26.6 C
Uberlândia
quarta-feira, abril 24, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosSilício melhora a tolerância das plantas à seca

Silício melhora a tolerância das plantas à seca

O uso de silício na agricultura desempenha um papel crucial ao fortalecer as plantas.

Franciely da Silva Ponce
Engenheira agrônoma e doutora em Agronomia/Horticultura – FCA/UNESP
francielyponce@gmail.com

O silício (Si) é segundo elemento mais abundante na crosta terrestre, correspondendo a 27,7%, sendo originado de rochas como basaltos, calcários, entre outras. É liberado das rochas na forma de ácido monossilícico, a partir da quebra em pedaços menores, pela ação do vento, água, temperatura e processos químicos, tornando-se absorvível pelas plantas.

Crédito: Jacto 

Diversos estudos têm apontado que a aplicação de silício proporciona redução de estresse biótico e abiótico, promovendo maior produtividade e proteção contra pragas, doenças e condições adversas.

Muitos estudos apontam para a maior produção de lignina nos tecidos das plantas devido à adubação com silício, o que promove proteção contra o ataque de insetos mastigadores.

Além disso, dificulta a colonização dos tecidos por parte de estruturas de doenças fúngicas, como a fusariose. Além disso, tem sido associado a ganhos de produtividade e redução ao estresse hídrico.

Sob estresse

O estresse hídrico é provocado tanto pela falta como pelo excesso de água, sendo o déficit hídrico um dos fatores mais limitantes para a produção de plantas.

A falta de água tem um enorme impacto sobre os cultivos agrícolas, limitando a produção de plantas em todo o mundo. Plantas submetidas ao déficit hídrico tendem a ter crescimento reduzido, abscisão foliar, redução de ciclo e de produtividade, ou mesmo senescência precoce.

O déficit hídrico no período vegetativo promove nanismo e redução na área foliar, enquanto que no florescimento promove abortamento das flores, e na frutificação reduz o pegamento e crescimento dos frutos.

Impactos

Os impactos mais brandos sobre a produção são perdas de produtividade, redução do crescimento das plantas e encurtamento de ciclo, contudo, em casos severos, as perdas podem atingir milhares de dólares e limitar o cultivo.

Segundo a Confederação de Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), as perdas provocadas pela estiagem na safra 2021/22 ultrapassam R$ R$ 70 bilhões, levando a uma redução da produção de grãos de cerca de 24 milhões de toneladas. As perdas podem variar conforme a sensibilidade da cultura ao déficit hídrico.

Silício na agricultura

O silício tem sido utilizado na agricultura como suplemento, podendo ser aplicado via solo ou foliar. Além disso, pode ser disponibilizado a partir de rejeitos da indústria siderúrgica, casca de arroz carbonizada, ou mesmo por adubos químicos à base de silício.

Alguns estudos apontam para a maior disponibilização de fósforo no solo, o que faz com que haja melhor aproveitamento pelas plantas e, consequentemente, maior produtividade.

A adubação silicatada pode ser utilizada conjuntamente com os demais manejos adotados para as culturas, sem riscos de efeitos antagônicos, podendo apresentar outras vantagens, como redução de pH do solo e neutralização do alumínio tóxico presente nos solos agricultáveis do Brasil.

Benefícios

A aplicação de silício traz diversos benefícios às culturas, no entanto, esses efeitos são variáveis, conforme a espécie cultivada. Os benefícios promovidos ao solo independem desse fator.

Na planta, o silício é depositado na parede celular, conferindo maior resistência, o que promove proteção contra a penetração das estruturas reprodutivas de fungos, além de reduzir a alimentação de insetos mastigadores, como as lagartas.

O silício pode atuar também como precursor de hormônios de defesa, como o jasmonato, conhecido por proporcionar resistência, principalmente contra lagartas.

A suplementação de silício proporciona às plantas a produção de aminoácidos, enzimas e antioxidantes, o que reduz os efeitos adversos da salinidade e estresse hídrico. Pela deposição de silício na parede celular, há uma redução da perda de água pela transpiração e ativação de enzimas, como a prolina, que atenua os efeitos da seca e reduz a ação das espécies reativas de oxigênio.

Além disso, diminui o efeito do ressecamento das raízes, que desencadeia a produção de etileno e ácido abscísico e, por consequência, a senescência das folhas.

As plantas passam a apresentar maior tolerância à seca devido à proteção proporcionada pela deposição de silício nas paredes celulares, mas também devido à ação hormonal e enzimática.

Gramíneas como o trigo, arroz e cana-de-açúcar são espécies acumuladoras de silício e tendem a apresentar melhores resultados quanto à adubação silicatada. Contudo, em outras culturas, como a soja, é possível obter vantagens quanto à utilização do silício.

Os benefícios se estendem ao período pós-colheita, pois plantas adubadas com silício apresentam melhor tempo de prateleira. No entanto, estudos precisam ser desenvolvidos para avaliar os efeitos conforme a espécie de interesse.

Custo-benefício

O custo-benefício da adubação silicatada é bem baixo, se levarmos em consideração que a fonte de silício pode ser o rejeito da siderurgia, ou mesmo casca de arroz carbonizada, que contém alta concentração do elemento.

O uso de adubos químicos à base de silício apresenta preço bastante acessível, com preço médio de R$ 29,90 o quilo a R$ 59,90 o litro de silicato de potássio. Quando se leva em consideração os benefícios proporcionados, o custo acaba sendo mínimo.

A aplicação pode ser tanto via solo como via foliar, sendo a eficiência e o custo variáveis, no entanto, ambos os métodos de aplicação apresentam efeitos benéficos às plantas.

Cuidados

Apesar dos benefícios já citados, é preciso conciliar o uso da adubação silicatada com boas práticas de cultivo. Mesmo que alguns estudos apontem que o uso do silício reduz a presença de alumínio tóxico no solo, a análise de solo e calagem continuam sendo técnicas indispensáveis para garantir rendimento dos cultivos.

Da mesma forma, ao utilizar o silício como indutor de resistência contra pragas e doenças, o monitoramento e implantação de táticas de manejo integrado de pragas e doenças é indispensável, pois não existe técnica infalível e 100% eficaz, sendo a adoção de táticas conjuntamente a melhor saída para manejar os cultivos.

Na redução do estresse do déficit hídrico, o silício pode ser um aliado, podendo reduzir os efeitos adversos da falta de água. No entanto, é preciso relembrar que há uma relação íntima entre plantas e a água e que toda a produção de energia está ligada à quebra da molécula de água e posterior formação de ATP (adenosina – trifosfato).

Sendo assim, a adubação silicatada serve como um atenuador de estresse e efeitos deletérios da seca, promovendo maior tolerância das plantas, sendo pouco eficiente em casos de escassez hídrica severa.

ARTIGOS RELACIONADOS

Cultivo de lúpulo no Brasil

O lúpulo, planta da espécie Humulus lupulus, é conhecido por ser largamente utilizado na produção de cervejas, sendo responsável pelo aroma e amargor da bebida.

Interação insetos e plantas

A interação entre insetos e plantas exerce um papel de grande importância para os agroecossistemas, de relevância mútua, que em sua maioria favorece a propagação de diversas espécies de plantas por meio da polinização.

Silício no controle de oídio em abóbora

O cultivo de abóbora é bastante predominante em várias regiões do mundo, sendo uma espécie agrícola de grande importância para a segurança alimentar de vários países. Em geral, os frutos são ricos em amido e açúcares, além de alto valor de vitaminas do complexo B1, B2 e C (Silva 2017).

Silício otimiza atuação do nitrogênio no pimentão

O silício tem se tornando um grande aliado no manejo integrado de Phytophthora no pimentão

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!