24.6 C
Uberlândia
sábado, abril 13, 2024
- Publicidade -
InícioNotíciasTecnologia de irrigação permite dobrar a produtividade

Tecnologia de irrigação permite dobrar a produtividade

Economizar a aplicação de água na agricultura, diminuir o consumo de energia e aumentar a produtividade das culturas. Esses são os resultados do Irriga Digital, solução desenvolvida pela Pitaya Irrigação, em parceria com o Instituto SENAI de Tecnologia em Eletrônica e Automação. Os sensores e aplicações em nuvem que compõem a solução monitoram o solo e acionam a irrigação quando necessário, trazendo mais eficiência para o processo.

“O sistema atende cada cultura de acordo com suas necessidades, pois os sensores fornecem dados do solo, que dão mais clareza e exatidão sobre a necessidade de irrigação da planta. Os usuários podem acessar diariamente as informações operacionais pelo celular”, explicou Juliana Polizel, cofundadora da Pitaya Irrigação, durante o BW Works SENAI – Empresas Inovadoras, uma iniciativa do Movimento BW, com o apoio do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI), transmitido no dia 14 de junho, com apresentação de Luís Gustavo Delmont, especialista em desenvolvimento industrial no SENAI Nacional.

A solução produziu 160% a mais de gramas de planta por litro de água aplicada em comparação com métodos tradicionais. “A quantidade de água e o momento são fundamentais para uma maior produção, usando até menos água. Estamos falando de quase duplicar a produtividade em um mesmo setor”, destacou Juliana, que esclareceu que a irrigação é uma tecnologia que dobra a produtividade, mas, quando se faz com eficiência, há um incremento ainda maior, sem desperdícios e prejuízos ao longo do tempo. Além do benefício de produtividade e do menor consumo de água, foi possível economizar energia, por volta de 200 kWh/ha mensalmente, o que equivale ao consumo de oito geladeiras ligadas em um mês.

Ela lembra que o excesso de água pode afetar a planta e deixar o solo infértil com o passar do tempo. “Independentemente do clima, o solo conta com processos dinâmicos que precisam ser considerados para realizar o manejo de irrigação”. Em uma mesma fazenda, contou Juliana, pode haver diferença no consumo da água em até sete vezes dependendo de onde a planta estiver situada. Por isso, é preciso colocar de forma estratégica, pelo menos, um ponto de irrigação por setor na plantação.

Em uma fazenda de café, foi possível ter um aumento na renda de R$ 20 mil por hectare e uma economia de 8 m³/ha de economia de água por dia. Em um dos setores, a irrigação caiu de 240 dias para 40 dias, o que significa 50% de economia de água por dia irrigado. O Irriga Digital foi usado também em vasos de morango, o que possibilitou 46 horas sem irrigação e 13% dos dias sem irrigação. “A irrigação no momento certo e na quantidade exata resultam em redução dos volumes de água irrigada”, enfatizou Juliana.

O Movimento BW é uma iniciativa da Associação Brasileira de Tecnologia para Construção e Mineração (Sobratema) e procura estimular o uso de inovação e tecnologia para o desenvolvimento de novos produtos, soluções e serviços sustentáveis que reduzam a pegada ambiental das atividades humanas. Por isso, lançou, com o apoio do SENAI, por meio dos Institutos SENAI de Inovação e de Tecnologia, a nova série BW Works SENAI – Empresas Inovadoras no mês de maio.

O BW Works SENAI – Empresas Inovadoras contará com 10 episódios que retratarão cases desenvolvidos pela indústria em parceria com o SENAI. Esses projetos englobam segmentos como agronegócio, têxtil, alimentício, farmacológico, cosmético, de vidro, de filtros, de combustíveis renováveis, e foram realizados nas regiões Centro-Oeste, Nordeste, Sudeste e Sul.

Institutos SENAI de Inovação

A inovação é parte estratégica para alcançar os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) definidos pela Organização das Nações Unidas (ONU). Um dos instrumentos para fomentar Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (PD&I) em direção a soluções mais sustentáveis é a rede de Institutos SENAI de Inovação, com abrangência em todo o país.

Na última década, os 28 Institutos formaram uma equipe de 1.027 colaboradores (sendo 47% com mestrado ou doutorado) responsáveis pela execução de mais de R$ 1,9 bilhão, destinados a mais de 1.930 projetos. Todos desenvolvidos em parceria com cerca de 860 empresas industriais.

A rede foi criada para atender as demandas da indústria nacional. Ela tem como foco de atuação a pesquisa aplicada, o emprego do conhecimento de forma prática, no desenvolvimento de novos produtos e soluções customizadas para as empresas ou de ideias que geram oportunidades de negócios. Os institutos trabalham em conjunto, formando uma rede multidisciplinar e complementar, entre si e em parceria com a academia, com atendimento em todo o território nacional.

ARTIGOS RELACIONADOS

Irrigação e novas tecnologias para driblar a seca

Segundo o anuário brasileiro de hortaliças 2013, a área plantada de hortaliças no Brasil supera 800 mil hectares, com uma produção, segundo o Instituto...

A maturação ideal do pêssego

  Rufino Fernando Flores Cantillano Engenheiro agrônomo, doutor e pesquisador da Embrapa Clima Temperado fernando.cantillano@embrapa.br   É importante saber o momento apropriado de colheita, que assegure uma boa conservação,...

Bioestimulantes: menos estresses e mais produtividade

Os bioestimulantes são produtos à base de reguladores vegetais e/ou microrganismos benéficos que estimulam o desenvolvimento das plantas. Saiba mais.

FMC fala de inovação, sustentabilidade e tecnologias de manejo na soja

Dando sequência ao Projeto de Soja, companhia traz pilares como inovação, biológicos e pragas para que o produtor possa sempre colher mais e de forma sustentável

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!