14.3 C
Uberlândia
segunda-feira, julho 15, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosFlorestasTecnologia em maquinários avança no setor florestal

Tecnologia em maquinários avança no setor florestal

Autores

Diego Weslly Ferreira do Nascimento Santos
Doutorando em Mecanização e Máquinas Agrícolas – Universidade Federal de Viçosa (UFV)
Haroldo Carlos Fernandes
Professor titular do Departamento de Engenharia Agrícola – UFV
haroldoufv@gmail.com

A mecanização florestal pode ser definida como a utilização de máquinas em substituição ao trabalho humano ou de animais. Além de proporcionar a redução do custo de produção, a mecanização das operações de corte, extração e carregamento possibilita a redução da mão de obra no campo, aumento do rendimento, redução dos acidentes de trabalho, melhores condições ergonômicas para os trabalhadores e possibilidade de execução das operações durante 24 horas por dia.

Com o passar dos anos, as máquinas de colheita florestal passaram por diversas modificações estruturais e, principalmente, na tecnologia empregada, sendo adotados diversos sistemas de controle suportados por softwares e novas unidades de monitoramento dos sistemas.

Mecanização total

Atualmente, as grandes empresas do setor florestal brasileiro buscam a total mecanização das operações de colheita florestal, no entanto, algumas delas ficam limitadas em função da topografia do terreno.

Normalmente as máquinas florestais, como harvester, forwarder, feller-buncher, skidder, dentre outras, só operam até 25° de declividade, sendo necessária a adoção de métodos semimecanizados e manuais para cortar e extrair a madeira dessas áreas.

No entanto, vale salientar que existem no mercado nacional algumas alternativas viáveis que possibilitam a mecanização das operações nas áreas de relevo acidentado, mas ocorre a perda de rendimento, aumento do custo operacional e, consequentemente, aumento do custo de produção.  

Demanda

O ideal é que o processo de colheita florestal seja 100% mecanizado, contudo, quando isso não possível, a extração da madeira torna-se uma atividade mais delicada e requer um planejamento mais eficiente.

A extração da madeira, quando realizada de forma semimecanizada, manual ou por meio de animais, requer muito esforço físico, aumenta os índices de acidentes e diminui drasticamente o rendimento operacional, o que resulta em uma atividade extremamente árdua.

Viabilidade

Até o momento, não existe um modelo matemático que calcule a viabilidade ou não de mecanizar as operações de colheita de determinada área. O baixo volume de madeira por hectare, presença de árvores tortas ou distúrbios, topografia acidentada do terreno e más condições das estradas que dão acesso à área são fatores que podem inviabilizar a mecanização das operações de colheita de madeira.

Além dos fatores já citados, a existência de empresas que prestam esse tipo de serviço próximo à área a ser colhida será um fator determinante. Vale salientar que o custo com transporte de maquinário e estrutura de manutenção é bastante oneroso, sendo que quanto maior a distância, maiores serão os valores, o que pode impossibilitar a operação.

Opções

Existem diversos tipos de máquinas que podem ser empregadas no corte, extração e carregamento de madeira, como por exemplo, harvester, feller-buncher, forwarder, skidder de garras, trator autocarregável, carregador florestal, etc.

A adoção de determinada máquina irá depender, basicamente, do poder aquisitivo do agricultor ou empresa, declividade do terreno, uso final da madeira e sistema de colheita adotado. Atualmente, no Brasil, as maiores empresas do setor florestal adotam o sistema de toras curtas, sendo harvester, forwarder e o carregador florestal as máquinas mais utilizadas.

– Harvester: colhedora florestal automotriz, capaz de realizar todas as etapas que compõem o corte. É constituída por uma máquina base, podendo ser de pneus ou esteiras, um braço hidráulico de tamanho variável (depende do modelo) e um cabeçote. O cabeçote é constituído por braços acumuladores, que têm a função de segurar e levantar as árvores durante o corte de derrubada, rolos dentados para movimentar as toras horizontalmente, facas para realizar o descascamento e dasgalhamento e, por fim, um sabre ou serra para realizar o corte e o traçamento das toras. É um trator de alto rendimento, capaz de cortar e processar uma árvore em cerca de 30 segundos.

– Feller-buncher: é um trator florestal autopropelido de esteiras ou pneus, projetado para realizar o corte e acúmulo das árvores. Assim, quando atinge o número máximo de árvores que o cabeçote pode acumular, elas são depositadas na superfície do solo. O cabeçote do feller-buncher apresenta braços acumuladores para empilhar as árvores, garras para segurar durante o trabalho e um elemento de corte, que pode ser um disco dentado, tesoura de dupla ação ou serra. O feller-buncher de disco trabalha em altas rotações do motor e, em consequência, apresenta elevada demanda energética, porém, com alto rendimento, podendo cortar até 500 árvores por hora efetiva de trabalho.

– Skidder de garras: é um trator de pneus, articulado, com uma garra hidráulica, de abertura inferior, localizada na parte traseira, sendo indispensável para realizar a extração quando o corte é realizado com feller-buncher.

– Forwarder: É um trator autocarregável projetado para utilização no transporte primário, ou seja, a remoção das toras já cortadas de dentro da floresta para a periferia dos talhões, de modo a evitar o tráfego de caminhões dentro da mesma. Essa máquina é formada por uma caixa de carga com capacidade variável, a depender do modelo e fabricante e uma grua hidráulica utilizada para realizar o carregamento e descarregamento das toras.

– Trator agrícola adaptado: em razão do alto valor de aquisição das máquinas florestais, foram desenvolvidas algumas adaptações nos tratores agrícolas visando à propagação dessas máquinas a pequenos agricultores e a pequenas empresas. O trator agrícola autocarregável é uma ótima opção para operar em pequenas áreas, sendo a caixa de carga acoplada à barra de tração e a grua hidráulica acionada pelo controle remoto do trator, possibilitando assim a abertura e fechamento da pinça. Já o guincho-arrastador é um trator agrícola de pneus com um guincho que é acionado pela TDP. É uma solução para áreas montanhosas com declive > 20°. Esta máquina tende a compactar mais o solo devido ao arraste das toras.

BOX

Investimento

Inicialmente, é necessário realizar um estudo econômico para verificar se existe viabilidade no investimento. O item fundamental é verificar a quantidade de horas que serão trabalhadas por ano ou se terá madeira disponível para ser colhida durante todo o ano. O ponto de equilíbrio é uma ferramenta que possibilita calcular o número mínimo de horas que a máquina deve trabalhar por ano, a fim de justificar sua aquisição.

De maneira geral, as máquinas florestais, como harvester, forwarder, feller-buncher e skidder devem operar em torno de 2.500 horas por ano para justificar sua aquisição. Em casos em que as máquinas vão operar por uma quantidade menor de horas, é mais viável economicamente o aluguel dos equipamentos florestais.

É importante salientar que ao adquirir máquinas florestais é necessária uma boa estrutura de manutenção no campo contendo um bom estoque de peças, disponibilidade e rapidez de suprimento e abastecimento ágil, além de mão de obra capacitada e bem treinada.

Novidades

Constantemente são implantadas nas máquinas de colheita florestal diversas inovações tecnológicas que têm o objetivo de aumentar a eficiência do processo produtivo e melhorar as condições de trabalho dos operadores.

Recentemente, o chassi do harvester Ponsse, modelo Scorpion, foi dividido em três partes ligadas por pontos de rotação, sendo a cabine localizada no chassi central, que é mantido hidraulicamente equilibrado no sentido longitudinal, enquanto os chassis frontal e traseiro se inclinam de acordo com o terreno.

Esse sistema minimiza a inclinação da cabine, evita que o operador balance de um lado para o outro e fornece melhores condições ergonômicas de trabalho para o operador.

Foi adicionado em harvesters e forwarders o sistema Maxifleet de gerenciamento, que permite consultar dados e informações das máquinas em tempo real, via internet e em qualquer lugar, fazendo o uso de computadores, notebooks e smartphones.

A partir desse sistema é possível verificar a localização das máquinas, horas de trabalho, KPIs da produtividade, disponibilidade mecânica, consumo de combustível, necessidade de reparos e o momento exato de realizar manutenções corretivas, além de prevenir o uso indevido e roubos das máquinas.

O guincho de tração passou a ser utilizado em harvesters e forwarders e tem a função de “segurar” a máquina durante a execução de suas atividades em áreas acidentadas.

A utilização do guincho permite que a máquina tenha acesso a áreas onde anteriormente não era possível, proporcionando a execução da atividade de forma segura e com menor risco de acidentes. O guincho é instalado na parte traseira das máquinas, sendo composto basicamente por um tambor para armazenamento do cabo, e o motor acionado hidraulicamente, o que fornece tração. Os cabos são ancorados em árvores localizadas na parte superior da floresta que está sendo colhida.

Com essas informações, certamente o silvicultor terá mais base para decidir suas demandas.

ARTIGOS RELACIONADOS

III Congresso Brasileiro de Eucalipto trará novidades para o agronegócio florestal

  Evento acontecerá de 2 a 4 de setembro, em Vitória/ES Especialistas em silvicultura, técnicos, produtores, empresários e os outros agentes de desenvolvimento ligados ao agronegócio...

Koppert – Uma história de sucesso

São quase 50 anos da Koppert dedicados ao desenvolvimento e à produção de inimigos naturais para o controle de pragas e doenças na agricultura,...

Trichoderma é a solução para pythium em sistemas hidropônicos

  Glaucio da Cruz Genuncio Doutor em Nutrição de Plantas " UFRRJ glauciogenuncio@gmail.com Elisamara Caldeira do Nascimento Doutoranda em Fitotecnia - CPGA-CS Anderson Claiton Ferrari Doutorando em Agronomia-CPGA-CS   A patogenidade de...

AgroBrasília encerra mais uma edição de sucesso

  A Edição 2015 da AgroBrasília, que aconteceu no período de 12 a 16 de maio, em Brasília, recebeu 98 mil visitantes e movimentou um...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!