18.6 C
Uberlândia
terça-feira, maio 28, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioAnimaisBovinosProdução de leite pode entrar em colapso, alerta Tirso Meirelles

Produção de leite pode entrar em colapso, alerta Tirso Meirelles

O presidente do sistema FAESP/SENAR-SP cobrou a definição de cota de importação do produto, além da liberação dos recursos prometidos pelo governo federal há quatro meses

A Comissão discutiu as perspectivas da produção de leite Foto: Divulgação FAESP/SENAR-SP

A produção de leite paulista e nacional assa por momentos críticos e pequenos produtores começam a ter dificuldade para manterem-se na atividade. O alerta é do presidente do sistema FAESP/SENAR, Tirso Meirelles, que pontuou os principais problemas que estão afetando a bovinocultura leiteira, com preços baixos pago aos produtores e a concorrência de produtos importados. Ele frisou ainda que os recursos anunciados pelo governo federal há quatro meses, para socorrer cooperativas e pecuaristas, da ordem de R$ 1 bilhão, ainda não saíram do papel.

Meirelles já havia cobrado ação das autoridades durante a abertura da 4ª Alta Café – Feira de Negócios e Tecnologia da Alta Mogiana, em Franca. O Brasil, que hoje é o terceiro maior produtor de leite do mundo, não está olhando para o seu produtor. Hoje, reforçou, são cerca de 5,1 milhões de propriedades rurais e há registro da atividade leiteira em 99% dos municípios brasileiros, seja como principal atividade, complemento de renda ou subsistência.

“Estamos alertando as autoridades sobre o risco de colapso da produção de leite nacional, caso não seja definida uma cota para importação e o governo não agilize o socorro aos pecuaristas. Não estamos parados, mas é preciso que as autoridades tenham a consciência de que o produtor rural está chegando a um ponto crítico”, ressaltou Meirelles.

Durante a reunião da Comissão Técnica de Bovinocultura de Leite o produtor João Bosco Andrade Pereira, de Pindamonhangaba, no Vale do Paraíba, disse que alguns pecuaristas já abandonaram a produção. Os preços baixos e a falta de uma política que defenda a categoria estão levando ao desânimo e falta de perspectivas para o campo.

“Alguns pequenos produtores estão abandonando a produção, por não conseguir enxergar um futuro no campo. É urgente que o governo tome uma atitude, em resposta a todas as solicitações que estão sendo feitas pelos pecuaristas paulistas, por meio da FAESP”, concluiu Pereira.

REFORÇANDO OS PLEITOS

A FAESP também encaminhará dois oficios que visam o fortalecimento do setor, sendo um endereçado ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e outro à Secretaria de Agricultura e Abastecimento (SAA).

No primeiro, direcionado ao MAPA, solicitará a inclusão do segmento da pecuária leiteira no conjunto de medidas emergenciais já anunciadas pelo ministro, com publicação prevista para o final deste mês. Além disso, destacará a necessidade de desenvolver políticas públicas estruturantes para o setor, solicitando a inclusão de forma permanente o leite fluido nos programas de aquisição de alimentos das compras públicas do governo federal. Além do pedido de prorrogação dos prazos de pagamento das operações de custeio e investimento, bem como disponibilizar linhas de crédito para capital de giro e facilitar a renegociação de dívidas vencidas, abrangendo todos os produtores de leite.

Já no segundo, para a SAA, a Federação reforça os pedidos mencionados acima e adiciona a urgência na publicação do ato normativo que regulamentará o pagamento de um adicional de R$ 0,10 por litro de leite para os produtores que produzem até 300 litros por dia. Esse adicional representa um compromisso declarado pela Secretaria de Agricultura com o setor, cuja implementação é essencial para o equilíbrio econômico dos pequenos produtores.

LEIA TAMBÉM:

ARTIGOS RELACIONADOS

Leite: conheça curiosidades sobre o alimento mais consumido do mundo

Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), 589 milhões de toneladas do alimento são consumidas por ano.

Fazendas de cria: suplementação mineral

Corrigir as deficiências nutricionais, comuns no regime de pastagem, permite exprimir maior potencial produtivo aos animais

Como o manejo da ordenha impacta na mastite de vacas leiteiras?

O correto manejo no momento da ordenha - inclusive a manutenção da ordenhadeira - é intrínseco para reduzir os riscos de mastite em vacas leiteiras

Safra de grãos será 20% menor em Santa Catarina, estima FAESC

A escassez hídrica vivida no ano em Santa Catarina impactará drasticamente na safra de grãos 2020/2021 e na produção de leite no Estado. A avaliação é...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!