27.6 C
Uberlândia
segunda-feira, abril 22, 2024
- Publicidade -
InícioDestaquesProdutoras rurais premiadas transformam comunidades

Produtoras rurais premiadas transformam comunidades

Além de gerir fazendas sustentáveis, desenvolvem ações sociais para capacitar e impactar na educação de comunidades, especialistas e outras produtoras rurais

Juliana Rezende, Mariana Heitor e Luciane Rheinheimer são gestoras de propriedades rurais que têm em comum o troféu do Prêmio Mulheres do Agro (PMA), iniciativa da Bayer e Abag (Associação Brasileira do Agronegócio). Pela primeira vez, a premiação traz o tripé ESG como tema principal e é no pilar social — o “S” do ESG — em que as três agricultoras se destacam. Separadas por centenas de quilômetros, partilham um mesmo propósito e investem em ações sociais que impactam positivamente as comunidades no entorno de suas propriedades.

Créditos: Divulgação

Farmacêutica de formação, Juliana Rezende decidiu dedicar 100% do seu tempo para a cafeicultura em 2015. Desde então, à frente da Fazenda Santa Barbara, em Monte Carmelo (MG), Juliana coleciona prêmios e certificações importantes que afirmam a qualidade e o compromisso com os pilares ESG em cada etapa da produção. Em 2021, a cafeicultora foi 1º lugar na categoria “Pequena Propriedade” no Prêmio Mulheres do Agro. Para além da preocupação com a sustentabilidade e pesquisa, Juliana tem uma forte atuação com a comunidade ao seu redor, sendo responsável por diversos projetos sociais.

Um deles é o programa de visitas para estudantes de ensino infantil até superior. O propósito é apresentar cada passo do processo produtivo, que dentre muitas atividades, conta com um laboratório de qualidade para testes com café e um espaço para apicultura, com cerca de 50 famílias de abelhas, que contribuem com a floresta local e polinizam o café arábica.

Na Fazenda Santa Barbara também são ministrados cursos e treinamentos em apicultura, classificação e avaliação de café, manejo integrado de pragas e biológicos, a até construção de fossas sépticas e técnicas para a recuperação de nascentes. Ao todo, Juliana já recebeu mais de 200 estudantes, além de 750 visitantes, dentre especialistas da Argentina, Etiópia, Estados Unidos, Eslováquia, Noruega e Polônia que vieram conhecer práticas de sustentabilidade do agro brasileiro.

“A educação é um ponto-chave para garantir que o agronegócio continue evoluindo e se tornando cada vez mais sustentável. Abro as portas da fazenda para pesquisadores e professores de universidades, que estudam e colhem materiais, já que em volta da fazenda temos fauna e flora muito específicas, que monitoramos com câmeras”, diz a produtora. “Sei que tudo o que é absorvido aqui nessas visitas, desde as experiências no laboratório até os manejos feitos nas plantações, geram informações que resultam em um agro mais inclusivo e parceiro do meio ambiente. Ver isso acontecer de perto e impactar a minha comunidade é a maior recompensa.”

Enquanto isso, em Patos de Minas (MG) Mariana Heitor comanda a Fazenda Reserva Heitor, com uma área total de 216 hectares, sendo 140 dedicados para a produção de café. Ela é parte da terceira geração da família à frente da fazenda, que existe desde a década de 1970 e, em 2022, levou o 1º lugar no PMA para casa, na categoria “Média Propriedade”. Para além dos projetos de reflorestamento, que os pais dela começaram nos anos 90, a produtora traz a comunidade para perto, especialmente crianças do ensino fundamental que estudam na zona rural de Patos de Minas.

“Desde 2008, o Dia da Árvore passou a ser um evento na fazenda, reunindo cerca de 120 estudantes do ensino fundamental, que assistem palestras sobre saúde e meio ambiente, passeiam pela área de vegetação recuperada e visitam as áreas de nascentes. Ao fim do dia, é feito o plantio de mais de 150 mudas de árvores nativas”, conta Mariana. Após a visita, o projeto continua dentro da sala de aula com o apoio de professores, que trabalham os temas de preservação ambiental por meio da produção de textos, desenhos e outros trabalhos educacionais feitos pelos alunos.

O projeto recebe apoio regional de representantes do setor público e privado e, em 2022, colaborou para que a Fazenda Reserva Heitor recebesse o prêmio “Sou Rural Sustentável”, que reconhece produtores e produtoras rurais comprometidos com a sustentabilidade e os pilares ESG. “Aqui, unimos nossa experiência às novas tecnologias na produção de café, com foco no desenvolvimento de práticas sustentáveis que valorizem a ética, a comunidade e a preservação dos recursos naturais. Nosso trabalho com os mais jovens contribui para a formação de cidadãos com maior consciência ambiental”, finaliza Mariana.

Tecnologia e capacitação em Passo Fundo

Em Passo Fundo (RS), Luciane Rheinheimer está determinada a promover capacitação e encorajamento às produtoras da região e de outros estados. Agrônoma e vencedora do 2º lugar no Prêmio Mulheres do Agro em 2019 na categoria “Média Propriedade”, a produtora passou a integrar o projeto ELA RS (Encontro de Lideranças do Agronegócio), ao lado de outras duas líderes rurais, com o objetivo de inspirar mais protagonismo para mulheres na agropecuária.

O ELA RS existe desde 2019, quando foi realizado o primeiro encontro presencial do projeto. Desde então, mais de 500 mulheres já foram impactadas pelas ações da iniciativa, que promove palestras com lideranças e pesquisadores, webinars, visitas técnicas em empresas do setor, oficinas e treinamentos sobre diversos temas fundamentais para os negócios.

“Em 2022, dentro da iniciativa e com a ajuda de parcerias, tivemos a ação ‘ELA RS na Lavoura’, com o objetivo de levar produtoras a campo para aprendizados sobre diversas culturas. Visitamos institutos de pesquisa do Rio Grande do Sul, para que acompanhassem de perto alguns estudos que estão sendo feitos, já que a tecnologia é um dos principais pilares de crescimento nos dias de hoje”, afirma a produtora gaúcha. “Acredito que essa troca de experiências seja capaz de inspirar cada vez mais o público feminino, não apenas para participar do universo do agronegócio, mas para liderá-lo com maestria.”

ARTIGOS RELACIONADOS

A transformação sustentável

Fazer a transformação sustentável é o caminho para um Brasil mais consciente.

O papel da energia solar agrícola

O agro acordou para a realidade de instalar usinas solares, muito devido à economia de energia

Agro deve voltar a crescer nesta safra

Em evento anual para consultores técnicos do agro no Cerrado, ADAMA aborda desde desafios técnicos dos sistemas de produção de Soja, às novas tecnologias e oportunidades emergentes, além do avanço na sustentabilidade do setor.

Agrorrastreabilidade – O futuro já chegou

Único no País e com a tecnologia de Ponta vinda da Ferpall Tecnologia, a ideia é ser uma plataforma de integração de dados para outras empresas utilizando a tecnologia em blockchain para produtos nacionais e exportados pelo País.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!