20.6 C
Uberlândia
quarta-feira, maio 22, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosSilício no controle da cigarrinha-do-milho

Silício no controle da cigarrinha-do-milho

A época correta de aplicação é na fase inicial do crescimento da cultura, antes da infestação da cigarrinha.

Ana Elisa Lyra Brumat
Engenheira agrônoma e doutoranda em Ciências do Solo – Universidade Federal do Paraná (UFPR)
anaelisalbrumat@gmail.com

O silício (Si) é conhecido por ter um efeito positivo no controle de alguns insetos-praga, como a cigarrinha-do-milho (Dalbulus maidis). Esse efeito ocorre devido à sua influência na resistência aumentada das plantas.

Crédito: Embrapa

Ele é absorvido pelas plantas e fica depositado nas células, criando uma barreira física que dificulta a alimentação da cigarrinha-do-milho. O silício estimula a produção de compostos de defesa nas plantas, como fitoalexinas e lignina, tornando o tecido mais duro (o que desgasta o aparelho bucal do tipo mastigador) e menos palatável.

Essa é uma prática sustentável, uma vez que não utiliza de produtos químicos tóxicos, não promove resistência da praga aos inseticidas, tem baixo impacto ambiental, confere resistência à planta a longo prazo, ou seja, durante todo o ciclo de produção, além de baixo custo.

A origem

Essa “barreira mecânica” que o silício confere à planta é oriunda do processo de silicificação, que é a deposição de sílica (SiO2) em forma de fitólitos nas células e tecidos vegetais.

Esses fitólitos são pequenos grânulos de sílica que fortalecem as plantas, conferindo rigidez às células vegetais, menor palatabilidade e digestibilidade, o que afeta a capacidade da cigarrinha-do-milho de perfurar as células vegetais e se alimentar.

A resistência das plantas induzida pelo silício envolve várias respostas químicas e fisiológicas que tornam as plantas menos favoráveis para a alimentação e desenvolvimento dos insetos, como a cigarrinha-do-milho.

Eficiência

A durabilidade da eficácia do silício no controle da cigarrinha-do-milho após a aplicação pode variar, dependendo das condições ambientais, a espécie de planta, a frequência de aplicação e a concentração de silício utilizada.

Em geral, o efeito do silício na proteção das plantas tende a ser de longo prazo, mas é importante a integração com outras práticas, como seleção de cultivares resistentes, rotação de cultura, monitoramento contínuo, etc., pois não é uma solução isolada.

Cuidados

As práticas de aplicação podem variar de acordo com as condições locais, as culturas e a intensidade da infestação, como a escolha do produto, pois existem diversos produtos no mercado (silicatos solúveis, silicatos insolúveis e silicatos de cálcio).

A época de aplicação que deve acontecer, preferencialmente, na fase inicial do crescimento da cultura, antes da infestação da cigarrinha-do-milho. A dosagem geralmente varia de 50 a 200 kg/ha, por isso a importância de consultar um profissional para fazer a recomendação.

O método de aplicação (pulverização foliar, aplicação no solo ou como tratamento de sementes), além de uniformidade de distribuição e a manutenção da umidade do solo, são pontos igualmente importantes.

Mais que benefícios

Além do controle da cigarrinha-do-milho, a aplicação de silício pode trazer outros benefícios para as plantas e a produção, pois fortalece as estruturas celulares, confere resistência a estresses abióticos e a uma variedade de pragas e doenças.

Ainda, melhora a eficiência no uso da água, pode levar a uma melhoria na qualidade dos grãos e aumento da tolerância a metais pesados quando o cultivo for em condições de solo contaminado.

Em solos argilosos, o silício pode reduzir a lixiviação de nutrientes e aumentar a produção.

Integração de manejos

A integração do manejo de silício nos planos de produção de milho pode ser feita de maneira eficiente por meio de alguns cuidados.

Antes de aplicar o silício, deve-se avaliar se a cultura de milho se beneficiará da adição desse nutriente. A escolha do tipo de silício também é importante, pois dependerá das condições do solo.

Depois, há determinação da dosagem e a escolha do método de aplicação. Para avaliar a eficácia da aplicação, a lavoura deve ser monitorada regularmente para detectar qualquer sinal de infestação da cigarrinha-do-milho.

Em detrimento do monitoramento contínuo, é necessário realizar inspeções regulares para monitorar as populações de cigarrinhas-do-milho, com o uso de armadilhas ou métodos de amostragem que sejam adequados para a área e realizar a contagem dos insetos.

Observar a presença de danos causados pela cigarrinha-do-milho, como descoloração das folhas, encurtamento das plantas e outras características indicativas de ataque, assim como o monitoramento de sintomas de doenças, que serve também de indicativo da presença da cigarrinha.

Resultados

A integração eficiente do manejo de silício nas práticas de produção de milho pode melhorar a resistência das plantas a pragas e estresses ambientais, resultando em um cultivo mais produtivo.

A aplicação de silício deve ser parte de um plano de manejo agrícola abrangente que considere todas as necessidades da cultura e do ambiente.

ARTIGOS RELACIONADOS

Manejo de nematoides no milho via tratamento de sementes

Nematoides são discretos, porém danosos. Veja como tratar as sementes de milho contra essa ameaça.

Qual a principal praga que atinge a cultura do milho

A cigarrinha do milho Dalbulus maidis vem sendo considerada uma das principais pragas da cultura do milho. Ela deixou de ser uma praga exclusiva de regiões...

Nidera Sementes apresentou lançamentos de  milho 

Presente em um dos maiores eventos do agronegócio do Brasil, marca é especialista em híbridos de milho e variedades de soja com alta tecnologia  

Sistema Caramuru

Os enfezamentos são doenças do milho causadas pela infecção da planta por ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!