20.6 C
Uberlândia
sábado, abril 20, 2024
- Publicidade -
InícioDestaquesTeor de umidade do algodão na colheita

Teor de umidade do algodão na colheita

Conab projeta uma das maiores safras do algodão, mas cotonicultor deve estar atento para garantir a qualidade e a lucratividade do produto.

Com praticamente 100% do plantio concluído, a safra brasileira do algodão 2022/2023 deve chegar a 3,04 milhões de toneladas, um crescimento de 19,2% se comparado à safra anterior, conforme projeções da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). O período da colheita do algodão oscila bastante, dependendo da região em que foi cultivado. No Paraná e São Paulo, alguns produtores devem iniciar a colheita no final de abril, mas nos estados da região do Cerrado a colheita pode ocorrer entre junho e agosto.

Uma coisa é certa, independente do período o cuidado com a colheita é essencial para garantir a qualidade da safra e a lucratividade do produto. Por isso, o monitoramento da lavoura, como um todo, é fundamental para saber o momento certo de colher.

O mais indicado é colher em climas secos, com baixa probabilidade de chuva, a fim de não prejudicar o produto, até porque a Portaria 55/1990 preconiza, para a armazenagem convencional, que o percentual de umidade para o algodão em caroço seja de 12% e, para o algodão em pluma (fardo), de 10%. O produto que não estiver dentro desses limites pode sofrer descontos.

O gerente do laboratório da Central de Classificação de Fibras Minas Cotton, da Associação Mineira de Produtores de Algodão (Amipa), Anicézio Resende, destaca a importância de se realizar a gestão da umidade do algodão.

“Durante todas as etapas de colheita, seja no armazenamento do algodão em caroço, no beneficiamento, armazenamento do caroço e do algodão em pluma, a umidade do algodão é essencial para gerar um produto de alta qualidade”, explica Resende, afirmando que o laboratório presta serviços aos produtores mineiros,  indústrias que consomem a fibra e também produtores de outros estados.

Segundo ele, tanto o excesso ou a falta de umidade do algodão em caroço influencia diretamente no beneficiamento. Portanto, a umidade no momento da colheita constitui a condição mais importante para se obter bons rendimentos e preservar a qualidade no beneficiamento.

O teor de umidade ideal do algodão em caroço durante o beneficiamento deve ficar entre 6 e 8%. De acordo com a Circular Técnica do Ministério da Agricultura e Abastecimento (Mapa), devem ser evitados o extremo com limites máximos de 12% e mínimo de 6%. “Em caroço, o algodão pode ser colhido com até 12% de umidade, mas não é o recomendado, porque acima deste percentual começam a ter problemas de perda de qualidade e fermentação com a umidade, além da atuação de microrganismos”, explica Resende.

“Desta forma, a gestão da umidade é de vital importância no armazenamento do algodão em caroço. Os rolinhos ou fardões e os fardinhos do algodão em pluma só devem ser armazenados por um longo período de tempo com umidade máxima de 8,5%.

Anicézio Resende observa que para saber com exatidão o momento da colheita, o produtor precisa ter medidores de umidade com uma boa precisão e margem de erro de 0,2 até 0,4%. “Esses medidores devem ser aferidos e calibrados pela Rede Brasileira de Calibração, anualmente, por uma empresa certificada que faz a rastreabilidade. Do contrário é difícil manter um bom controle de qualidade”, enfatiza Resende.

De acordo com o engenheiro agrônomo Roney Smolareck, da Loc Solution, empresa que fabrica e loca medidores de umidade da marca Motomco, o medidor de umidade 999CT Cotton da Motomco é um instrumento importante durante o processo de colheita, descaroçamento e comercialização do algodão.

De fácil manuseio, o equipamento pode ser utilizado diariamente no monitoramento da umidade da safra. Desenvolvido em duas escalas de medição, o medidor da Motomco possui princípio de medição baseado na resistência elétrica e interface com teclado de membrana e display LCD.

O engenheiro agrônomo destaca que ao longo do dia existe uma variação de umidade, por isso é importante que a colheita inicie e termine com a umidade dentro do percentual tolerável, caso contrário podem ocorrer problemas com a qualidade da fibra.

“O produtor pode fazer essas medições várias vezes ao dia, colhendo amostras de alturas e parcelas diferentes do talhão. As amostras são colocadas no copinho medidor e em questão de segundos  o produtor terá o resultado”, complementa Smolareck.

O equipamento  pode  ainda ser conectado aos garfos para medição na pluma enfardada na faixa de 4% a 16% de umidade. E também pode ser acoplado o copo de medição para análise do algodão em caroço na faixa de 6% a 20% de umidade. Para obter mais detalhes sobre o Medidor de Umidade 999CT Cotton clique aqui.

O coordenador comercial da Loc Solution, Donlislei José Liotto, destaca que o trabalho realizado pelos laboratórios, especialmente no Minas Cotton, é essencial para especificar a qualidade do produto, amparando as decisões de produtores e compradores do algodão.

“O algodão é uma cultura cada vez mais competitiva no mercado nacional e internacional, por isso os cotonicultores e as algodoeiras apostam em novas tecnologias para produzir fibras e sementes de qualidade”, pontua ele.

Hoje o Brasil é o segundo maior exportador de algodão, sendo que 60% da produção está localizada no Mato Grosso e o restante no Paraná, São Paulo e Matopiba (região formada por áreas majoritariamente de cerrado nos estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia).  “Desta forma, algumas tecnologias são primordiais para assegurar esse mercado que vem sendo conquistado pelo Brasil”, acrescenta Liotto.

O algodão se destaca pela produção de fibra utilizada pelas indústrias têxteis e pela utilização de sua semente, rica em óleo e utilizada para produção de biodiesel, alimentação animal e semente propriamente dita.

ARTIGOS RELACIONADOS

Cooxupé espera receber 4,6 milhões de sacas de café pela safra 2015

  Meta corresponde à área de ação da cooperativa: Sul de Minas , Cerrado mineiro e Vale do Rio Pardo, no estado de SP A...

Produção de pimentão em estufas

O pimentão é cultivado por todo o Brasil, sendo os principais Estados produtores Minas Gerais e São Paulo, com 40% de todo o volume nacional.

Integração Lavoura

Palestra que integrava programação da Abertura Oficial da Colheita do Arroz ocorre no dia 11 de março

FMC debate Agricultura 5.0 no Encontro Nacional de Cooperativas

A FMC, participa entre os dias 24 a 26 de novembro, do Encontro Nacional das Cooperativas Agropecuárias (ENCA), que acontecerá em plataforma online.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!