25.6 C
Uberlândia
terça-feira, junho 18, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiTombamento da cebolinha - Como evitar

Tombamento da cebolinha – Como evitar

 

Leandro Luiz Marcuzzo

Professor de Fitopatologia do Instituto Federal Catarinense – IFC/Campus Rio do Sul

marcuzzo@ifc-riodosul.edu.br

 

Crédito Luize Hess
Crédito Luize Hess

Nas culturas que compõem o cheiro-verde, a cebolinha é uma das mais afetadas por pragas e doenças. O tombamento da cebolinha, causado pelos fungos Rhizoctoniasolani, Pythium spp. e Fusarium spp., tem tirado o sono dos produtores. Várias são as medidas utilizadas no manejo integrado dessa doença, porém, o manejo cultural é o único método utilizado a campo, já que não se dispõe de agrotóxicos registrados para a cultura.

Danos

Na área de ataque dos patógenos, o prejuízo com o tombamento da cebolinha chega a 100%, já que esses patógenos matam a planta, tornando inviável ao seu comércio. Em áreas com alta umidade do solo e semeadura profunda a doença é mais intensa, principalmente nos estádios jovens da planta recém-germinada

Prevenção

Entre as medidas preventivas estão: evitar a semeadura em áreas sujeitas ao alagamento e aumentar a altura do canteiro, o que fará com que haja menor acúmulo de umidade, desfavorecendo a ocorrência da doença.

O uso de matéria orgânica favorece o bom desenvolvimento da muda, tornando-a mais vigorosa e fazendo a microbiota do solo competir com os patógenos. Deve-se evitar o excesso de adubação nitrogenada, pois esta favorece a infecção dos patógenos.

Crédito Isla Sementes
Crédito Isla Sementes

Manejo curativo

Após constatado o sintoma, podem ser retiradas as plantas do local, já que as mesmas encontram-se em reboleiras. Deve-se evitar transitar nessa área da doença para não disseminá-la a outros locais.

Essa matéria você encontra na edição de Julho 2017  da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira já a sua.

 

ARTIGOS RELACIONADOS

O minipepino ainda é pouco explorado

Autor André Rocha Duarte Engenheiro agrônomo e Mestrado em Fitopatologia - Universidade Federal de Viçosa (UFV) agronomia@finom.edu.br O minipepino (Melothria pendula L.) é uma planta,...

Efeito fisioativador – Adubos complexados com algas

Fabio Olivieri de Nobile Doutor e professor de Fertilidade do Solo e Adubação de Culturas - Centro Universitário da Fundação Educacional de Barretos (UNIFEB) fabio.nobile@unifeb.edu.br A falta...

Enxofre com inseticida proporciona maior eficiência no controle das lagartas

  Vinicius Henrique Gomes Zuppa de Andrade viniciuszuppa@hotmail.com Ivens Henrique Carvalho da Cruz Graduandos em Agronomia - Universidade Federal de Lavras, participantes do Programa de Monitoria UFLA/Anatomia e...

Tratos culturais – As recomendações para a atemoia

A principal vantagem dos híbridos de atemoia é a capacidade de serem cultivados em áreas mais amplas que seus genitores individualmente, uma vez que possuem maior adaptabilidade às condições climáticas de determinada região. Por exemplo, a cultivar Gefner se adapta bem em regiões mais quentes, por outro lado, a cultivar Thompson pode ser explorada em áreas de clima mais ameno.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!