25.6 C
Uberlândia
terça-feira, junho 18, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiResultados da adubação potássica + extrato de algas em rúcula

Resultados da adubação potássica + extrato de algas em rúcula

Nilva Teresinha Teixeira

Engenheira agrônoma, doutora em Solos e Nutrição de Plantas e professora do Curso de Engenharia Agronômica do Centro Regional Universitário de Espírito Santo do Pinhal (UNIPINHAL)

nilvatteixeira@yahoo.com.br

Crédito Luize Hess
Crédito Luize Hess

Entre as hortaliças de folhas a alface é a mais consumida no nosso país. Entretanto, a rúcula é uma folhosa que vem conquistando o mercado brasileiro. Trata-se de planta herbácea de rápido crescimento e de sabor peculiar, com popularidade crescente.

O potássio

Entre os nutrientes utilizados pela rúcula, são retiradas expressivas quantidades de potássio do solo, que é o elemento mais extraído por ela. Sabe-se que o potássio é absorvido pelas plantas na forma catiônica e se mobiliza rapidamente. Quando ocorre deficiência, os sintomas ocorrem nas folhas mais velhas.

O potássio exerce inúmeras funções nos vegetais, destacando-se:

Ãœ É ativador de inúmeras enzimas ” com destaque para as que trabalham na cadeia respiratória;

Ãœ Participa no aproveitamento da água pelas plantas;

Ãœ Participa do processo fotossintético e da abertura dos estômatos;

Ãœ Beneficia a resistência das plantas às pragas, doenças, falta de água, geadas e ao acamamento;

Ãœ Participa no transporte de açúcares nas plantas;

Ãœ Atua no aproveitamento do nitrogênio e fósforo pelas plantas.

Pesquisas

Em Espírito Santo do Pinhal (SP), no UniPinhal, em trabalho conduzido na solução nutritiva observou-se que a falta de potássio em rúcula caracteriza-se inicialmente por amarelecimento nas pontas e margens das folhas mais velhas, com evolução para necrose.Com o tempo os sintomas se estendem pra as partes mais novas das plantas.

Observações da literatura mostram que a folhosa é responsiva ao potássio. Há referências de que a produção de rúcula é favorecida por adubações com 40 a 120 kg ha-1 de K2O e cobertura 30 a 50 kg ha-1 de K2O, parcelando em duas a três aplicações durante o ciclo.

As algas

As algas marinhas são organismos vegetais, unicelulares ou pluricelulares, que fazem fotossíntese. Os extratos de algas contêm altas proporções de sais minerais, dentre eles macro e micronutrientes de plantas. São fontes de vitaminas, glicoproteínas, como o alginato, de aminoácidos, que podem funcionar como bioestimulantes vegetais, e, ainda, de estimulantes naturais, como: auxinas (hormônios do crescimento que governam a divisão celular), giberelina e citocinina.

Assim, a inclusão de algas marinhas nos plantios promove o estímulo da divisão celular, o que favorece a formação das raízes. Ainda tem que ser lembrado que os compostos presentes nos extratos de algas estimulam a formação da clorofila e, por consequência, a própria fotossíntese, que é a fonte de toda a estrutura da planta.

A partir dos açúcares formados na fotossíntese se originam todos os demais componentes das plantas (proteínas, óleos, etc.). Também, substâncias presentes nas algas marinhas beneficiam o Ciclo de Krebs, que é o centro do metabolismo vegetal.

Resultados das algas + potássio na rúcula

A associação de algas marinhas com nutrientes minerais, como o potássio, pode melhorar a absorção dos mesmos e seu aproveitamento dentro das plantas. No curso de Engenharia Agronômica do UniPinhal, a equipe de estagiários de Nutrição de Plantas estudou a influência da adubação foliar com potássio associada a extratos de algas (Ascophylumnodosum) na produtividade da rúcula cultivada em canteiros sob estufa.

O ensaio foi instalado em delineamento estatístico em blocos casualisados, com 10 repetições. Cada parcela constou de seis plantas, sendo duas avaliadas Os tratamentos foram três: controle, adubação com 0,2% de cloreto de potássio (60% de K2O) e 0,2% de formulado potássio e algas (5,30% de K2O solúvel em água e 6% de carbono orgânico total.

Os fertilizantes foram aplicados em pulverização semanal. Anotou-se, por ocasião da colheita, a massa fresca da parte aérea e o número de folhas.

A figura 1 mostra que o uso do potássio, nas condições experimentais, aumentou a produção. Porém, ao se comparar as duas fontes empregadas, pode-se observar que a inclusão das algas foi significativamente superior, promovendo acréscimo de massa ao redor de 20%.

Gráfico 1

Figura 1 ” Massa fresca de parte aérea (g planta-1) e número de folhas planta-1. Médias de 10 repetições. Médias seguidas das mesmas letras, dentro do mesmo item avaliado, são iguais por Tukey a 5%.

Essa matéria você encontra na edição de dezembro 2016  da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira já a sua.

ARTIGOS RELACIONADOS

Palini & Alves consolida sua liderança em inovações no processamento de café

O ano de 2016 foi marcado na cafeicultura brasileira pelos grandes desafios de mercado impostos aos cafeicultores de arábica e conilon. Apesar dos preços...

Deficiência de fósforo limita produção florestal

  Gustavo Alves Santos Engenheiro agrônomo e doutorando em Agronomia/solos na UFU Lísias Coelho Engenheiro florestal, Ph.D. e professor da UFU lisias@iciag.ufu.br   Resumidamente, a importância do fósforo (P) para as...

O que esperar dos novos híbridos de milho para a safra 2017/18

Odair José Marques Engenheiro agrônomo e professor de Fitotecnia da Universidade Federal de Uberlândia - Campus Monte Carmelo ojmarques@ufu.br Ainda não há um número preciso de quantos...

Elemento Cobre auxilia na proteção da soja contra doenças

    Alternativa biológica atua nos mecanismos naturais de resistência da planta A principal commodity agrícola do Brasil é afetada por aproximadamente 40 doenças, conforme dados da...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!