Segurança Eletrônica no enfrentamento de tragédias ambientais

0
12
Divulgação

Nos últimos meses, municípios brasileiros enfrentaram a pior face das chuvas: as enchentes e os deslizamentos de terra. Ao passo que o cuidado com as famílias atingidas é uma tarefa essencial e imediata, também é preciso que a administração pública se atente para evitar que as tragédias se repitam ano a ano. Nesse sentido, as soluções da segurança eletrônica indicam uma nova e necessária abordagem para este problema social e ambiental: a tecnologia.

É certo que o monitoramento de áreas sensíveis não é algo novo, mas, talvez, nunca tenha ocorrido um momento tão propício para este investimento. Primeiro pela disponibilidade de infraestrutura tecnológica, como a chegada do 5G, que será responsável por reduzir a latência e possibilitar uma conexão segura, estável e adequada às demandas de novas aplicações como Internet das Coisas (IoT), que conecta os mais diversos dispositivos à rede, e aprendizagem de máquina em tempo real. Segundo, pela própria evolução e popularização tecnológica.

Por exemplo, é comum a presença de câmeras de segurança pelas ruas. Por que não as transformar em ferramentas de análise inteligente de vídeo capazes de identificar situações de risco? Isso é possível. Outra evolução necessária é a integração, tanto entre as diversas secretarias para estruturar políticas públicas e estratégias de proteção, quanto com os cidadãos, seja enviando alertas em tempo real nos smartphones sobre o risco de enchentes e deslizamentos ou recados sobre a situação do transporte público.

O fato é que o desafio é desenvolver um ecossistema de cidades inteligentes ativo, com participação dos munícipes e órgãos públicos. Para isso, é necessário o engajamento dos atores do poder federal, estadual, municipal, organizações da sociedade civil, educacionais e também empresas. Neste caminho, iniciativas como o laboratório de inovação da Abese, para uso de seus associados, em parceria com o InovaUSP, que apresentará as últimas tendências tecnológicas para a segurança e bem-estar público, são fundamentais para construir pontes entre fabricantes de hardware e software abertos e municípios interessados em replicar estas soluções em larga escala.

Outras iniciativas com foco na inovação à serviço do bem-estar social e, sobretudo, da proteção à vida já despontam pelo Brasil e devem ser celebradas. Durante a pandemia, as soluções de segurança eletrônica se mostraram valiosas para responder às demandas que surpreenderam a todos naquele momento. O que está em jogo é que com a tecnologia podemos pensar em novas respostas para problemas antigos ou inéditos, basta incentivo, ação e trabalho coletivo.