25.6 C
Uberlândia
segunda-feira, julho 22, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiProdutores mineiros investem em sistema alternativo de morango

Produtores mineiros investem em sistema alternativo de morango

Produção de morango com 50% menos defensivos - Crédito Tiago Crispim
Produção de morango com 50% menos defensivos – Crédito Tiago Crispim

 

Modelo pode reduzir em até 50% o uso de defensivos e aumentar a produtividade em até 30%

 

Produtores de morango do Sul de Minas estão optando por um sistema alternativo para o cultivo de morangos, conhecido como semi-hidropônico ou “morangos suspensos“. A técnica de plantar morangos sem o contato direto com o solo traz benefícios, como a redução do uso de defensivos e uma incidência menor de doenças e pragas.

A maior parte dos produtores de morango utiliza o sistema tradicional, ou seja, o morango plantado no chão, em túneis baixos e desprotegidos. Essa técnica expõe mais a fruta ao ataque de pragas e doenças. “A maior parte das doenças do morango pode vir do contato com o solo“, explica DenySanábio, coordenador de Fruticultura da Emater-MG.

Já o sistema de morangos suspensos protege melhor a planta. Nessa técnica, o produtor consegue controlar melhor a temperatura e a umidade do ambiente, evitando doenças fitossanitárias.

A incidência de pragas e doenças é menor, pois a plantação está protegida e longe do solo. Com isso, utilizam-se menos defensivos na lavoura. “A redução pode ser de até 50%“, diz Sanábio.

 Outro ponto positivo é que o manejo da lavoura é feito em pé e não agachado, como no sistema tradicional. Segundo DenySanábio, o tempo de colheita também aumenta e possibilita ao produtor antecipar essa etapa e disponibilizar o seu produto com antecedência no mercado.

O coordenador lembra que a produtividade por área da lavoura com os morangos suspensos pode ser de até 30% a mais em relação ao modelo tradicional.

Entre um e outro

No método de cultivar morangos fora do solo, a lavoura fica dentro de uma estufa, que protege as plantas das ações climáticas. Nesse local são montadas diversas bancadas. Em cima delas é colocado o mulching, que é um plástico com furos apropriado para esse tipo de plantio. Um substrato composto é colocado dentro desse plástico.

É também no mulching que são instalados os sistemas de irrigação por gotejamento e de fertirrigação (nutrientes dissolvidos na água). Depois, é feito o plantio das mudas de acordo com as aberturas no plástico.

Por dentro

Altair Pereira, produtor do município de Bom Repouso, Sul de Minas, produz morangos no modelo semi-hidropônico. A lavoura de morangos suspensos possui 50 mil plantas e, por ano, 50 mil quilos.

Segundo Altair, o custo inicial de investimento para produzir morangos suspensos é cinco vezes maior do que na técnica convencional. Apesar disso, ele diz que é uma boa alternativa. “Economiza-se muito com mão de obra, cerca de 50%. Também gastamos menos com produtos. Para o controle de doenças e pragas, utilizamos apenas produtos orgânicos e biológicos. Além disso, os morangos são mais uniformes e resistentes“, diz Altair Pereira.

Essa matéria você encontra na edição de julho da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira a sua.

ARTIGOS RELACIONADOS

Ciclo de Desenvolvimento Agrícola aborda tratamento biológico de solo

  Ação visita 12 regiões brasileiras para apresentar a importância do controle de patógenos com ferramentas naturais   Considerados grandes desafios para a agricultura nacional, os...

Nutrien anuncia acordo para compra da Agrosema Comercial Agrícola

A Nutrien anuncia hoje a compra da Agrosema Comercial Agrícola Ltda. Com mais de 30 anos de experiência, a empresa é um importante varejista no mercado de insumos agrícolas na região Sudeste do Brasil, tendo vendas anuais na ordem de 250 milhões de reais, com 12 lojas e aproximadamente 200 funcionários.

Aminoácidos reduzem estresse do pessegueiro

Fernando Simoni Bacilieri Engenheiro agrônomo e doutorando em Fitotecnia - ICIAG-UFU ferbacilieri@zipmail.com.br Roberta Camargos de Oliveira Engenheira agrônoma e doutora em Fitotecnia robertacamargoss@gmail.com José Geraldo Mageste Engenheiro florestal e professor -...

Percevejos são ameaça constante para o sojicultor

  Silvestre Bellettini Engenheiro agrônomo e doutor " UENP " Campus Luiz Meneghel Nas diferentes etapas do ciclo da planta, verifica-se a ocorrência de pragas que atacam...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!