27.6 C
Uberlândia
sábado, abril 20, 2024
- Publicidade -
InícioDestaquesTecnologia florestal: Brasil lidera desenvolvimento

Tecnologia florestal: Brasil lidera desenvolvimento

Feira na Suécia antecipa algumas das tendências para o segmento, mas a expectativa é que as novidades mais importantes em tecnologia sejam anunciadas em evento no Brasil

O Brasil é referência em relação ao resto do mundo quando o assunto é desenvolvimento de soluções tecnológicas para o segmento florestal. O país, que tem um setor produtivo de árvores plantadas responsável por gerar um PIB de R$ 244 bilhões, é protagonista na apresentação das principais inovações para alavancar a produtividade florestal. Essa posição de liderança foi reafirmada recentemente durante a Swedish Forestry Expo, feira que ocorreu em Estocolmo, na Suécia, no início de junho e contou com mais de 10 mil visitantes de 55 países diferentes. 

Foto: Hexagon

Apesar de reunir algumas das maiores empresas da área e trazer alguns dos principais temas em pauta no setor, os principais lançamentos e as novidades tecnológicas serão apresentados no Brasil. Em agosto acontece a 5ª Expoforest, considerada a maior feira florestal dinâmica da América Latina, na região de Ribeirão Preto/SP. O evento deve atrair visitantes de mais de 30 países e projeta movimentar R$ 500 milhões em negócios. 

Claudia Garcia, engenheira florestal e Gerente de Contratos Florestais da divisão de Agricultura da Hexagon, esteve em Estocolmo participando da Swedish Forestry Expo. Segundo ela, apesar de o evento ter um público com um nível avançado de conhecimento em relação à floresta, a feira não teve como foco o lançamento de tecnologias disruptivas como automação, machine learning, IA e IoT, principalmente quanto às soluções integradas relacionadas às operações silviculturais. “Algumas pessoas com as quais conversei estavam buscando alternativas inovadoras para problemas de operações e dinâmicas de gestão. Entretanto, o evento focou mais em mecanização, como máquinas, implementos e acessórios principalmente para as operações de colheita, carregamento e transporte de madeira”, explica. 

Nos seminários e palestras, um dos principais temas foi ESG, sigla em inglês (Environmental, Social e Corporate Governance) para governança ambiental, social e corporativa. “Os assuntos discutidos foram muito voltados para essa área, principalmente para questões como inclusão, presença de mulheres no setor florestal e gestão de pessoas”. A sustentabilidade e o uso mais inteligente da terra também foram pauta. Essa é uma prioridade para as empresas do setor, que tem incluído investimentos em ações para redução na emissão de CO², certificações florestais e redução dos resíduos industriais nos planos de negócios. “Pude observar na feira algumas empresas expondo soluções com ênfase no cuidado com o meio ambiente e em busca de maior sustentabilidade, como a apresentação de máquinas elétricas e híbridas utilizadas na colheita florestal”, conta Claudia. 

Alguns espaços visitados por ela foram das empresas Komatsu e Bracke, que utilizam o sistema Hexagon no controle e monitoramento do plantio florestal. “Eles apresentaram versões mais atualizadas das máquinas e implementos, com maior número de operações agregadas como a abertura da bacia, a adubação de base e de liberação lenta, o plantio e a irrigação. As soluções permitem o plantio em áreas declivosas, e com o sistema Hexagon embarcado, se tem o correto posicionamento da muda conforme espaçamento planejado”, explica. O plantio mecanizado traz diversas vantagens, como solucionar a falta de mão de obra e reduzir riscos para os trabalhadores. “Ele também melhora o uso do solo e a viabilidade das operações mecanizadas, a qualidade do plantio, adubação e irrigação, reduzindo riscos e aumentando a produtividade da floresta. Além disso, otimiza os recursos, reduzindo custos e contribuindo para a sustentabilidade”.

Vitrine de novidades

Com uma proposta mais voltada para apresentar novas alternativas em termos de tecnologia, a feira no Brasil será o momento de encontrar as novidades do mercado. “O evento na Suécia teve um olhar muito mais prático e funcional, de mecanização, vejo que o Brasil tem muito mais a oferecer e agregar em termos de tecnologia e inovação. As empresas florestais exigem uma melhoria contínua dos seus processos, por vários vieses, seja redução de custos, seja otimização de recursos. Aqui, temos startups e grandes empresas preocupadas em desenvolver soluções cada vez mais impactantes devido a essa necessidade do mercado”, explica Claudia. 

A divisão de Agricultura da Hexagon, que desenvolve soluções tecnológicas de monitoramento, otimização, controle e automação e gestão das operações florestais, estará presente no evento. Entre os destaques, a empresa deve focar em sistemas de análise de gestão e monitoramento, duas grandes demandas do setor. A Expoforest 2023 será realizada em uma floresta de 200 hectares de eucaliptos da Sylvamo, em Guatapará, município da região de Ribeirão Preto (SP). A quarta edição, realizada em 2018, registrou R$ 316 milhões em negócios, reuniu 240 expositores e recebeu 30.654 visitantes.

ARTIGOS RELACIONADOS

Líder em soja e milheto no Brasil passa a se chamar ATTO Sementes

Com mais de quatro décadas de história, em janeiro deste ano a empresa ATTO Adriana Sementes (antiga Sementes Adriana) se torna definitivamente ATTO Sementes, assumindo o nome do Grupo Atto, do qual faz parte. A empresa, com sede em Rondonópolis, Unidade Agroindustrial em Alto Garças, no Mato Grosso, e Centro de Pesquisa de Milheto e Guandu em Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, é líder na produção de sementes de soja e milheto do Brasil.

Regiões cafeeiras do Brasil atraem amantes da bebida

Unindo a experiência turística à cafeicultura regional, seis estados se destacam por opções gourmet

Segure uma xícara e exale o aroma de um bom café

Na cultura do café, é necessário um maior rigor na análise e interpretação dos resultados de custos, pois seu ciclo perene, com produção bienal, pode gerar uma grande diversidade de situações pré e pós-colheita dos grãos.

Produção Integrada de Frutas

A Produção Integrada de Frutas é o processo de certificação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – MAPA. Foi desenvolvida em parceria com o Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial – INMETRO, para adequar a fruta brasileira às exigências do mercado, principalmente do europeu, e aumentar a sua competitividade no mercado internacional, como uma das estratégias para aumentar as exportações.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!