Redução de perdas de nutrientes

0
231

Autores

Ana Cláudia da Silva Mendonçaanac_mendonca@hotmail.com

Lucas Pereira da Silva / Bruna Cristina de AndradeEngenheiros agrônomos e mestrandos em Agronomia – Universidade Estadual de Maringá (UEM)

Milho – Fotos: Shutterstock

A tecnologia aumenta a eficiência da absorção de nutrientes, portanto, reduz quantidade de adubo e aumenta produtividade

As plantas necessitam da disponibilidade de nutrientes ao longo de todo o seu ciclo. Em cada fase existe um combinado de nutrientes que são requisitados. No geral, as fases reprodutivas são as que mais exigem adubação.

Muitas vezes o produtor rural não atento a essa necessidade faz uma adubação única no início da cultura, gerando assim perdas em produtividade e insumos. Um exemplo disso é o nitrogênio.

As plantas absorvem menos de 50% do nitrogênio que é fornecido por meio da adubação mineral – o parcelamento ameniza as perdas, favorecendo a produção pelo aumento do aproveitamento pelas plantas, mas aumenta os custos com tratos culturais para o produtor rural. Pensando em diminuição de custos e aumento da eficiência de adubação, foram desenvolvidos os fertilizantes inteligentes.

Quem são eles

Os fertilizantes inteligentes são uma tecnologia que tem por objetivo aumentar a eficiência do adubo adicionado ao solo, principalmente dos nitrogenados, que quando aplicados em apenas uma dose resultam em grande concentração deste elemento nos primeiros estágios de crescimento e pouca quantidade em fases posteriores, diminuindo a produtividade da cultura.

A tecnologia consiste na liberação lenta ou controlada do adubo. Sendo assim, temos os fertilizantes de liberação controlada (FLC), que possuem padrão e duração da liberação conhecidos; e os fertilizante de liberação lenta (FLL), em que o padrão de liberação é dependente do solo e das condições climáticas, não podendo ser previsto no tempo.

Redução de perdas de nutrientes

Os nutrientes são perdidos por lixiviação, escorrimento superficial e por volatilização. Segundo a International Fertilizer Industry Association, as proporções médias de nutrientes dos fertilizantes absorvidas pelas culturas estão entre 50 e 70% de nitrogênio, 15 e 30% de fósforo e 50 e 70% de potássio.

Sendo assim, em todos os nutrientes muito é perdido. Estudos realizados em campo e laboratório com fertilizante nitrogenado demonstram que o fertilizante inteligente volatiliza menos, comparado à ureia convencional, que costuma volatilizar cerca da metade da quantidade aplicada.

Outra forma de redução das perdas é a disponibilização mais eficiente do nutriente. Agronomicamente falando, a melhor forma de se disponibilizar nutrientes é seguindo uma curva sigmoidal, pois ela atende as épocas de maiores demandas das principais culturas, e reduz perdas por lixiviação e volatilização.

Para que isso ocorra, os fertilizantes de liberação lenta buscam a liberação gradual dos nutrientes por vários meios, como o uso de materiais de baixa solubilidade com estruturas complexas biodecompostas, que agem como barreira física, ou seja, revestimento por materiais inorgânicos; com baixa área de contato, diminuindo a velocidade das reações, como super grânulos e organominerais.

Os nutrientes são perdidos por lixiviação

Nitrogênio – As plantas absorvem de 50 a 70%

Fósforo – As plantas absorvem de 15 a 30%

Potássio – As plantas absorvem de 50 a 70%

Para ler o restante deste artigo você tem que estar logado. Se você já tem uma conta, digite seu nome de usuário e senha. Se ainda não tem uma conta, cadastre-se e aguarde a liberação do seu acesso.