22.6 C
Uberlândia
quinta-feira, abril 18, 2024
- Publicidade -
InícioDestaquesRetomada da taxa do agro pode levar à judicialização da cobrança

Retomada da taxa do agro pode levar à judicialização da cobrança

Decisão do STF deixa produtor entre o dilema de pagar a contribuição e aguardar o julgamento final da questão ou ingressar com ação judicial em busca de ressarcimento

Com a determinação do Supremo Tribunal Federal (STF) de não referendar a decisão cautelar do Ministro Dias Toffoli, que proibiu de forma liminar a cobrança do FUNDEINFRA, a polêmica “taxa do agro” foi retomada no Estado de Goiás até o julgamento definitivo do caso. Para o advogado especialista em tributação no agronegócio, Leonardo Amaral, a postura do STF é problemática por inúmeras razões. “Com a justificativa de retomada da cobrança em prol das contas públicas do Estado, mesmo diante de dúvidas sobre a constitucionalidade da contribuição, o produtor rural se vê diante de um impasse: pagar a contribuição e aguardar o julgamento final da questão, que pode levar vários anos, ou ingressar com ação judicial e depositar os valores em juízo durante todo o trâmite processual vislumbrando um ressarcimento total”, explica.

Leonardo Amaral, advogado tributário especialista em agronegócio.
Créditos: Divulgação

O especialista afirma que, em uma situação como esta, os produtores rurais são simplesmente utilizados como ferramentas para sustentar o aparato do governo, sendo forçados a escolher entre duas opções dispendiosas. “Ao optar pelo pagamento, e diante da possível demora no julgamento pelo STF, o produtor pode se deparar com dificuldades em obter o ressarcimento integral dos valores cobrados de forma indevida, seja pela prescrição ou pela modulação dos efeitos, se a inconstitucionalidade for reconhecida”, analisa. Esse cenário pode estimular o contribuinte a contestar judicialmente a cobrança. “Nesse caso, ele deposita os valores em questão ao longo do processo, garantindo o direito ao reembolso total se o STF decidir pela inconstitucionalidade da cobrança”, complementa. 

Todo esse processo tem instaurado uma sensação de instabilidade legal, levando o produtor rural a optar pela judicialização, aponta Leonardo. “Ao terem seus direitos desrespeitados pelo próprio STF, a confiança no sistema judiciário e na obediência das garantias constitucionais é quebrada”, garante. O especialista reforça que a busca por um equilíbrio fiscal é crucial, mas não deve ser alcançada às custas da violação dos princípios constitucionais e da erosão da segurança jurídica no país. “Desse modo, é fundamental que o STF retome sua função primordial e priorize a defesa dos direitos dos contribuintes, garantindo a aplicação justa e equitativa das leis tributárias”, arremata.

ARTIGOS RELACIONADOS

Adubação de enxofre no milho

Quando aplicar o enxofre no milho? Quais os resultados dessa aplicação? Descubra no artigo da Campo & Negócios.

Sistema de cultivo mínimo

As práticas silviculturais no Brasil foram estabelecidas inicialmente, no final da década de 1970 ..

Cupins causam sérios prejuízos às lavouras de eucalipto

Bianca Vique Fernandes M.Sc. Ciência Florestal e pesquisadora em Proteção Florestal da Vallourec Florestal bianca.vique@vallourec.com A crescente demanda por produtos de origem florestal, como carvão e...

2º Simpósio Nacional da Agricultura Digital

17 e 18 de julho, em Piracicaba (SP).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!