20.6 C
Uberlândia
sábado, maio 25, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosPicão-preto: mais uma daninha resistente ao glifosato

Picão-preto: mais uma daninha resistente ao glifosato

Na safra 2022/23, foi identificada a primeira ocorrência de resistência ao herbicida glifosato na planta daninha picão-preto (Bidens subalternans) no Brasil.

Emerson Trogello
Doutor em Fitotecnia e professor – IF Goiano Morrinhos
emerson.trogello@ifgoiano.edu.br

Ricardo Brenner Alves Nogueira
Pós-graduando em Olericultura – IF Goiano Morrinhos
ricardobrenner.agro@yahoo.com.br

Foto: DepositPhotos

Antes da introdução de cultivares geneticamente modificadas (RR) e resistentes ao mecanismo de ação dos inibidores da EPSPs, (glifosato), a planta daninha picão-preto (Bidens spp.) era uma das principais espécies problemáticas em áreas de produção no Brasil, principalmente em soja.

Isso devido às suas características botânicas de rápido crescimento, grande produção, dispersão e dormência de sementes e mais de uma geração por ano, aliado à resistência adquirida a herbicidas utilizados anteriormente, com aplicações contínuas dos herbicidas inibidores da ALS, selecionando populações resistentes.

Com a utilização do herbicida glifosato na pós-emergência da soja RR, o problema foi amenizado, pois o herbicida tinha um bom controle mesmo em plantas mais desenvolvidas.

No entanto, com o uso dos materiais transgênicos e consequente “abuso” do herbicida glifosato, começaram a aparecer problemas de resistência de algumas daninhas logo após os primeiros meses da utilização da tecnologia na década de 90 nos EUA.

Ainda pior

Para agravar esta situação, o sistema produtivo brasileiro, praticamente em todas as regiões, se baseia em uma sucessão entre a cultura da soja, semeada no período da 1ª safra e a cultura do milho, semeada em uma 2ª safra subsequente.

Quando aconteceu a inserção da tecnologia RR também na cultura do milho, passamos a adotar o uso do glifosato na soja RR e no milho RR. Este sistema, de certa forma simplista, em que o controle de todas as plantas daninhas, inclusive o picão-preto, ficou baseado exclusivamente no glifosato, gerou ao longo do tempo, e ainda vem gerando, uma alta pressão de seleção de plantas daninhas resistentes.

Hoje, temos indivíduos de plantas daninhas como o Lolium multiflorum (Azevém), Conyza bonarienses, C. canadensis e C. sumatrensis (buva), Digitaria insularis (capim amargoso), Amaranthus palmeri (Caruru palmeri) e Eleusina indica (capim pé-de-galinha) resistentes ao glifosato.

A realidade

Atualmente, nas últimas safras os produtores estavam observando que o herbicida glifosato não estava controlando o  (Bidens subalternans) nas doses recomendadas, mas não identificaram populações da espécie com resistência até a safra 2022/23.

Na última safra, entretanto, em visitas a áreas com suspeita de resistência, técnicos da cooperativa Coamo e LAR, no Paraná, observaram populações aparentemente resistentes após aplicações sequenciais do glifosato, comunicando a Embrapa Soja sobre o caso.

A primeira ação foi a aplicação do glifosato em superdosagem na área, constatando que a população não foi controlada. Após isso, iniciaram os estudos para comprovação de resistência em ambiente controlado.

Foi feita a coleta de amostras de sementes das daninhas sobreviventes destas áreas, identificando a espécie Bidens subalternans e realizados experimentos em casa de vegetação. Foi feita, também, a comparação das daninhas coletadas com populações comprovadamente suscetíveis, aplicando diferentes doses do herbicida em duas gerações.

Com os experimentos, confirmou-se o primeiro caso de população resistente de Bidens subalternans a glifosato no Brasil.

Após a constatação da resistência, também estão sendo realizados trabalhos de manejo da população, tanto a campo quanto em casa de vegetação, e discussões sobre possíveis ações de monitoramento, mitigação e contenção.

Ainda, estão sendo realizados trabalhos para determinar o mecanismo de resistência ao glifosato e se existe resistência múltipla a outros herbicidas em parceria da Embrapa, cooperativa Coamo e Lar, Universidade Estadual de Maringá e Pennsylvania State University.

Do que se trata

Esta resistência nada mais é que uma habilidade de sobrevivência, herdada da planta daninha, após a aplicação de uma dose de herbicida que seria letal a uma população normal. O indivíduo da planta daninha é selecionado após a aplicação sequencial de herbicidas com mesmo princípio ativo, ocorrendo um processo natural de seleção de indivíduos resistentes.

Para melhor entendimento, imagine um indivíduo de picão-preto produzindo 3 mil sementes. Agora, imagine uma infestação média de “apenas” três plantas por metro quadrado. Seriam nove mil sementes produzidas por metro quadrado, o que representa 90 milhões de sementes por hectare.

Em uma área de apenas 88 hectares, nesta infestação, teríamos a mesma população de seres humanos do planeta terra (oito bilhões), de sementes agora de picão-preto. Imagine, agora, que cada semente de picão-preto carrega uma genética um “pouquinho” diferente da outra.

Ou seja, em uma área extremamente pequena temos uma variabilidade genética extremamente alta. Achar que um indivíduo de picão-preto, dentro desta amplitude de população, naturalmente não carrega com si uma mudança genética que “suporta” o glifosato, é extremamente ingênuo de nossa parte.

Assim, o uso sucessivo do mesmo mecanismo de ação vai continuar selecionando espécies de plantas daninhas resistentes.

O erro persiste

A aplicação sequencial de glifosato se vê presente nas áreas produtivas desde a introdução dos materiais transgênicos. Antes da disponibilidade de materiais com resistência a glifosato, o herbicida era posicionado apenas na dessecação, passando então a ser usado durante o ciclo da cultura.

Esse uso sequencial, de três a cinco vezes no ciclo, e muitas vezes sozinho, sem residual, começou a trazer problemas de seleção logo nos primeiros meses de uso, com o aparecimento das primeiras daninhas resistentes.

À medida que o controle fica deficiente, a reação natural é aumentar a dose e reaplicar o glifosato, mistura-lo com outros herbicidas e também fazer aplicações sequenciais. No entanto, basear o controle apenas em estratégias químicas pode também levar a mecanismos de resistência a múltiplos herbicidas, o que não é desejado.

Picão-preto é sério problema na soja
Foto: DepositPhotos

O que fazer

É muito importante utilizar ações preventivas para evitar a ocorrência de plantas resistentes e também a contenção dessas populações. O manejo eficiente de plantas daninhas deve ser considerado a longo prazo, por meio de um sistema que envolva não somente a aplicação de herbicidas, mas também métodos culturais, físicos e mecânicos.

Entre as práticas, é importante conhecer o histórico de resistência da área e região, por meio do monitoramento. O bom monitoramento deve ser realizado de forma contínua nas áreas, identificando e quantificando as daninhas presentes, para avaliar o nível de infestação, podendo ajustar o controle conforme necessário.

Também é extremamente importante adotar ações que evitam a propagação e dispersão das daninhas resistentes com a rotação de culturas, limpeza de máquinas e equipamentos para utilização em novas áreas, uso de sementes livres de infestantes, diminuição do período de pousio e cobertura do solo, entre outras.

Controle químico

Voltando ao controle químico, é muito importante a rotação de mecanismos de ação de herbicidas, utilização de pré-emergentes e controle na entressafra. Esta última é o período ideal para o bom manejo de outras daninhas, pois existe um número maior de herbicidas que podem ser utilizados.

Embora apareça a resistência ao glifosato, ele ainda é muito eficiente no controle de muitas espécies de daninhas e a perspectiva do seu uso é inevitável. O que se deve atentar é para a utilização de outras práticas de manejo que mitiguem a resistência.

Sem o glifosato, os custos de produção em lavoura com resistência a daninhas pode chegar de 42 a 222%, segundo a Embrapa, pelo aumento de gastos de herbicida e perdas de produtividade, fato esse que irá impactar diretamente a cadeia produtiva.

É imprescindível o conhecimento para aplicar práticas de manejo que não só visem o controle químico, afim de diminuir a evolução da resistência tanto do picão-preto como de outras espécies de daninhas.

ARTIGOS RELACIONADOS

A qualidade da semente é fundamental para o sucesso do algodão?

AutorMarcus R. Lawder Gerente de marketing de Sementes de Algodão da BASF Nunca se plantou tanto algodão no Brasil. O recorde de área cultivada...

Nufarm possui soluções de ponta para o algodão

Marca forte dos mercados brasileiro e mundial de defensivos agrícolas, a australiana Nufarm marcou presença no Dia de Campo Amipa deste ano, realizado na cidade de...

Morgan apresenta novidades no Show Rural Coopavel 2020

Vitrine tecnológica do agronegócio traz as inovações em híbridos de milho que devem elevar a produtividade em grãos e silagem com qualidade superior De cultura de rotação à...

Bioestimulante ajuda no aumento de produtividade da soja

Roberta Camargos de Oliveira Engenheira agrônoma e doutora em Agronomia pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU) robertacamargoss@gmail.com Fernando Simoni Bacilieri Engenheiro agrônomo, mestre e doutorando em Agronomia...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!