20.6 C
Uberlândia
sexta-feira, abril 19, 2024
- Publicidade -
InícioDestaquesTilapicultores ganham benefícios com a biotecnologia

Tilapicultores ganham benefícios com a biotecnologia

Com o início do período de alojamento dos peixes nos tanques de criação, disponibilidade de alimentos naturais e qualidade da água garantem aos animais melhor desenvolvimento

Tradicionalmente, os meses de agosto e setembro são muito importantes para o calendário da piscicultura, afinal, o período marca o início do alojamento das tilápias nos tanques de criação. Entre as regiões referência nessa atividade, destaque para o Paraná, principal estado produtor, que somente em 2022 foi responsável por 187 mil toneladas da variedade, conforme relatou a Associação Brasileira de Piscicultura (Peixe BR). Segundo o Departamento de Economia Rural (Deral), a piscicultura movimenta cerca de R$ 1 bilhão por ano na região. 

Créditos: Divulgação

De acordo com Matheus Trento, zootecnista e executivo de vendas de piscicultura da Superbac, empresa brasileira pioneira em biotecnologia, este início de alojamento, após o período mais crítico do inverno, é o momento em que serão produzidos os peixes para negociação durante a quaresma do próximo ano, principal data comercial do setor. “A Semana Santa é sem dúvida o período que há maior demanda, por isso, em agosto e setembro os produtores intensificam os alojamentos”, destaca.

Para os animais atingirem tamanho e peso ideal, os criadores precisam estar atentos a diversos fatores, entre eles, a disponibilidade de alimentos. A oferta somente de ração, além de ser mais oneroso, muitas vezes não é suficiente, portanto, é fundamental buscar alternativas. Hoje já há soluções disponíveis no mercado, como o Organpesc. O produto é um bioestimulador de aplicação em viveiros de peixes e camarões para solubilização de nutrientes (Nitrogênio, Fósforo e Potássio) e disponibilização para a proliferação de fitoplânctons (microalgas), as quais servem como suplemento alimentar.

Segundo o zootecnista, na atividade, quando se enche o tanque é importante a presença de fitoplâncton, zooplâncton e crustáceos microscópicos presentes na água, uma vez que são fundamentais para o equilíbrio do ecossistema. Caso haja excesso ou escassez, pode ser um problema. “O Organpesc contribuirá para a formação do fitoplânctons e zooplâncton, juntamente com a ração vai servir de alimento natural para os peixes. Ele é um produto de aplicação inicial, para dar um start ao viveiro, mas, também pode ser aplicado com os peixes já na água caso tenha que fazer algum reforço”, acrescenta o especialista.

Créditos: Divulgação

No caso das tilápias, por exemplo, esse complemento na fase inicial da criação é importante, pois é o momento que a espécie mais aproveita esse bioestimulador, já que filtra a água com muito mais frequência e necessita de um consumo maior de alimento para o seu crescimento. “Com as algas formadas pelo Organpesc, o produtor garante a disponibilidade satisfatória desse alimento natural 24 horas por dia no viveiro. Com isso, as tilápias vão crescer melhor, de forma mais saudável, com lotes mais padronizados”, reforça Trento.

Cuidados com a qualidade da água

Além da atenção com a disponibilidade e qualidade dos alimentos aos animais, também é preciso focar na ambiência, ou seja, cuidados com a água. Já na fase inicial de criação, os alevinos começam a se desenvolver, consequentemente passam a excretar na água. Além disso, ocorre a presença de restos de ração que formam uma matéria orgânica. Essa, por sua vez, em excesso, caso não seja tratada desde o começo pode gerar grandes problemas no futuro.

De forma preventiva, desde o início do alojamento é recomendado aos tilapicultores que utilizem outro importante bioestumulador, o Bioboost, uma biotecnologia única e exclusiva da Superbac. O produto, de formulação líquida, atua na degradação de matéria orgânica presente em tanques de peixes.

Entre os seus diferenciais e benefícios, além da melhora na qualidade da água, estão: possibilidade do aumento de densidade populacional do viveiro, consumo de lodo orgânico no fundo dos viveiros, redução de custo com limpeza mecânica e redução no custo com água.

“Outro ganho direto é a economia de energia com bombeamento e aeradores, aumento do peso final, redução do tempo de cultivo, melhora na taxa de conversão alimentar e auxilia no controle do ciclo do nitrogênio. Fazemos essa recomendação desde o início do ciclo, pois lá no final o produtor terá um peixe com um custo de produção mais em conta, tudo isso com biotecnologia, de forma natural”, finaliza o zootecnista.

ARTIGOS RELACIONADOS

Tecnologia Vittia, Vitrine Agricultura do Futuro será destaque na Coopercitrus

Com vitrine de manejo sustentável, companhia terá simulação de redução de deriva e aplicação aérea de produtos biológicos em área externa da feira.

Bioativo natural impulsiona produtividade de melão no nordeste do país

O Brasil é o maior produtor de melão da América do Sul, com cerca de 20 mil hectares plantados. A região Nordeste responde por cerca de 99% dessa produção, favorecida pela combinação de altas temperaturas com boa luminosidade e baixa umidade relativa do ar.

Plantoterapia: cultivo de plantas em casa traz benefícios

Para trazer informações e fomentar o tema, a linha Topseed Garden promove a terceira edição da Campanha Plantoterapia, com o mote "Da tela para a terra".

Nutrição foliar

Atualmente, é aceito que a vida vegetal teve seu início na água. Neste habitat, ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!