24.6 C
Uberlândia
domingo, maio 26, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosReceituário agronômico

Receituário agronômico

É uma ferramenta para o aumento da produtividade e da sustentabilidade na agricultura.

Lidia Cristina J. dos Santos

Por Lidia Cristina J. dos Santos, advogada e membro do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS)

A agricultura brasileira é uma das mais competitivas e diversificadas do mundo, produzindo alimentos, fibras, energia e biocombustíveis para o mercado interno e externo. Para alcançar esse desempenho, os produtores rurais utilizam diferentes tecnologias, entre elas os defensivos agrícolas, que são substâncias químicas ou biológicas usadas para controlar pragas, doenças e plantas daninhas que afetam as culturas e, também, que estimulam o crescimento das plantas.

O uso dos agrotóxicos contribui para o aumento da produtividade e da qualidade dos produtos agrícolas, reduzindo as perdas causadas pelos agentes fitossanitários. Segundo dados da Conab[1], a produção brasileira de grãos na safra 2021/22 foi estimada em 271,2 milhões de toneladas, portanto quase 14,5 milhões de toneladas a mais do que o ciclo anterior. Além disso, o Brasil é o quarto maior produtor de grãos (arroz, cevada, soja, milho e trigo) do mundo, sendo responsável por 7,8% da produção mundial. O Brasil também lidera a produção e a exportação de soja, café e açúcar.

E qual é o papel do receituário agronômico nesse contexto?

O receituário agronômico é um documento emitido por um profissional legalmente habilitado, que contém as informações sobre a cultura a ser tratada, o diagnóstico fitossanitário, a recomendação dos produtos a serem utilizados, as doses, os intervalos de aplicação e de entrada na lavoura, os equipamentos adequados, as medidas de segurança e os cuidados com o meio ambiente. Esse documento se tornou obrigatório para a venda dos defensivos agrícolas no Brasil desde 1989, quando foi sancionada a Lei Federal nº 7.802, que regulamenta o uso desses produtos no país. Antes disso, apenas no Estado do Rio Grande do Sul se ensaiavam medidas para implementação dessa recomendação.

É certo que o objetivo da lei foi garantir que os defensivos agrícolas fossem utilizados de forma racional e segura, seguindo as recomendações técnicas e as normas legais vigentes. Por isso, a legislação brasileira exige que a venda desses produtos somente seja feita mediante a apresentação de um receituário agronômico.

Contudo, o receituário agronômico não é apenas uma exigência legal, mas também uma ferramenta para o uso racional e sustentável dessa tecnologia. Ele orienta o produtor sobre a escolha do produto mais adequado para cada situação, aumentando a produtividade e evitando o desenvolvimento de resistência dos organismos-alvo. Além disso, ele contribui para a rastreabilidade dos defensivos agrícolas utilizados na cadeia produtiva, facilitando o monitoramento e a fiscalização pelos órgãos competentes.

Diante desse cenário, é fundamental valorizar a importância do receituário agronômico e do profissional habilitado responsável pela sua prescrição. O receituário não deve ser apenas um instrumento exigido para a venda de produtos fitossanitários de controle, mas sim um instrumento efetivo de recomendação técnica.

Nesse sentido, foi louvável a iniciativa do Ministério da Agricultura e Pecuária (MAPA), em publicar em 2018, a Instrução Normativa SDA nº 40, que estabelece regras complementares a emissão da receita agronômica, principalmente no que se refere à associação de produtos com a indicação de possíveis incompatibilidades. Afora isso, reforçou a competência e a responsabilidade do Engenheiro Agrônomo na interpretação das recomendações oficiais, visando a elaboração da receita agronômica em consonância com as boas práticas agrícolas e com as informações científicas disponíveis.

Além disso, é importante ressaltar que os órgãos de fiscalização de alguns Estados, como São Paulo (Resolução SAA 47/2023) e Goiás (Instrução Normativa nº 03/2019), com o objetivo de reforçar a importância do receituário na aplicação dos produtos, passaram a exigir, em algumas situações, a emissão da “receita de uso”, que permite uma avaliação mais precisa no momento da aplicação do produto.

O receituário agronômico é um instrumento fundamental para o aumento da produtividade e da sustentabilidade na agricultura brasileira e para que ele cumpra esse papel é preciso que toda a cadeia o valorize. Somente assim será possível garantir a manutenção da nossa produção de alimentos saudáveis e seguros e a competitividade da agricultura brasileira.

ARTIGOS RELACIONADOS

Nanotecnologia é uma grandeza por trás das partículas

No universo das nanopartículas, quanto menor, mais importância há. É o que mostra a nanotecnologia, que carrega consigo possibilidades quase infinitas para a agricultura,...

Green Has investe na sustentabilidade do ambiente agrícola

Franco Borsari Diretor executivo Green Has A Green Hasestá particularmente satisfeita em anunciar que na conferência "Sustentabilidade do ambiente agrícola: contribuições da genética e fisiologia das...

Bayer apresenta ao mercado de frutas novo aliado no combate a plantas daninhas

  O Brasil ocupa a terceira colocação no ranking da produção mundial de frutas e é responsável por 4,8% do volume global colhido, com uma...

Nova tecnologia é a única solução aprovada pelo IBD para agricultura orgânica

  A Momentive acaba de lançar mais uma solução inovadora no mercado agrícola brasileiro: o Silwet* ECO, primeiro e único adjuvante aprovado pelo IBD, órgão...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!