26.6 C
Uberlândia
domingo, maio 19, 2024
- Publicidade -
InícioMercadoQuando dobraremos o PIB do agronegócio brasileiro?

Quando dobraremos o PIB do agronegócio brasileiro?

Por Décio Luiz Gazzoni, Engenheiro Agrônomo, pesquisador da Embrapa Soja, membro do Conselho Científico Agro Sustentável e da Academia Brasileira de Ciência Agronômica

Para o ano de 2023, estima-se o valor do PIB do agronegócio superando R$2,62 trilhão, equivalendo um quarto do PIB do Brasil. Trata-se da soma, em valores monetários, de todos os produtos e serviços gerados pela agricultura brasileira. O PIB do agronegócio é medido pela ótica do Valor Adicionado total do setor na economia e avaliado a preços de mercado, considerando os impostos indiretos menos os subsídios. Além disso, é dividido em quatro segmentos: insumos, primários (agropecuária), agroindústria (de bases agrícola e pecuária) e agrosserviços.

                O Brasil dispõe de um apreciável mercado consumidor doméstico e é um dos grandes protagonistas do mercado internacional de produtos agrícolas, exportando para mais de 200 países. Dos 10 principais produtos exportados pelo Brasil 8 são agropecuários, com valor superior a US$ 120 bilhões. É essa exportação que permite que alimentos brasileiros cheguem às mesas de mais de 800 milhões de cidadãos do mundo.

Depende de nós

Para elaborar um modelo matemático que permitisse vislumbrar a evolução do PIB do agronegócio, nas próximas décadas, elencamos alguns requisitos. Em dois deles pouco podemos interferir: 1) Demanda firme; 2) Bons preços e câmbio favorável. A demanda é função de fatores demográficos e econômicos em escala global, mormente do crescimento da população mundial e do incremento da renda per capita. Preço é função direta da relação oferta/demanda e do custo de produção, sendo o câmbio influenciado por uma série de eventos, prioritariamente, porém não exclusivamente, de domínio econômico.

Porém, em outros 10 quesitos, o Brasil pode operar para que lhe sejam favoráveis: 1) Oferta sólida; 2) Produzir competitivamente; 3) Atender exigências dos clientes; 4) Utilizar a tecnologia mais adequada; 5) Produzir de forma sustentável; 6) Agregar valor; 7) Eliminar o custo Brasil; 8) Diversificar produtos e mercados; 9) Executar uma diplomacia comercial agressiva; e 10) Investir fortemente em marketing e comunicação.

Estes quesitos são relativamente óbvios e autoexplicativos. Sem uma demanda firme e uma tendência clara de longo prazo, os sinais que chegam às cadeias produtivas são tênues. E o mercado precisa entender o sinal que vem do lado da oferta, demonstrando que pode produzir o adicional requerido, de forma competitiva e sustentável. O que muda nos anos vindouros é a exigência dos consumidores por sustentabilidade, no que tange à segurança e inocuidade dos alimentos. Uma derivada é a exigência de sustentabilidade ambiental e social, pois pertencem a um mesmo conjunto reivindicatório, em especial baixas emissões de gases de efeito estufa e atendimento de cláusulas sociais. Estas exigências passarão a compor as certificações privadas dos importadores e estarão na agenda das legislações nacionais e das negociações internacionais.

Aumentado a oferta

O Brasil representa, no momento, um caso único de capacidade de aumentar a oferta de produtos agrícolas: pode expandir a área ou incrementar a produtividade, com baixo impacto ambiental. Entrementes, é sempre necessário estar atento para as quebras de paradigma tecnológico, que podem eliminar determinadas vantagens comparativas. Por exemplo, há cerca de cinco anos empresas estão produzindo frutas e hortaliças em ambiente protegido, nos desertos do Oriente Médio e da Austrália, com preços competitivos, deslocando fornecedores tradicionais.

                Por ordem de prioridade, o Brasil deveria aumentar sua oferta investindo em: 1) Incremento da produtividade de forma sustentável e com ganhos de rentabilidade, seguindo rigorosamente as recomendações técnicas e valendo-se de tecnologias que permitem ganhos de produtividade e que ainda são pouco exploradas, como irrigação ou polinização; 2) Intensificação do uso do solo, que pode ser obtido pela sequência de colheitas em um mesmo ciclo agrícola (safra, safrinhas) e, em particular, com sistemas ILPF, integrando lavouras, pecuária e florestas; 3) Se necessário expandir a área, observar a sequência: a) recuperação de áreas degradas; b) ocupação agrícola de áreas liberadas de pastagens; c) abertura de novas áreas.

Lembrando sempre da máxima milenar: “À mulher de César não basta ser honesta, precisa parecer honesta”. Tão importante quanto utilizar sistemas de produção sustentáveis, importa a percepção do resto do mundo de que eles são sustentáveis. Cada árvore derrubada necessita de uma explicação e uma justificativa, portanto deve sempre ser a última opção, do ponto de vista de mantermos uma imagem de sustentabilidade perante o mundo.

Quando dobramos?

                Traçamos quatro cenários, lastreados em uma série de premissas, e considerando a evolução do mercado doméstico e internacional. O primeiro cenário é manutenção do status quo atual, continuando a proceder como no passado recente. Os cenários pessimista, provável e otimista indicam diferentes graus de apropriação e transformação de vantagens comparativas em competitivas e de eliminação dos gargalos que impedem a expressão do potencial do agronegócio brasileiro (custo Brasil). Todos os pontos citados anteriormente são fundamentais, alguns deles cruciais, como a sustentabilidade, a ampliação do portfólio de exportação (frutas, hortaliças, madeira), a agregação de valor, a diplomacia comercial e um marketing agressivo.

                Mantendo-se o ritmo de atividade atual, projetamos que será possível dobrar o PIB do agronegócio em 2044. No cenário pessimista, fazendo um pouco de esforço, podemos duplica-lo em 2039. Mas em um cenário provável, em que o Brasil dinamize suas cadeias produtivas, resolva parte de seus gargalos e potencialize parcela ponderável das suas vantagens comparativas, poderá duplicar pela primeira vez em 2037 e duplicar novamente em 2048. Mas, se nos esforçarmos e fizermos o dever de casa, podemos dobrar o PIB em 2034 e duplica-lo novamente em 2043.

                Não vislumbramos outro segmento da economia brasileira que possa ser o grande protagonista nas próximas décadas, além do agronegócio. E está em nossas mãos alavancar o desenvolvimento nacional, lastreado na impulsão do agronegócio. Eis aí um objetivo nacional permanente.

                Finalmente, as projeções acima somente podem ser atingidas com a geração e adoção de tecnologia no estado da arte. O que pressupõe investimentos elevados e continuados nas instituições de pesquisa, para dispormos sempre de tecnologia de ponta e sustentável, a baixos custos, que garanta nossa competitividade.

ARTIGOS RELACIONADOS

Mercado de biológicos

A agricultura moderna está embasada nos pilares da sustentabilidade ...

Consumo de orgânicos cresce mais de 50% no Brasil

Cada vez mais, a inserção de alimentos saudáveis na alimentação diária acontece, principalmente, pela preocupação com a saúde. Os orgânicos, cultivados de maneira sustentável na agricultura orgânica...

Formulação aumenta tempo de prateleira de biológicos

O registro de produtos de base biológica disparou na última década no Brasil.

Produção dos Cafés do Brasil ocupa 1,82 milhão

A produção dos Cafés do Brasil, inicialmente estimada para a safra de 2022, foi calculada ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!