19.6 C
Uberlândia
domingo, junho 16, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosTratamento de sementes na fazenda ou industrial?

Tratamento de sementes na fazenda ou industrial?

O tratamento de sementes é como um seguro da lavoura, que pode impedir prejuízos e garantir a produção

Crédito ABRASS
Crédito ABRASS

Ainda que não haja diferença, em termos de eficiência, entre os tratamentos de sementes na fazenda ou industrial, a modernização do sistema industrial tem saído à frente.

Segundo Ademir Henning, pesquisador da Embrapa Soja, “os equipamentos sofisticados de tratamento industrial de sementes(TIS) com a adição de polímeros permitem que as grandes empresas acrescentem mais uma série de produtosà semente. Claro que o tratamento é de melhor qualidade, pois tudo é feito de forma computadorizada. Coloca-se fungicidas, inseticidas, nematicidas (em alguns casos) enraizadores (eventualmente), micronutrientes (Co e Mo), pós-secantes, enfim, cada um tem o seu espaço“, detalha.

E para os pequenos?

Para os pequenos produtores que não são associados a nenhuma cooperativa, há a possibilidade de tratar a própria semente, cujo uso é permitido pela lei 10.711que foi regulamentada pelo Decreto 5.153 e a Instrução Normativa Nº 9 “Tudo que ele precisará é um tambor giratório ou betoneira, e adquirir produtos registrados no MAPA, seguindo os cuidados para evitar contaminação“, informa Ademir Henning.

O tratamento de sementes protege a semente no solo de fungos - Crédito ABRASS
O tratamento de sementes protege a semente no solo de fungos – Crédito ABRASS

Profissionalismo

O tratamento industrial da semente (TIS)hoje realizado, tem equipamentos com capacidade para tratar de 20 a 30 ton/hora, sem erros e de acordo com a necessidade do produtor, que tem a tranquilidade e segurança da operação realizada corretamente, de acordo com as necessidades de sua lavoura.

Àsemente podem ser acrescidos os fungicidas (sistêmico e de contato), e se necessário também os inseticidas, nematicidas, enraizadores, aminoácidos, cobalto e/ou molibdênio. Os fungicidas, principalmente as misturas de fungicidas de contato e sistêmico, controlam os principais patógenos que podem ser transmitidos pela semente além de garantir boa emergência das plântulas no campo “Isso é especialmente importante quando a região ainda não tem a determinada doença“, pontua o pesquisador.

Porém, devem-se ter cuidados com o volume final da calda. Sementes com problemas de vigor mais baixo devido à ocorrência de danos mecânicos podem não “suportar“ volumes elevados de calda e consequentemente soltar o tegumento (casca) e não germinar, causando mais problemas do que trazendo benefícios.

Objetivo do tratamento

O tratamento de sementes tem como finalidades limpar o material para que ele não contamine a lavoura, e o mais importante, proteger a semente no solo de fungos, especialmente no tempo incerto de chuvas, que vivemos atualmente.

“A semente de soja precisa de 50 a 55% do peso dela em água para germinar. Senão, ela incha, vira um ‘grão de feijão’ e apodrece.E é ai que entra o fungicida, que repele os organismos do solo, que são os fungos do gênero Aspergillus, principalmente o Aspergillusflavus, de coloração verde, que causa o apodrecimento da semente no solo. A proteção que o tratamento com os fungicidas de contato e sistêmico assegura a semente, em casos de falta de água, garante que caso a semente não atinja o nível de 50 a 55% de umidade, elapode não germinar, porém, ela resiste, não deteriora e quando houver umidade suficiente, a semente germina. Na falta da proteção com os fungicidas, a semente fica a mercê dos fungos presentes no solo e deteriora“, esclarece Ademir Henning.

O tratamento industrial de sementes conta com equipamentos sofisticados - Crédito Momesso
O tratamento industrial de sementes conta com equipamentos sofisticados – Crédito Momesso

Proteção eficiente

Existem maisde 100 doenças relatadas em soja no mundo, sendo que mais ou menos 40 delas apresentam importância econômica no Brasil. O tratamento de sementes,além de controlar os principais fungosfitopatogênicos transmitidos pela semente como: Phomopsis sp.,Fusariumsp.Cercosporakikuchii (causador da mancha púrpura da semente) e o fungo causador do mofo-branco, Sclerotiniasclerotiorum, através dos fungicidas benzimidazóis (MBC´s) aliados a um bom fungicida de contato que garantemo bom estabelecimento da lavoura.

Na dose certa

O responsável técnico da fazenda é quem decide como será formulado o tratamento de semente. Se a opção for pelo industrial, já estão disponíveis equipamentos altamente tecnificados que aplicam os fungicidas,os inseticidas, nematicidas, polímeros, pós secantes, Co e Mo, etc,na dosagem certa.

“Isso vai agregar valor à semente porque economizará com outros insumos. Por exemplo, se não há problemas de coró ou lagarta-elasmo na lavoura, para que colocar inseticida? Essa é a importância de o responsável técnico ter a liberdade de falar para o produtor assistido por ele o que precisa ou não colocar na semente, evitando custos desnecessários“, expõe Ademir Henning, alertando que o produtor evite pacotes fechados.

O milho sempre foi a semente mais tratada, por ser híbrida e mais cara - Crédito Marcelo Madalosso
O milho sempre foi a semente mais tratada, por ser híbrida e mais cara – Crédito Marcelo Madalosso

E se o produtor ou técnico não souberem ao certo o que usar, é preciso buscar informações nas instituições de pesquisa, como a Epamig ou a Embrapa, além de outras instituições de pesquisa, evitando desperdícios de dinheiro, produto e tempo.

 

Essa matéria completa você encontra na edição de abril 2018 da revista Campo & Negócios Grãos. Adquira já a sua para leitura integral.

ARTIGOS RELACIONADOS

Respostas da alface às algas + bioestimulantes

Vandimilli Araujo Lima Graduanda em agronomia pela Universidade Federal de Lavras (UFLA) Rafaella de Paula Avelar Mestranda em Fisiologia Vegetal - UFLA A alface (Lactuca sativa) é...

Cultivo de guaraná é exclusividade do Brasil

O Brasil é o único produtor comercial de guaraná do mundo, exceto diminutas áreas na Amazônia venezuelana e peruana. Possui uma área plantada de 10.719 hectares e para cada R$ 1,00 investido, tem-se o retorno líquido de R$ 1,02.

Manejo nutricional do mamoeiro

Bruno Nicchio Engenheiro agrônomo e doutorando em Fitotecnia - ICIAG-UFU bruno_nicchio@hotmail.com Ernane Miranda Lemes Engenheiro agrônomo, fitopatologista e doutor em Fitotecnia ernanelemes@yahoo.com.br   O Brasil é o segundo produtor mundial de...

FLV IV Gama – A Solução para Uma Alimentação Saudável

São Paulo sediará o maior e mais importante evento sobre o mercado de FLV IV Gama (Frutas, Legumes e Verduras Minimamente Processados) do Brasil,...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!