16.6 C
Uberlândia
quinta-feira, junho 13, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioMercadoPiscicultura é fonte de renda pra agricultores familiares do Vale do Jequitinhonha

Piscicultura é fonte de renda pra agricultores familiares do Vale do Jequitinhonha

 

Projeto em Leme do Prado foi idealizado pela Emater-MG e beneficia 35 famílias

 Tilapia - Crédito Emater-MG

Nem sempre é possível para o agricultor familiar obter resultados satisfatórios com apenas uma atividade. Em muitos casos é preciso diversificar a produção. É isso que produtores de Leme do Prado, no Vale do Jequitinhonha, fizeram. Incentivados pela Emater-MG, eles decidiram investir em piscicultura. O resultado tem sido o complemento da renda familiar e mais qualidade alimentar.

Tudo começou em 2012, quando extensionistas da Emater-MG sugeriram que os agricultores familiares investissem na criação de peixes em tanques redes. Quinze famílias da Associação dos Produtores Rurais, Agricultores Familiares e Aquicultores de Mandassaia (Apromam) apostaram na ideia.

De acordo com o coordenador técnico regional da Emater-MG, Inácio de Oliveira, a proposta era estimular no município a produção de peixes, visando a geração de emprego e renda extra para as famílias de agricultores. Segundo ele, isso vai possibilitar a melhoria da qualidade de vida dos produtores e da alimentação da população.

“Em virtude da falta de opções agropecuárias viáveis para a região, pelo baixo índice pluviométrico, mercado, recursos financeiros e outras deficiências, parte da população migrava para outras regiões a procura de trabalho no período de corte de cana e colheita de café“, explica o coordenador técnico regional da Emater-MG, Inácio de Oliveira.

A iniciativa conta com a parceria da Prefeitura de Leme do Prado, que ficou responsável pela construção de estradas e apoio logístico. A Emater-MG ofereceu suporte técnico para as famílias interessadas. Desde o projeto técnico até a orientação para que os piscicultores tenham acesso aos recursos financeiros.

A Apromam, além de organizar e mobilizar os agricultores, destinou recursos para investir na atividade. Por meio do programa estadual Minas Sem Fome, a Apromam recebeu 39 tanques e ração para o primeiro ciclo de produção. Com o tempo, a associação adquiriu mais 15 tanques. A Apromam também comprou alevinos para o início da atividade e construiu um depósito de ração.

A produção de tilápias é feita no lago da Hidrelétrica Presidente Juscelino Kubitschek, mais conhecida como Irapé, formado pelas águas do rio Jequitinhonha. Os tanques têm capacidade para engordar até 600 peixes. Entre seis e oito meses, as tilápias podem ser abatidas e comercializadas.

“O lago da Hidrelétrica de Irapé é uma grande fonte geradora de alimentos, ocupação e renda, sem modificar radicalmente os hábitos da população ribeirinha, que sempre pescou, trabalhou e viveu naquele ambiente simples e familiar“, diz Oliveira.

Seguindo o exemplo

 

Com os bons resultados obtidos pela Aproman, outras duas associações voltadas especificamente para a piscicultura foram criadas no município. Uma é a Associação de Piscicultores do Distrito de Posses e a outra é a Associação de Piscicultores do Quilombo Boa Sorte. Nas duas entidades, são 20 famílias que se dedicam à criação de peixes e um total de 41 tanques redes. A produção das três associações de Leme do Prado chega a 400 quilos por tanque.

A produção é comercializada na região. A atividade se transformou em mais uma fonte de renda para as famílias. Em média, cada uma ganha meio salário mínimo com a piscicultura. “Esse dinheiro tem nos ajudado muito nas despesas de casa“, conta o piscicultor, Adão de Sousa Martuchel.

Adão Martuchel é agricultor familiar. Na propriedade dele se produz mandioca, abacaxi, maracujá, feijão e milho. A piscicultura veio como mais uma opção de diversificação.  Segundo ele, isso é fundamental para o pequeno produtor. “Se você perder ou tiver algum problema com alguma cultura, você tem outra para substituí-la“, diz Martuchel.

O produtor ainda ressalta que a piscicultura ajudou a melhorar a alimentação de sua família. “Nós sempre temos peixe para comer, isso significa mais qualidade na nossa alimentação“, afirma.

ARTIGOS RELACIONADOS

Momesso leva inovação para a seleção eletrônica do café

A Momesso disponibiliza uma linha completa de selecionadoras eletrônicas fabricadas pela Cimbria, empresa dinamarquesa que ela representa no Brasil. “A Cimbria é uma das...

Pioneiros do negócio – Redivo foca exigências do mercado agrícola

Pela primeira vez a Redivo participou da Fenicafé. A empresa se sentiu atraída pelo evento em virtude dele ser voltado à alta tecnologia, e...

Os benefícios dos organominerais para os solos brasileiros

  Diego Henriques Santos Engenheiro Agrônomo da Companhia de Desenvolvimento Agrícola de São Paulo " CODASP/Regional Noroeste dihens@bol.com.br   Os fertilizantes organominerais são adubos orgânicos enriquecidos com nutrientes minerais....

Inteligência artificial ajuda a colher na hora certa

Projeto da startup Adroit Robotics com apoio da Fapesp utilizará a tecnologia Leafsense, já empregada na citricultura, para a detecção do estágio de maturação de frutos, produtividade e pragas utilizando sensores de altíssima resolução, visão computacional e inteligência artificial

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!