18.6 C
Uberlândia
quinta-feira, junho 13, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiProcura por orgânicos cresce com a pandemia

Procura por orgânicos cresce com a pandemia

Legumes – Crédito: Shutterstock

A procura por alimentos orgânicos, que já vinha aumentando, acelerou com a pandemia. O que se percebe são consumidores mais conscientes, preocupados em saber a origem dos alimentos que consomem e dispostos a comerem de forma mais saudável.

Para dar conta do aumento da demanda, a Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento está implementando o programa Paraná Orgânico. O objetivo é fomentar com mais intensidade a produção orgânica de alimentos em todo o Estado. “Com o aumento da demanda do consumo de alimentos orgânicos, estamos acelerando os trabalhos de apoio ao produtor”, afirmou o engenheiro agrônomo André Luis Alves Miguel, coordenador do projeto de Agroecologia do Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná – IDR.

A proposta do novo programa é incorporar mais 7 mil produtores à atividade orgânica, totalizando em torno de 10 mil produtores em todo o Estado. O IDR uniu a pesquisa agroecológica e a extensão rural para ajudar os produtores a fazerem a reconversão das propriedades, e ajudar a construir as bases para atender o mercado e a merenda escolar.

O programa prevê ações na assistência técnica, pesquisa, certificação, organização dos agricultores e da produção e aperfeiçoamento permanente de um cadastro. Também vai atuar junto com a iniciativa privada para agilizar o aumento da produção.

Liderança

[rml_read_more]

O Paraná é o líder nacional na produção de alimentos orgânicos, com quase 4 mil produtores certificados e em processo de certificação. No Ministério da Agricultura estão cadastrados 3.502 produtores paranaenses, que representa uma participação de 17,54% no número de produtores de orgânicos em todo o País. Ainda segundo o Ministério, são 3.363 unidades produtivas que trabalham com orgânicos no Paraná, presentes em 177 municípios.

Segundo André Luis Alves Miguel, muitos produtores já estavam acostumados a entregar a produção a domicílio, através de cestas ou sacolas de produtos. Por causa da pandemia, houve uma adaptação e essa modalidade de venda ultrapassou as expectativas. Outra percepção é que o consumo de orgânicos aumentou também nos supermercados, inclusive nas grandes redes varejistas.

Por isso, os produtores de orgânicos foram os menos afetados com o novo cenário de isolamento das pessoas. “Agora o Paraná está diante desse desafio de fomentar o aumento de produção. O interesse dos produtores está crescendo ainda mais”, disse. Eles querem ampliar a área de produção, mas esbarram na suspensão do processo de certificação por causa da pandemia. Segundo Miguel, esse processo requer a reunião de produtores e técnicos para avaliação dos processos e visitas às propriedades e por causa da aglomeração eles foram suspensos.

A produtora Nilza Izalberti, proprietária da chácara Flor e Ser, no bairro do Campo Comprido, em Curitiba, notou que aumentou em pelo menos 30% o número de novos clientes. Ela vende folhosas como alface, rúcula, couve, espinafre, cebolinha, salsinha, beterraba e outros produtos e atende uma média de 100 a 150 clientes por semana. Seus produtos podem ser encontrados no Instagran: Chácara Flor e Ser.

ARTIGOS RELACIONADOS

Biorreguladores – Mais durabilidade para a alface

Daniela Andrade Mestre em Fitotecnia/Produção Vegetal e analista em Planejamento e Gestão daniela.agronomia@outlook.com A alface é a folhosa de maior valor comercial cultivada no Brasil. A hortaliça...

Nutrição inteligente é economia de custos no cafeeiro

AutoresTayna Amaro de Carvalho taynacarvalho12@hotmail.com Luana Keslley Nascimento Casais luana.casais@gmail.com Denilze Santos Soares denilzesoares@gmail.com Graduandas em Agronomia - Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA)...

Quelatos orgânicos favorecem produtividade do feijoeiro

Os quelatos orgânicos são aliados essenciais para aumentar a produtividade do feijoeiro e garantir uma colheita de qualidade,

Green Has – Versatilidade em nutrição vegetal

A Green Has Brasil importa e comercializa fertilizantes produzidos pela sua matriz na Itália, em Canale d’Alba. As linhas de fertilizantes da Green Has Brasil têm registro para uso no solo, aplicação na folha, uso via irrigação ou em culturas hidropônicas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!