia

  Helio Grassi Filho Professor da área de Nutrição Mineral de Plantas da Faculdade de Ciências Agronômicas - UNESP heliograssi@fca.unesp.br   Uma solução nutritiva é o meio pelo qual...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!