27.6 C
Uberlândia
sábado, maio 25, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioDestaquesSequestro de carbono em áreas de mata é contemplado em PL

Sequestro de carbono em áreas de mata é contemplado em PL

Tramita no Senado Federal o Projeto de Lei aprovado pela Câmara dos Deputados que regulamenta o mercado de carbono no Brasil (PL 2148/15), unindo projetos discutidos na Câmara a uma proposta já aprovada pelo Senado (PL 412/22). O texto cria o Sistema Brasileiro de Comércio de Emissões de Gases de Efeito Estufa (SBCE). 

O projeto tem como objetivo criar um limite de emissões de gases de efeito estufa para empresas, sendo que as que mais poluem deverão compensar suas emissões com a compra de títulos e as que não atingiram o limite, poderão vender o excedente vender no mercado.

Segundo João Berdu, idealizador da startup Jiantan, que atua no ramo da remuneração por sequestro de carbono, a produção primária do agronegócio ficou de fora da proposta de regulação do mercado, ou seja, produtores de soja não terão a obrigatoriedade da compensação. Por outro lado, ele destaca que as mudanças no texto possibilitam que as reservas legais de mata nativa e as áreas de preservação permanente poderão participar do mercado de crédito de carbono – além de obter remuneração pela prestação de serviço de sequestro de carbono, o que já é regulamentado.  

A ideia da Jiantan foi baseada no novo Código Florestal Brasileiro, de 2012, e na política de pagamento por serviço ambiental, de 2021. 

“Estamos em harmonia com o que propõe o novo PL, que vai reforçar que os produtores rurais possam participar do mercado de prestação de serviço ambiental e permitir a participação no mercado de crédito de carbono. Segundo uma metodologia nacional, poderão ser remunerados pela preservação e também gerar créditos por emitirem menos que o limite. Estamos preparados para atender esse público também nessa metodologia”. 

Potencial 

Adaptando um estudo realizado no Mato Grosso, Berdu explica que os gases de efeito estufa emitidos pela produção de soja paranaense são compensados pelas áreas de mata nativa preservada de produtores rurais paranaenses. Na safra passada, o Paraná produziu 22,4 milhões de toneladas de soja, gerando uma pegada de carbono estimada de 7,6 milhões de toneladas de CO2. “O Paraná tem cerca de 4,6 milhões de hectares de áreas de mata nativa e é necessário apenas 18% desta mata para sequestrar essa quantidade de carbono a cada safra. Como grande parte dessa área nativa pertence aos produtores, podemos dizer que a produção de soja do Paraná tem a pegada de carbono compensada pela área de mata nativa dos produtores rurais paranaenses e ainda sobra muita mata para compensar a pegada de outros produtos do agronegócio”, diz. 

A política de pagamento por serviço ambiental em vigor hoje determina que os produtores podem ser remunerados por esse serviço ambiental, justamente o que propõe a Jiantan em seu modelo de negócio. A startup mapeia áreas de preservação de produtores rurais interessados e quantifica o volume de CO2 sequestrado a cada ano, segundo critérios do IPCC, e faz a intermediação da venda dos serviços ambientais prestados para corporações que hoje decidem, voluntariamente, compensar suas emissões. 

“A metodologia internacional diz respeito à geração de crédito de carbono por desmatamento evitado em áreas que legalmente podem ser desmatadas. Toda a área de mata nativa existente no Paraná é remanescente do Bioma Mata Atlântica e, por lei, não pode ser desmatada, assim não tem a possibilidade de ter seu desmatamento ‘evitado’ e ficava de fora do mercado. No PL, isso muda no Brasil, abrindo mercado aos produtores”, explica Berdu. 

A startup encaminhou ofício à Secretaria de Inovação, Modernização e Transformação Digital (SEI) e à Federação da Agricultura do Estado do Paraná (Faep) para que os interessados no tema estejam atentos à tramitação do PL.

Melhorias 

A Jiantan, de Maringá, foi aprovada para receber subsídio de R$ 250 mil do programa Paraná Anjo Inovador. Com os recursos, a empresa treina inteligência artificial (IA) para a análise da integridade das áreas de matas nativas ou preservadas. Um profissional foi contratado para iniciar o trabalho, bem como a desenvolvedora da IA.  

Também foi contratado um levantamento da pegada de carbono de propriedades de soja e milho no Paraná, a fim de se obter um número representativo da geração de pegadas de carbono de soja e milho no Paraná.

Além disso, após passar por banca de seleção, a Jiantan participará do programa do Invest Paraná, o InovaInvest. Trata-se de uma vitrine para que startups incluam seu produto ou serviço nas ações de Promoção Comercial da Invest Paraná, a fim de que acessem o mercado nacional e internacional por meio da identificação de investidores e parceiros.

ARTIGOS RELACIONADOS

Mercado de carbono: uma grande oportunidade para o agro brasileiro

Por Reinaldo Bonnecarrere, Diretor de Biológicos na Indigo

Unidade de crédito de sustentabilidade visa reduzir emissão de gases

Os inúmeros avanços que a sociedade tem conquistado a favor do seu progresso tem contribuído

Lei incentiva a energia solar na agricultura familiar

A energia solar é uma das fontes mais limpas de energia e é de grande valia às famílias agricultoras

Conscience Carbon é lançada no mercado de carbono

A empresa vai elaborar projetos de compensação de créditos de carbono para atender desde pequenos proprietários até o Agronegócio - tornando realidade a "Safra de floresta em pé"

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!