Repolho

0
128

Carlos Antônio dos SantosEngenheiro agrônomo, doutor em Fitotecnia/Produção Vegetal e pesquisador – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ)carlosantoniods@ufrrj.br

Nelson Moura Brasil do Amaral SobrinhoEngenheiro agrônomo, doutor em Solos e Nutrição de Plantas e professor – UFRRJnelmoura@ufrrj.br

Margarida Goréte Ferreira do CarmoEngenheira agrônoma, doutora em Fitopatologia e professora -UFRRJgorete@ufrrj.br

Repolho – Fotos: Shutterstock

O repolho (Brassica oleracea var. capitata) é uma hortaliça exigente em fertilidade do solo e que apresenta como característica uma alta produção de biomassa em curto período de tempo. Na produção de repolho, é recomendado o cultivo em solos com pH entre 6,0 a 6,8; com saturação por bases (V%) entre 70 a 80% e teores de cálcio (Ca) e magnésio (Mg) superiores a 3,0 cmolc dm-3.

O repolho, assim como as demais espécies de brássicas, é pouco tolerante ao alumínio tóxico no solo (Al3+), o que pode comprometer o seu desenvolvimento radicular e a absorção de água e nutrientes.

Benefícios da boa correção de solo

A maior parte das áreas de produção de brássicas no Brasil apresenta condições de solos ácidos e com elevados teores de Al3+, o que é desfavorável ao cultivo de brássicas. Com isso, o produtor necessitará manejar adequadamente a fertilidade do solo visando alcançar elevado potencial produtivo da cultura.

A calagem do solo é uma prática essencial em grande parte das áreas agrícolas brasileiras. Este processo consiste na aplicação de calcário (carbonato de cálcio e/ou magnésio) ou de outros materiais, como óxidos, hidróxidos e silicatos de cálcio e/ou magnésio, com o objetivo de elevar o pH do solo, fornecer cálcio e magnésio e neutralizar o Al3+ tóxico.  Esta prática apresenta, ainda, vantagens como a melhoria das condições químicas do solo, aumento na disponibilidade de nutrientes, como fósforo e potássio, e aumento da atividade microbiana no solo.

Como consequência, as plantas apresentam maior crescimento do sistema radicular, aumenta a eficiência na absorção de água de nutrientes, o que traz reflexos no acúmulo de biomassa e produtividade.

A gessagem do solo é uma prática complementar à calagem e consiste na aplicação de gesso agrícola (sulfato de cálcio). O gesso agrícola não influencia na correção da acidez do solo, porém, fornece cálcio e enxofre às plantas, inclusive em profundidade. Estes são dois nutrientes muito importantes na produção de repolho e demais espécies de brássicas.

A aplicação de gesso favorece o aprofundamento do sistema radicular e também melhora a eficiência na absorção de água e de nutrientes pelas plantas.

Como implantar a técnica

A realização de calagem e gessagem do solo depende de uma outra importante prática, que é a realização de análise prévia da fertilidade do solo. Com antecedência, o produtor deverá coletar amostras de solo da área nas profundidades de 0-20 cm e de 20-40 cm.

A dose de corretivo a ser aplicada é definida com base nas condições do solo verificadas na análise de fertilidade e visando o alcance do pH ótimo para a cultura do repolho (próximo a 6,5), a elevação dos teores de Ca e de Mg (> 3,0 cmolc dm-3), elevação da saturação por bases (V% = 70 a 80%) e neutralização do Al3+ tóxico (< 0,3 cmolc dm-3).

A escolha dos corretivos deve ser feita com base nos custos de aquisição, valor do frete, e características como a sua composição química, granulometria e reatividade, expressa pelo Poder Relativo de Neutralização Total (PRNT). Em condições de manejo intensivo de solo, como as áreas de produção de brássicas, o ideal é a opção por corretivos que sejam mais reativos no solo.

Dose certa

As doses de gesso agrícola a serem aplicadas também devem ser calculadas com base nas características do solo, como a textura, saturação por bases (V%) e capacidade de troca catiônica (CTC). 

A dose de gesso agrícola é, normalmente, calculada tendo como base a dose de calcário. É possível substituir até um terço da quantidade recomendada de calcário por gesso agrícola. A aplicação de calcário e de gesso pode ser feita simultaneamente, sem que haja prejuízos na correção da acidez do solo.

Para ler o restante deste artigo você tem que estar logado. Se você já tem uma conta, digite seu nome de usuário e senha. Se ainda não tem uma conta, cadastre-se e aguarde a liberação do seu acesso.